Topo

Filmes e séries


"Sorry For Your Loss" entende a dor da perda melhor do que qualquer série

Divulgação
Elizabeth Olsen em cena de "Sorry For Your Loss" Imagem: Divulgação

Caio Coletti

Colaboração para o UOL

09/10/2018 04h00

Em cena do episódio piloto de "Sorry For Your Loss" que foi usada nos trailers, Leigh (Elizabeth Olsen) fala com Danny (Jovan Adepo) sobre as coisas que mais odeia sobre o luto, quatro meses depois que seu marido, Matt (Mamoudou Athie), morreu. "Eu odeio como, no começo, todo mundo te manda flores. Então, eles param de ligar, de escrever para você ou de fazer coisas gentis para você, porque eles superaram, e esperam que você tenha superado também", diz a jovem viúva.
 
Danny é um bom ouvinte para as lamentações de Leigh porque Matt era seu irmão. Os dois personagens têm personalidades contrastantes, no entanto, e logo a conversa explode em uma discussão na qual Danny deixa escapar: "Você pode arranjar um novo marido. Eu não posso arranjar um novo irmão!".
 
Assim, em duas cenas de seu primeiro episódio, "Sorry For Your Loss" mostra que entende a dor da perda de alguém que amamos melhor do que qualquer outra série na memória recente. Com observação afiada, mas ainda solidária com os sentimentos de quem passa pelo processo de luto, a série criada por Kit Steinkeller mostra também que o Facebook Watch, plataforma de streaming da rede social mais popular do mundo, não está para brincadeira.
 
O problema, no entanto, é que ninguém está assistindo. "Sorry For Your Loss" deve lançar os seus dois últimos episódios nesta terça-feira (9) com uma média de espectadores decepcionante para uma plataforma que reúne mais de 2 bilhões de pessoas ao redor do mundo. O primeiro episódio foi visto por 3,7 milhões de usuários do Facebook, mas só 68 mil voltaram para o segundo. Depois a audiência melhorou, mas a série não passou dos 700 mil usários em nenhum episódio desde então.

 Um projeto passional 

O caminho de "Sorry For Your Loss" da concepção à realização foi um tanto conturbado. A série originalmente seria produzida pelo canal a cabo Showtime, conhecido por títulos como "Shameless" e "Homeland". Elizabeth Olsen "adotou" o projeto quando leu o roteiro original de Steinkeller, em 2015, tornando-se produtora executiva e trabalhando ativamente para que a produção se concretizasse.
 
Quando a Showtime resolveu não fazer "Sorry For Your Loss" (então intitulada "Widow", ou "Viúva"), Olsen se engajou ainda mais na produção, comandando a reunião que eventualmente fez o Facebook Watch aceitar a série. "Foi interessante, porque eu citei Sheryl Sandberg [executiva do Facebook] em parte do nosso discurso para vender a série", revelou a atriz à "Entertainment Weekly".
 
"Sheryl deu esse discurso em uma universidade sobre luto, e sobre como ela cresceu após a morte de seu marido. Foi uma conexão bem interessante. O Facebook é uma comunidade à qual, mesmo que as pessoas digam 'ah, eu não uso muito', elas ainda recorrem quando alguém nasce ou morre. A nossa série ir parar no Facebook Watch foi uma combinação curiosa e perfeita", definiu.
 
A paixão da atriz pelo projeto transparece em "Sorry For Your Loss". Como Leigh, ela entrega uma performance modulada, nunca melodramática, que deve ser imediatamente reconhecível para quem passou pela montanha-russa de emoções que é a morte de um ente querido. Ela é o centro sólido de uma obra que não deixa a desejar nem nas "beiradas". 

 Por que assistir?

A maior virtude da série, e da atuação de Olsen, é que nenhuma das duas se confina nos clichês chorosos do luto que normalmente vemos reproduzidos na ficção. A tristeza está presente, é claro, mas "Sorry For Your Loss" entende os lados ainda mais sombrios do sentimento de perder alguém tão próximo: o egoísmo de ver o nosso sofrimento como maior do que o do outro, a irritação com o mundo que continua a girar apesar do que aconteceu, a forma como nos escondemos no humor negro para aliviar essa irritação.
 
A sensação de assistir a "Sorry For Your Loss", como alguém que já passou por algo igual ou parecido ao que aconteceu com Leigh, é a de observar personagens que acham que o mundo todo está contra eles - e entender que, em certa dimensão, eles não estão errados.
 
A série de Steinkeller, no entanto, não se limita a essa análise sincera e detalhista do luto. Não seria honesto diminuir as vidas íntimas ricas de seus personagens a isso. Em episódios rápidos, mas incisivos, de 30 minutos, "Sorry For Your Loss" aborda alcoolismo, responsabilidade parental, depressão e suicídio. Sensibilidade é a palavra de ordem, em oposição direta a títulos populares que não parecem se preocupar com o impacto real de suas histórias.
 
Vale lembrar também que Olsen não é a única grande atuação da série. A divina Janet McTeer interpreta sua mãe, Amy, com a resiliência e elegância que empresta a todas as suas personagens (não à toa, a britânica já concorreu a dois Oscar, por "Livre Para Amar" e "Albert Nobbs"). Kelly Marie Tran, por sua vez, mostra insuspeita versatilidade ao encarnar Jules, a irmã alcoólatra de Leigh, mais uma vez provando que a virulência de certos fãs de "Star Wars" contra ela é incabível.
 
Caso siga subestimada pelo público, é improvável que "Sorry For Your Loss" ganhe uma segunda temporada. Pena, porque a série poderia muito facilmente se tornar um dos grandes títulos dramáticos da TV americana se tivesse espaço para crescer. Da forma como está, é uma preciosidade que ainda precisa ser descoberta.

Como assistir?

"Sorry For Your Loss" está disponível, de graça, para qualquer um que tenha conta no Facebook. Basta entrar na página da série para ter acesso à lista de episódios. Por enquanto, a plataforma oferece apenas legendas em inglês, que ficam disponíveis só quando o usuário muda o idioma da rede social para inglês nas configurações do seu perfil.