PUBLICIDADE
Topo

"House of Cards": Primeiras críticas citam fantasma de Spacey e elogiam Wright

Kevin Spacey e Robin Wright em cena na série "House of Cards" (2013) - Divulgação
Kevin Spacey e Robin Wright em cena na série "House of Cards" (2013) Imagem: Divulgação

Beatriz Amendola

Do UOL, em São Paulo

23/10/2018 12h07

As primeiras críticas internacionais da sexta e última temporada de "House of Cards" começaram a sair nesta terça-feira (23). A série retorna no dia 2 de novembro, um ano após perder seu protagonista, Kevin Spacey, demitido após graves acusações de abuso sexual.

Segundo os veículos especializados internacionais, a produção não se livra completamente do fantasma de Frank Underwood, mas Robin Wright consegue destaque como Claire, que já havia alcançado a presidência ao fim da quinta temporada.

Veja o que quem já viu lá fora o sexto ano da série está dizendo:

"Entertainment Weekly"

A revista elogiou os talentos de Robin Wright, destacando a rivalidade entre Claire e a nova personagem Annette (Diane Lane). "'House of Cards' não sofre com a falta de Kevin Spacey; qualquer um que tenha ficado com os Underwoods até agora sabe que Wright é mais do que capaz de comandar a ação como a anti-heroína da série. Apesar de ela e da série nunca conseguirem apagar Francis Underwood da história, é perversamente satisfatório vê-las tentando".

TV Line

O site fez um balanço entre pontos fortes e fracos da série: "Há problemas com ritmo e continuidade, com algumas cenas apressadas e outras que se arrastam demais. [...] Tudo parece um pouco desajustado. E ainda assim eu me vi investido no que estava acontecendo, e o motivo para isso é Wright. Já uma presença forte nas cinco temporadas de 'House of Cards', a atriz agora brilha sozinha e mais do que se mostra à altura do desafio", diz o texto, que ainda ressalta a dinâmica entre Claire e o antigo chefe de gabinete de Frank, Doug (Michael Kelly).

IndieWire

A publicação destacou o desempenho de Patricia  Clarkson, que vive a misteriosa Jane Davis, e criticou o espaço dado pela trama a Frank Underwood. "Cinco dos oito episódios finais enfatizam a importância de Frank e falham em criar arcos dignos do talento de Wright ou da individualidade de Claire. Pior ainda, eles enfraquecem o esforço da série em ressaltar a discriminação contra mulheres na política".

The Daily Beast

O site classificou a performance de Wright como "hipnotizante": "Não há dúvidas de que este é o show dela, e ela tem total poder sobre ele. Só isso já é motivo para assistir". O texto, porém, ressalta que a série permanece com os problemas de ritmo das temporadas passadas, e expressa desconforto com o destino dado a Frank Underwood. "Dançar em um túmulo metafórico em nome de promover uma série parece errado, mesmo que esse túmulo seja o de Spacey".

"The Daily Telegraph"

O jornal britânico fez a crítica mais dura à série, classificando a performance de Wright como "monótona". "Frank Underwood era a coisa mais interessante de 'House of Cards', e sem esse chamariz a série é esvaziada de sua vitalidade. Uma trama habilmente labiríntica faz com que a temporada esteja longe de ser um desastre total".