Topo

Roger Waters leva ao palco do Maracanã, no Rio, família de Marielle Franco

Ex-baixista do Pink Floyd, Roger Waters faz show no Estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro - Lucas Tavares/Folhapress
Ex-baixista do Pink Floyd, Roger Waters faz show no Estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro Imagem: Lucas Tavares/Folhapress

Carolina Farias

Do UOL, no Rio

25/10/2018 03h21

Se Roger Waters preferiu não mais botar fogo em seus shows com a hashtag "Ele Não", após usá-la em São Paulo no início do mês, na apresentação no Maracanã, no Rio de Janeiro, na noite desta quarta-feira (24), ele levou para o palco Mônica Benício, viúva de Marielle Franco, vereadora assassinada em março deste ano na cidade. Ela, ao lado da filha da parlamentar, Luyara Santos, e Anielle Franco, irmã de Marielle, puxaram um sonoro coro com a hashtag. A plateia aderiu, mas vaias também soaram no estádio.

A participação ocorreu na parte final do show. O fundador do Pink Floyd disse ao público que leu a notícia da morte da vereadora em um jornal independente há seis meses, quando o crime ocorreu. Ele recebeu e vestiu uma camiseta com os dizeres "Lute como Marielle Franco".

"Marielle Franco acreditava nos direitos humanos como eu acredito, mas infelizmente nem todos no mundo acreditam", disse o músico, que, antes de a família da vereadora subir ao palco, exibiu a notícia da morte no telão de 66 metros.

INCREDIBLE RIO, AND THANK YOU FOR HELPING HONOR MARIELLE FEANCO

Uma publicação compartilhada por Roger Waters (@rogerwaters)

em

Mônica, além de puxar o "Ele Não", também conclamou a plateia a pedir justiça para Marielle. "Isso aqui é uma família, quer eles gostem ou não. Essa luta é nossa. Não há democracia enquanto o Estado não responder quem matou Marielle. Vou gritar 'Marielle' e vocês gritam 'justiça'", pediu a viúva, atendida por boa parte do estádio, que teve público de 47 mil pessoas, segundo a organização.

O show aconteceu sob chuva intermitente e também sob gritos de "Ele Não" em diversos momentos, principalmente entre as músicas. Um desses momentos foi quando aparecem no telão os lugares do mundo onde o roqueiro aponta haver crescimento do fascismo. No lugar onde entraria o #elenão, como ocorreu em São Paulo, a frase "ponto de vista censurado" alavancou outra reação do público. Vaias tentaram abafar os gritos. A hashtag que virou grito de guerra é usada por opositores ao candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL).

Marcado para as 21h, o show começou com pouco atraso, às 21h20, e durou quase 3h, com 22 músicas, entre elas os clássicos "Wish You Were Here", "Dogs", "Comfortably Numb" e "Another Brick in The Wall", esta acompanhada por 12 crianças e adolescentes de favelas do Rio do projeto EducaGente, em um momento emocionante do show. O coral vestia camisetas pretas com a palavra "resist", projetada também outras vezes no telão. "Essas crianças são brilhantes, e eu as amo", disse o roqueiro.

Não faltaram os momentos de êxtase dos shows de Waters como o porco voador com os dizeres "seja humano" em inglês e em português, além da projeção da imagem semelhante à capa de "The Dark Side of the Moon", no centro da pista premium.

Durante o show, Roger Waters recebeu e vestiu uma camiseta em homenagem a Marielle Franco - Carolina Farias/UOL
Durante o show, Roger Waters recebeu e vestiu uma camiseta em homenagem a Marielle Franco
Imagem: Carolina Farias/UOL
Adesivos quase censurados

Antes do show, a reportagem do UOL falou com alguns fãs que usavam adesivos do candidato à presidência pelo PT, Fernando Haddad. As cerca de 12 pessoas do grupo disseram ter sido orientadas por seguranças a não usar os adesivos. "Eu estava com dois e me pediram para entrar só com um", disse a cabeleireira Josirene Felix, 41.

"A segurança tirou da minha bolsa um bolo de adesivos", afirmou a dona de casa Tânia Mara de Souza, 58.

"Nos sentimos intimidadas", disse a professora Renata de Souza, 31.

Mesmo com a abordagem, o trio entrou com os adesivos que conseguiram esconder, assim como outros três amigos de Juiz de Fora. "O cara veio e puxou meu adesivo, disse que não podia. Deve ser porque sou cabeludo", brincou o produtor Lucas da Silva Souza, 31, que pegou outro adesivo dos amigos.

"Quando vimos, escondemos uns adesivos", disse Hércules Rakauskas, que colou o acessório sobre a capa de chuva.

A reportagem procurou a assessoria de imprensa do show, que informou que não havia essa orientação aos seguranças e que a situação não estava ocorrendo.

Mais Rock