PUBLICIDADE
Topo

Lexa recusou cachê três vezes maior para fazer novo show na Guiné Equatorial

A cantora Lexa - Divulgação
A cantora Lexa
Imagem: Divulgação

Ana Cora Lima e Felipe Branco Cruz

Do UOL, no Rio de Janeiro e em São Paulo

26/09/2018 18h06

A cantora Lexa afirmou que recusou um cachê três vezes maior para fazer uma nova apresentação na Guiné Equatorial, na África, para Teodorín Nguema Obiang Mangue, filho do ditador Teodoro Obiang Nguema Mbasogo. A declaração foi dada à reportagem do UOL nos bastidores do Prêmio Multishow, na noite desta terça-feira (25), no Rio de Janeiro.

O país africano, governado desde 1979 por Teodoro, coleciona acusações de corrupção e violação de direitos humanos. Enquanto isso, Teodoro foi apontado pela revista Forbes como um dos governantes mais ricos do mundo, passando a fortuna da rainha da Inglaterra, sendo que parte desse dinheiro vem das imensas reservas de petróleo exploradas pelo país.

"Eu não falo mais sobre isso. Na verdade, eu fui sem saber. Chegando lá [na Guiné Equatorial] foi que eu tomei conhecimento da situação. Me ofereceram o triplo para fazer mais shows e eu recusei", disse a cantora, que ficou bastante irritada com a pergunta.

As cantoras Lexa e Ludmilla se apresentaram em junho deste ano na festa de aniversário de Teodorín, na Guiné Equatorial. A festa contou também com shows dos rappers Akon e Sean Kingston. Na ocasião, Lexa postou no Instagram que estava muito feliz com o show e que esta seria a primeira vez que se apresentaria fora do Brasil.

No dia 14 de setembro, Teodorín voltou a aparecer nos noticiários brasileiros após a Polícia Federal apreender no aeroporto de Viracopos mais de 16 milhões de dólares em dinheiro e joias que estavam na comitiva do filho do ditador.

Teodorín integrava uma delegação com 11 pessoas que chegou em um avião privado. Teodorín, que é vice-presidente da Guiné Equatorial, ficou livre porque tem imunidade diplomática.

A comitiva alegou que o dinheiro seria usado para custear um tratamento médico e que as joias eram de uso pessoal de Teodorín. O vice-presidente foi liberado pela polícia e seguiu viagem para a Ásia.

A cantora Ludmilla foi procurada para comentar esta reportagem, mas sua assessoria de imprensa respondeu que ela não estava disponível no momento.