PUBLICIDADE
Topo

Norman Reedus, o Daryl de "The Walking Dead", promete não deixar série

O ator Norman Reedus, astro de "The Walking Dead" - Reprodução
O ator Norman Reedus, astro de "The Walking Dead" Imagem: Reprodução

Caio Coletti

Colaboração para o UOL

02/10/2018 14h16

"Se Daryl morrer, nós nos revoltamos". O lema dos fãs de "The Walking Dead" é repetido à exaustão nas redes sociais. No entanto, segundo Norman Reedus, o próprio intérprete de Daryl, os fãs não precisam se preocupar: ele não vai embora tão cedo.

Reedus falou ao "The Hollywood Reporter" em ocasião da estreia da nona temporada da série, que ocorre em 7 de outubro. O nono ano marcará, como bem sabem os fãs, a saída de Andrew Lincoln (Rick Grimes) do elenco.

"Eu fiquei deprimido [quando soube da saída dele]", comenta Reedus na entrevista. "Nós tínhamos um pacto que ficaríamos na série até o final. 'Se você quiser sair, me diga antes'. Eu fiquei sabendo da decisão de Andrew antes de todo mundo, antes mesmo da emissora e dos produtores".

"Eu tentei convencê-lo a ficar um milhão de vezes", brinca ainda o ator. "Eu entendo a decisão dele. Ele tem dois filhos pequenos em Londres. Eu tenho um filho em Nova York, e passo muito tempo entre o set e visitas a ele. Quando eles estão passando pela infância, você precisa estar presente".

Apesar disso, Reedus garante que não vai deixar a série. "Eu comecei em 'The Walking Dead' na primeira temporada, e amaria ficar até o final. Acho que seria um pouco covarde da minha parte ir embora antes", comenta.

"É uma luta, todos os dias, fazer esta série - mas é uma luta na qual eu estou envolvido. Eu gosto da minha vida aqui. Eu gosto de andar de moto da minha casa para o trabalho, e minha família está aqui. Sempre que estou em Nova York, quero estar de volta aqui [na Georgia, onde a série é filmada]. As coisas são muito loucas por lá, todo mundo me reconhece. Eu tenho um visual bem distinto", diz o ator.

Reedus ainda reflete sobre como a sua jornada nos anos em que atuou como Daryl se confunde com a do personagem. "No começo, Daryl era um trapaceiro. Ele era desconfiado e não tinha amigo nenhum. Aos poucos, ele passou a confiar nas pessoas e até se tornou um líder. Eu vejo isso na minha vida", conta.

"Por muito tempo, eu via as pessoas se vestindo como Daryl para ir em convenções. Agora, elas se vestem como eu!", brinca ainda. "É curioso como as linhas se confundem nesse caminho".