PUBLICIDADE
Topo

Prêmio da Música Brasileira tem Chico como maior vencedor e gritos de "Lula Livre"

Criolo comemora prêmio de melhor cantor no Prêmio da Música Brasileira de 2018, na categoria samba; na cerimônia, ele fez a letra "L" com os dedos e foi respondido com gritos de "Lula Livre" - Reprodução/Instagram
Criolo comemora prêmio de melhor cantor no Prêmio da Música Brasileira de 2018, na categoria samba; na cerimônia, ele fez a letra "L" com os dedos e foi respondido com gritos de "Lula Livre" Imagem: Reprodução/Instagram

Ana Cora Lima

Do UOL, no Rio

16/08/2018 06h54

Algumas ausências foram sentidas como Roberto Carlos, Gal Costa, Gilberto Gil, Zezé di Camargo & Luciano e Ivete Sangalo, mas o 29º Prêmio da Música Brasileira conseguiu reunir cantores dos mais diversos estilos na noite desta quarta-feira  (15), no Teatro Municipal do Rio. O ponto alto da premiacao, que teve como homenageado Luiz Melodia, foi a apresentação de Maria Betânia, Caetano Veloso e os filhos Moreno, Tom e Zeca. O quinteto cantou " Pérola Negra".

Chico Buarque foi o maior vencedor da noite com os prêmios de melhor canção, "Tua Cantiga", e melhor disco de MPB, com "Caravanas".

A cerimônia também marcou a luta pela representatividade negra na cultura e logo no show de abertura, Fabiana Cozza mandou um recado. "Meu nome é Ébano".

Há pouco tempo, a cantora teve seu nome envolvido na polêmica do musical em homenagem a Dona Ivone Lara. Fabiana foi escolhida para interpretar a grande dama do samba, mas renunciou ao papel, devido aos protestos por seu tom de pele não ser igual ao da ersonagem. Ela foi aplaudida de pé pela plateia do Municipal.

Aliás, Fabiana foi a única, com apenas uma frase , que conseguiu manifestar seu sentimento. A produção do prêmio evitou todo e qualquer discurso dos vencedores.

Leci Brandão e Criolo, eleitos melhor cantora e melhor cantor na categoria samba, fizeram a letra "L" com os dedos, e parte do público começou a gritar "Lula Livre ". A plateia se dividiu entre aplausos e vaias.

Maria Gadú apareceu com pintura indígena, como protesto em favor da causa.