PUBLICIDADE
Topo

Natalie Portman diz que já foi assediada e ganhou menos que colegas homens

Reuters
Imagem: Reuters

Caio Coletti

Colaboração para o UOL

09/10/2018 10h49

A atriz Natalie Portman conversou com a "Variety" como uma das escolhidas para a edição anual da revista sobre "o poder das mulheres" em Hollywood. Em entrevista franca, Portman confessou já ter sido assediada na indústria.

"Isso absolutamente já aconteceu comigo. Eu não posso dizer que tive as experiências terríveis que outras mulheres revelaram desde o começo do movimento #MeToo", disse a atriz. "No entanto, o assédio é algo regular, tanto que nós nos dessensibilizamos a ele".

"Quando o movimento começou, eu dizia que nunca havia sido assediada sexualmente, embora apoiasse as pessoas que denunciavam isso", continuou. "Agora, quanto mais histórias eu ouço, mais penso: 'Bom, isso aconteceu comigo'. Eu só não pensava nisso como assédio, porque era algo que acontecia todos os dias".

Portman, no entanto, não quis especificar nenhum caso. "O sensacionalismo dessas histórias tem um lado ruim também, e precisamos falar sobre isso. Jornalistas abordam homens e mulheres que supostamente sofreram abuso de forma agressiva para revelar suas histórias. Isso, para mim, é como uma nova vitimização. As pessoas devem contar suas histórias quando estiverem prontas", refletiu.

"O movimento Time's Up me inspira porque ele teve a capacidade de pegar essas grandes revelações do #MeToo e transformar em uma conversa mais ampla sobre segurança no local de trabalho, sobre justiça e igualdade", elogiou a atriz. "Não é só sobre mulheres, mas sobre pessoas não-brancas, sobre pessoas com deficiências, sobre pessoas LGBTQ+. É sobre criar um ambiente seguro para todo mundo que tem se sentido marginalizado".

Portman também confessou que já recebeu salários menores que seus colegas homens em filmes, mesmo quando dividiu o protagonismo com eles na tela. Mais uma vez, a atriz não quis esclarecer em quais projetos de sua carreira isso aconteceu.

"A verdade é que, na maior parte do tempo, você não sabe quanto dinheiro seu colega está ganhando. A não ser que o seu agente descubra, ou esse cara seja um aliado e te diga qual é o salário dele, você não sabe", contou. "É um problema em todas as indústrias, e eu acho que é preciso mais comunicação. Normalmente, descobrimos a injustiça nos salários quando já é tarde demais".

A atriz também revisitou sua marcante participação no Globo de Ouro 2018, onde foi convidada para apresentar o prêmio de melhor direção. Ao lado de Ron Howard, Portman apresentou o prêmio com as palavras: "Aqui estão os indicados, todos eles homens".

"Eu acho que nos últimos anos há um pouco mais de pressão para contratar mulheres como diretoras, como diretoras de fotografia, como editoras, como compositoras. São todos trabalhos tipicamente feitos por homens", comentou. "Como você sabe, 50% dos ingressos de cinema são comprados por mulheres, mas mesmo assim Hollywood se surpreende quando 'Mulher Maravilha' faz sucesso".