Topo

Filmes e séries

Como a Academia vê a tentativa da Netflix de levar o Oscar de melhor filme

Reprodução
Cena de "Roma", que retrata rotina de uma família de classe média no México Imagem: Reprodução

Caio Coletti

Colaboração para o UOL

16/11/2018 04h00

Esta era uma discussão que parecia inevitável. Desde pelo menos 2015, quando a Nefllix lançou "Beasts of No Nation", longas-metragens originais da plataforma de streaming têm se posicionado como possíveis concorrentes ao Oscar de melhor filme, só para ver suas esperanças esmagadas quando a lista de indicações é finalmente anunciada.

Na edição do Oscar deste ano, o filme "Mudbound: Lágrimas Sobre o Mississippi" recebeu quatro indicações, incluindo melhor atriz coadjuvante (para Mary J. Blige), melhor roteiro adaptado e melhor fotografia, mas a Netflix nunca conseguiu levar a almejada nomeação a melhor filme.

Parte do "problema" é que a Netflix é vista como inimiga do cinema tradicional americano por alguns votantes da Academia. Sua estratégia de lançar os filmes mais cotados para o Oscar simultaneamente nos cinemas e no streaming (outros títulos, que não têm chances tão claras de premiação, são deixados totalmente fora do circuito tradicional) é lida por muitos como uma forma de afastar ainda mais o público das salas convencionais.

Este ano, após repetidamente se frustrar com a falta de indicações, a Netflix mudou o tom: "Roma", de Alfonso Cuarón, terá três semanas de exibição nos cinemas americanos antes de ser adicionado no catálogo mundial da Netflix, em 14 de dezembro. "Bird Box" (de Susanne Bier) e "The Ballad of Buster Scruggs" (dos irmãos Coen) receberão tratamento semelhante, com uma semana de exibição antecipada nos cinemas tradicionais.

Como o "The Hollywood Reporter" percebeu ao conversar com membros da Academia, no entanto, a estratégia pode não ser o bastante. Muitos deles reclamam, agora, do arranjo monetário entre a Netflix e os donos de cinemas que passarão os filmes -- a plataforma vai pagar adiantadamente para os proprietários exibirem os títulos, ao invés de dividir com eles a arrecadação da bilheteria.

A prática, chamada de "four-walling" nos meios de Hollywood, não é bem vista porque protege os distribuidores de revelar o quanto ganharam ou perderam com cada lançamento. Para muitos membros da Academia, se a Netflix conseguir a indicação a melhor filme com qualquer um de seus concorrentes, será a primeira vez que um filme lançado desta forma é recompensado pelos votantes.

"O que eles estão fazendo é enganar o público", diz um membro da Academia, que se manteve anônimo na reportagem. "Eles querem ser legitimados como distribuidores e criadores de conteúdo, mas não querem jogar pelas regras que todo mundo joga. Eles não vão correr o risco de ter um grande fracasso de bilheteria, não publicamente".

O "THR" sugere que a Netflix está pagando alto pela campanha de "Roma", considerado o favorito entre as apostas da plataforma. Segundo a matéria, muitos proprietários de cinema estão cobrando o dobro do que normalmente cobrariam para exibir o filme, e a Netflix tem dado preferência a salas que possam projetar o longa em 16mm, um formato mais caro, mas apreciado por insiders da indústria.

"Olha, é um começo", comenta o produtor Bill Mechanic, indicado a melhor filme por "Até o Último Homem". "Eles estão fazendo isso, claramente, só pela Academia. Eu acho que é incrível que eles estão abrindo uma janela de lançamento para o filme nos cinemas. Acho também que é uma estratégia limitada".

Publicamente, votantes poderosos da Academia já criticaram a Netflix e seu modelo de streaming em entrevistas. Para Christopher Nolan, a estratégia de não lançar filmes no cinema é "sem noção", enquanto Steven Spielberg definiu os longas produzidos pela companhia como "filmes para a TV", que não deveriam concorrer ao Oscar.

O debate se aprofunda, no entanto, quando membros da votação do Oscar consideram o poder da Netflix de realizar os projetos passionais de cineastas. Foi o que aconteceu com Cuarón, que com "Roma" fez um filme profundamente pessoal sobre sua infância no México, em preto e branco, e sem atores reconhecidos -- a Netflix pagou US$ 20 milhões para distribuí-lo. 

O mesmo vale para "The Irishman", épico criminal de Martin Scorsese, estrelado por Robert De Niro e Al Pacino. Por conta do alto custo da produção, muitos estúdios passaram a oportunidade de produzir o longa, enquanto a Netflix bancou todas as extravagâncias do renomado cineasta e deve lançar o resultado em 2019.

A produtora Stephanie Allan, também votante do Oscar, elabora o ponto: "A Netflix está preenchendo uma lacuna. O negócio do cinema está mudando, não podemos nos segurar a todas as tradições. É fantástico que 'Roma' vai passar em um cinema tradicional. Para mim, não existe desvalorização no plano de lançamento deles".

"Qualquer cineasta que faz um trato com a Netflix sabe o que está fazendo. Ele sabe o modelo de negócios que eles têm. Como votante da Academia, eu estou procurando apenas pelos melhores filmes. Como membro da indústria, estou sempre intrigado com novos modelos", concorda o executivo Tom Ortenberg.

Um outro crítico ferrenho da Netflix não cede aos encantos da plataforma, no entanto. "Eles são como Kaa, a cobra de 'Mogli'. Os olhos girando cheios de dinheiro e dizendo aos cineastas: 'Deixe-me produzir o seu projeto passional'. Eu entendo o apelo, mas há algumas pessoas que resistem a ele", diz.

Mesmo que "Roma", "Bird Box" e "The Ballad of Buster Scruggs" falhem neste ano, os próximos verão a Netflix continuando a forçar o seu caminho para uma indicação a melhor filme. Além do longa de Scorsese, a plataforma tem projetos com os premiados Guillermo Del Toro e Steven Soderbergh, entre outros.

Por virtude da insistência, o sucesso, a não ser que a Academia decida reescrever as regras de elegibilidade para o Oscar, parece inevitável.