Topo

Filmes e séries


Cinema de terror nacional vive sua fase mais promissora com grana e globais

Daniel de Oliveira em "Morto Não Fala" - Divulgação/Globo Filmes
Daniel de Oliveira em "Morto Não Fala" Imagem: Divulgação/Globo Filmes

Maurício Dehò

Do UOL, em São Paulo

14/08/2018 04h00

Ainda que possa ser considerado um gênero para um nicho bem específico do público, o cinema de terror vem crescendo. E não estamos falando apenas do bom momento internacional, com filmes como "IT", "Corra!" e "Um Lugar Silencioso". Diretores, produtores e atores brasileiros veem o momento como o mais promissor para produções cheias de sangue, sustos e elementos sobrenaturais, puxados por uma boa safra de filmes nacionais nos últimos anos e um investimento neste tipo de produção que é visto com ganho de editais com valores inéditos, a presença de atores famosos e até da Globo Filmes.

Entre lançamentos recentes e filmes que estão chegando às salas de cinema, nunca se viu tanto terror sendo produzido no Brasil, com tantos nomes famosos e orçamentos tão polpudos. São filmes como "O Juízo", de Andrucha Waddington, que chega aos cinemas no fim do ano com Fernanda Montenegro e Lima Duarte no elenco, "Morto Não Fala", com Daniel de Oliveira como protagonista de uma produção da Globo Filmes, e "O Animal Cordial", que saiu na última quinta-feira, com Murilo Benício e Camila Morgado.

O diretor de filmes de terror Paulo Biscaia Filho, que começou trabalhando no teatro - Reprodução/Instagram
O diretor de filmes de terror Paulo Biscaia Filho, que começou trabalhando no teatro
Imagem: Reprodução/Instagram

Não é só com estrelas globais que a cena cresce. Paulo Biscaia Filho, que trabalha com teatro e cinema de terror há mais de duas décadas, recebeu uma notícia que mostrou a mudança no cenário do terror brasileiro. "Recentemente soube que minha produtora foi aprovada em um edital de R$ 2,2 milhões para meu próximo filme", contou ele, que prepara "Uísque, Zumbis e outros Apocalipses" para 2020 e, neste ano, lança uma produção que dirigiu feita nos Estados Unidos, "Virgens Acorrentadas".

"E eu não só fiquei muito feliz por viabilizar meu filme, mas porque é importante para este momento. Não é a primeira vez que nos inscrevemos, mas é a primeira vez que é aprovado um valor tão alto", explica ele.

O mesmo aconteceu com Rodrigo Aragão, de "A Noite dos Chupacabras" e de "A Mata Negra", concluído neste ano. "Fiz meus primeiros quatro filmes de modo independente, e meu maior orçamento tinha sido com 'A Mata Negra', de R$ 600 mil, que esperamos lançar nos cinemas em dezembro. Agora, estou produzindo meu maior filme, 'Cemitério das Almas Perdidas', com um edital que ganhamos junto à Ancine, de R$ 2 milhões. Estou muito feliz, porque isso nos coloca com a possibilidade de competir de igual para igual com qualquer produção do mundo."

Não é só a grana

Tanto Aragão quanto Biscaia concordam que o dinheiro não é o único sinal de que as coisas vão bem. Um dos motivos para eles se empolgarem é o gênero atrair nomes de "fora". Isso começa a tirar o terror dos porões do cinema.

Ter diretores de ponta como Andrucha e Denisson Ramalho ("Morto Não Fala") encorajam outros profissionais a se envolverem nos filmes. "Quem não vai querer trabalhar com um cara como o Denisson?", diz Biscaia. "Independentemente do gênero, um ator vai querer trabalhar com um diretor da estirpe dele, então, reconhece-se nisso a qualidade artística, independente do gênero trabalhado. Deixa de ser só gênero, é a obra que importa. [O terror] tem de sair do underground, entrar na primeira linha."

Se Daniel Oliveira estrela "Morto Não Fala", Murilo Benício também é exemplo de ator que viu uma possibilidade inédita e se mostra empolgado com o mercado do terror. "Alguém tem que começar esse processo. Acho que é um bom sinal de que também fazemos filmes de gênero, autorais, a gente está em busca de coisas de mais identidade, de assinatura, estamos precisando desse tipo de filme. Achei que era importante ter a oportunidade de fazer esse filme [O Animal Cordial], até porque muita gente não faria. Exige coragem fazer um filme assim."

Rodrigo Teixeira, produtor de renome internacional e que trabalhou em "O Animal Cordial", tem a mesma opinião. "O pessoal vê no terror oportunidade de fazer um papel que normalmente não vai fazer no horário nobre da Rede Globo. É a oportunidades de fazer papéis que eles não havia antes. E, para o ator, isso é muito instigante."

Os diretores ainda veem um potencial diferenciado no Brasil, como diz Ramon Porto Mota, codiretor e roteirista de "Nó do Diabo". "Acho que esse ano de 2018 é marcante na história do cinema de horror e de gênero no Brasil. Os filmes são muito distintos de si, cada um num campo. E isso mostra a possibilidade do cinema de horror, como a nossa cultura engendra os mecanismos do horror."

Rodrigo Aragão é especialista nisso. Seus filmes usam folclores, locações e referências bem brasileiros, fruto de sua criação no Espírito Santo em uma comunidade de pescadores. "Uso como plano de fundo a cultura brasileira, que é muito rica, sempre bebi dessa fonte. Não devemos imitar os americanos. Temos um leque muito grande de histórias e diretores com estilos diferentes. Isso mostra a riqueza do gênero que temos no Brasil, com potencial de fazer obras bem distintas."

Cena de "Nervo Craniano Zero", de Paulo Biscaia Filho; em 2012, ele não sonhava ganhar edital chegando a R$ 2 milhões - Divulgação
Cena de "Nervo Craniano Zero", de Paulo Biscaia Filho; em 2012, ele não sonhava ganhar edital chegando a R$ 2 milhões
Imagem: Divulgação

Óleo nas engrenagens do mercado

Rodrigo analisa que o mercado nacional era totalmente dependente de Zé do Caixão até 2008, ano em que lançou "Mangue Negro", diferentemente dos dias atuais. "Cresci com a frustração de nos anos 80 não ver produções com a cultura brasileira. E os lançamentos de dez anos atrás são as sementes desta safra que está rolando agora, com o Mojica concluindo a trilogia dele e os lançamentos de 'Encarnação do Demônio', 'A Capital dos Mortos' e 'Mangue Negro'. Três filmes no ano, imagina?", diz, relembrando a surpresa que teve à época.

"Esse momento que vivemos agora é sem precedentes. Muitas produtoras grandes ou estão lançando projetos, ou têm projetos na mesa e o mercado como um todo aceita melhor o terror", opina ele.

Paulo Biscaia ainda pontua que o terror funciona bem para melhorar o cinema nacional como um todo. Com seus orçamentos mais baratos, mas atraindo bom público, ele pontua que o sucesso do gênero ajuda a "passar um óleo nas engrenagens" e levar dinheiro desde a produção à distribuição e exibição.

Biscaia explica a principal coisa que apreendeu deste crescimento do gênero. "Tem uma mensagem muito legal dizendo: 'OK, agora sabemos que terror não é brincadeira. Acreditamos e vamos investir em vocês'. A importância do que é dito por isso é muito grande". E conclui com um pedido: "É importante dizer que se alguém lê essas coisas e pensa: 'Opa, então vou fazer filme de terror por que está na moda'... Não faça. Faça por acreditar no gênero. Fazer terror tem uma coisa de afeto muito grande. Se não tiver, não rola."