PUBLICIDADE
Topo

Mark Hamill diz que Luke era "viciado" na Força e morreu "de overdose"

Luke (Mark Hammil) em cena de "Star Wars: Os Últimos Jedi" - Divulgação
Luke (Mark Hammil) em cena de "Star Wars: Os Últimos Jedi" Imagem: Divulgação

Caio Coletti

Colaboração para o UOL

22/10/2018 14h20

Para o ator Mark Hamill, que interpretou Luke Skywalker até os seus últimos momentos em "Star Wars: Os Últimos Jedi", o personagem era como um viciado. Hamill explicou no Twitter que sua droga era a Força, entidade misteriosa da saga à qual os Jedi tem acesso para exercer os seus poderes.

"A FORÇA MATOU LUKE", escreveu. "Você tem que reconhecer a ironia do destino dele. Quase como um viciado que largou a sua droga repentinamente, passou décadas sem usá-la, e então voltou ao seu vício e, tragicamente, sofreu overdose".

Em "Os Últimos Jedi", reencontramos Luke em exílio voluntário. Ele se afastou de tudo e de todos após ser traído pelo próprio aluno e sobrinho, Kylo Ren (Adam Driver), e se recusa a usar a Força e lutar contra a Primeira Ordem quando Rey (Daisy Ridley) o encontra.

No final do filme, ele usa os seus poderes para realizar uma projeção astral, aparecendo como uma espécie de holograma espiritual no campo de batalha e enfrentando Ren. O esforço, no entanto, exige demais de Luke, que desaparece deixando as roupas para trás.

Hamill já falou várias vezes sobre as suas discordâncias com o diretor e roteirista de "Os Últimos Jedi", Rian Johnson. "Este não é o meu Luke Skywalker. Jedis não desistem. Eu disse isso para Rian, mas ele é parte da nova geração que assumiu 'Star Wars', então tive que pensar em Luke quase como outro personagem", comentou em uma entrevista.

O ator, no entanto, defendeu mais tarde a qualidade do filme, já que muitos fãs usaram suas declarações para fundamentar críticas a "Os Últimos Jedi". "Diferenças criativas são algo normal em qualquer projeto", frisou. "Eu só queria fazer um bom filme, mas consegui mais do que isso. Com Rian, fizemos um dos grandes filmes de todos os tempos!".