PUBLICIDADE
Topo

Kanye West faz novo comentário polêmico sobre escravidão e é detonado nas redes

O rapper Kanye West - Chris Pizzello/Invision/AP
O rapper Kanye West Imagem: Chris Pizzello/Invision/AP

Guilherme Machado

Do UOL, em São Paulo

30/09/2018 22h59

Kanye West voltou a causar polêmica nas redes sociais. Depois de se apresentar no programa "Saturday Night Live", no qual fez um discurso a favor de Donald Trump, presidente dos Estados Unidos, o rapper fez uma publicação em seu Twitter e em seu Instagram na qual aparecia com um boné no que continha a frase "Make America Great Again" (Faça América Grande de Novo), principal slogan de Trump.

"Isso representa o bem e a América se tornando plena novamente. Não vamos mais terceirizar para outros países. Nós construímos fábricas aqui na América e criamos empregos. Vamos dar empregos para todos que forem livres de prisões enquanto abolimos a 13ª emenda. Mensagem enviada com amor", escreveu ele na legenda da imagem.

A emenda a qual Kanye se refere foi adicionada à constituição dos Estados Unidos após o fim da guerra civil americana e foi responsável por abolir a escravidão no país. Por isso, a publicação do rapper causou revolta nas redes sociais.

O ator Chris Evans, o Capitão América, foi um dos que criticou as declarações de Kanye. "Não há nada mais enlouquecedor do que debater com alguém que não conhece a história, que não lê livros, e enquadra sua miopia como virtude. O nível de conjectura sem desculpas que encontrei recentemente não é só frustrante, é retrocessivo, sem precedentes e absolutamente assustador", escreveu Evans. 

A cantora Lana Del Rey também se posicionou contra o rapper: "Trump virar nosso presidente foi uma perda para o país, mas seu apoio a ele é uma perda para a cultura. Só posso assumir que você se identifique com a personalidade em algum nível. Ilusões de grandeza, problemas extremos com narcisismo -- nenhum dos quais seriam pontos de discussão se não falássemos do homem que está liderando nosso país".

Após a repercussão negativa, o rapper tentou se explicar. "A 13ª emenda é escravidão disfarçada, o que quer dizer que ela nunca acabou. Nós somos a solução que cura. Não abolir, mas, vamos emendar a 13ª emenda. Nós aplicamos as opiniões de todos à nossa plataforma", escreveu ele ao longo de dois tweets.

Essa não é a primeira vez que Kanye faz uma declaração polêmica em relação à escravidão. Em entrevista ao "TMZ" em maio, ele afirmou: "Quando você ouve falar sobre escravidão por 400 anos...400 anos? Isso parece uma escolha. É como se estivéssemos mentalmente aprisionados".

Depois, ele usou seu twitter para tentar se explicar. "Precisamos ter discussões abertas e ideias em dor instável...Para ser claro: é claro que sei que escravos não foram algemados e colocados em um barco de vontade própria. Meu ponto é que para nós termos ficado naquela posição apesar dos números estarem do nosso lado significa que estávamos mentalmente escravizados", declarou ele na ocasião.

Recentemente, Kanye também mudou seu nome artístico, passando a se chamar apenas "Ye". Ele também havia prometido lançar no sábado (29) um novo álbum, intitulado "Yandhi", mas até o momento, o novo trabalho ainda não está disponível.