Topo

Geek

Comediante critica Stan Lee e culpa os quadrinhos por eleição de Trump

Vince Bucci/Getty Images
Stan Lee Imagem: Vince Bucci/Getty Images

Rodolfo Vicentini

Do UOL, em São Paulo

17/11/2018 15h28

Bill Maher retomou seu blog pessoal para causar polêmica no meio do entretenimento. Em texto de três parágrafos, escrito cinco dias após a morte de Stan Lee, o humorista criticou a importância do líder da Marvel, afirmando que ele "inspirou milhões para assistir a um filme", e ainda culpou os quadrinhos pela eleição do atual presidente norte-americano, apontando que apenas um país que ache HQs importantes poderia eleger Donald Trump.

Leia abaixo o texto de Maher na íntegra.

O cara que criou o Homem-Aranha e o Hulk morreu, e a América está de luto. Um profundo luto por um homem que inspirou milhões a, não sei, assistir a um filme, eu acho. Alguém no Reddit [fórum de discussões] postou: “Eu sou tão incrivelmente grato que vivi em um mundo que incluía Stan Lee.” Pessoalmente, eu sou grato por viver em um mundo que inclua oxigênio e árvores, mas cada um é cada um. Eu não tenho nada contra os quadrinhos - eu os leio agora e lia quando era criança. Mas a suposição que todos tinham naquela época, tanto os adultos quanto as crianças, era de que os quadrinhos eram para crianças e, quando você cresceu, você passou para livros de garotos grandes sem as fotos.

DANNY MOLOSHOK/Reuters
O humorista Bill Maher Imagem: DANNY MOLOSHOK/Reuters

Mas então, 20 anos atrás, algo aconteceu - os adultos decidiram que não precisavam desistir das coisas das crianças. E assim eles fingiram que as revistas em quadrinhos eram na verdade literatura sofisticada. E como a América tem mais de 4.500 faculdades - o que significa que precisamos de mais professores do que pessoas inteligentes - algumas pessoas burras se tornaram professoras escrevendo teses com títulos como "Alteridade e Heterodoxia no Surfista Prateado". E agora, quando os adultos são forçados a fazer coisas adultas, como comprar um seguro de automóvel, chamam isso de "adultério" e agem como se fosse uma luta gigantesca.

Eu não estou dizendo que necessariamente ficamos estúpidos. O "João" médio é mais inteligente em muitos aspectos do que ele estava, digamos, nos anos 1940, quando um grande passeio era um curta dos Três Patetas e um musical de Carmen Miranda. O problema é que estamos usando nosso conhecimento sobre coisas estúpidas. Eu não acho que seja um grande esforço sugerir que Donald Trump só poderia ser eleito em um país que acha que os quadrinhos são importantes.