PUBLICIDADE
Topo

Diretora de "Crepúsculo" diz que lutou por elenco mais diverso no filme

Catherine Hardwicke, Kristen Stewart e Stephenie Meyer em set de "Crepúsculo" - Divulgação
Catherine Hardwicke, Kristen Stewart e Stephenie Meyer em set de "Crepúsculo" Imagem: Divulgação

Caio Coletti

Colaboração para o UOL

02/10/2018 12h03

A diretora Catherine Hardwicke revelou, em entrevista ao "The Daily Beast", que tentou convencer os produtores de "Crepúsculo" a escalarem um elenco mais diverso para o primeiro filme da franquia - sua principal opositora, no entanto, acabou sendo a autora da saga, Stephenie Meyer.

Hardwicke explica que o único estágio da produção em que Meyer esteve mais envolvida foi a escalação do elenco. "Ela estava muito ocupada na época", relembra a cineasta. "Ela visitou o set, durante as filmagens, só duas vezes. Não tive muita interação com ela. Mas ela revisou todas as nossas escalações".

"Eu queria que o elenco fosse bem mais diverso, mas Stephenie não escreveu o livro desta forma", comenta ainda. "Eu acho que ela não vê o mundo desse jeito. Eu tentei convencê-la. Queria que Alice fosse japonesa! Ela não permitiu que fizéssemos isso com os Cullen, no entanto, porque ela os tinha de uma forma muito específica em sua cabeça. Para ela, eles representavam amigos ou parentes".

"Stephenie apontava para a descrição dos livros, dizendo: 'Eu escrevi que eles tinham uma pele pálida e brilhante!'", reconta a diretora. A autora só deu o braço a torcer em relação ao personagem Laurent, um dos vampiros "malvados e assustadores", como descreve Hardwicke.

"Ela também estava aberta a alguns dos amigos humanos de Bella não serem brancos", diz ainda. "Por isso, escalamos Christian Serratos [a intérprete de Angela, de origem latina] e Justin Chon [o Eric, de herança asiática], que abriram um pouco o mundo da saga".

A diretora ainda aponta que trabalhou com a roteirista Melissa Rosenberg para criar uma Bella (interpretada por Kristen Stewart) "um pouco menos passiva do que ela era nos livros". "Eu entendo que Bella ganha os seus poderes mais tarde na saga, mas queríamos colocar isso logo no primeiro volume", explica.

O "filme indie" que estourou

Hardwicke conta também como a produção de "Crepúsculo" nunca estava planejada para ser o grande blockbuster que se tornou. "Por que você acha que eles me contrataram? Eles não contratariam uma mulher se achassem que ia ser um grande sucesso. Mulheres não dirigiam blockbusters naquela época, ainda menos do que dirigem agora", diz.

O estúdio nem mesmo pressionou para a escalação de grandes nomes nos papéis principais. "Eu não senti a pressão de um filme da Marvel", brinca Hardwicke. "Eu disse: Eu vi essa garota em um filme independente, e ela parece muito boa. Ela tem cenas bacanas em 'Na Natureza Selvagem', também. E o estúdio simplesmente aprovou. Era Kristen Stewart".

"Com Robert [Pattinson, o Edward da saga] foi a mesma coisa: Sim, ele havia feito 'Harry Potter', mas isso tinha sido anos antes e sua carreira desde então não tinha estourado. Ele era um desconhecido. O mesmo aconteceu com todos os coadjuvantes - o estúdio nem mesmo queria gastar com grandes nomes para interpretar os pais de Edward e Bella", se diverte a cineasta.

O sucesso do filme não empurrou só Stewart e Pattinson para os holofotes, mas também Hardwicke - embora não da forma como ela esperava. Pouco após o lançamento de "Crepúsculo", matérias em vários sites de entretenimento surgiram chamando o seu comportamento no set de "difícil" e "irracional".

"Eu realmente não entendi de onde isso estava vindo", comenta. "Esses mesmos sites sempre elogiavam diretores homens que 'lutavam por sua visão' ou 'faziam as coisas do seu jeito'. Eu não queria dirigir o segundo filme, pelo menos não do jeito que o estúdio queria, e a matéria fez parecer que eu havia sido demitida".

Hardwicke também teve dificuldades para achar o seu próximo projeto. "Eu tinha alguns roteiros que o meu agente tinha mandado. Um deles, um drama familiar, tinha realmente me comovido. No entanto, mesmo com o sucesso de 'Crepúsculo', eles não quiseram nem fazer uma reunião comigo. Contrataram um cara para dirigir", relembra.

Desde o lançamento de "Crepúsculo", Hardwicke assinou três longas-metragens: "A Garota da Capa Vermelha" (2011), "Plush" (2013) e "Já Estou Com Saudades" (2015). Também dirigiu episódios das séries "Hell on Wheels", "Low Winter Sun", "Reckless", "Eye Candy" e "Eyewitness".