PUBLICIDADE
Topo

Documentário sobre Paul Walker revela porque ator recusou papel de Superman

Paul Walker nos bastidores de "Velozes & Furiosos" - Reprodução
Paul Walker nos bastidores de "Velozes & Furiosos" Imagem: Reprodução

Caio Coletti

Colaboração para o UOL

13/08/2018 09h32

O documentário "I Am Paul Walker", que marca os cinco anos da morte do astro de "Velozes & Furiosos", foi exibido durante o fim de semana, nos Estados Unidos, pela emissora Paramount Network. Mergulhando na carreira e na vida pessoal do ator, o filme revelou o motivo pelo qual Walker recusou o papel de Superman.

A oferta veio logo depois de seu trabalho no filme "Mergulho Radical", de 2005, e seria para o projeto "Superman: O Retorno", que sairia no ano seguinte com Brandon Routh no papel principal.

Cheryl Walker, mãe de Paul, cita no documentário que o filho estava "se sentindo ansioso" na época, e que ele periodicamente tirava férias de Hollywood para conhecer paraísos naturais ao redor do mundo, seja a Floresta Amazônica ou as praias do Havaí. "Ele não queria trabalhar por anos a fio enfiado em um traje de super-herói. Ele queria o tempo dele. Por isso, ele disse para seu empresário recusar a proposta", comentou.

O documentário ainda abordou o relacionamento do ator com Rebecca Soteros, mãe de Meadow, sua única filha, nascida em 1998. Inicialmente, Walker teve dificuldades para assumir as responsabilidades como pai. "Emocionalmente, eu não estava pronto", admitiu ele mesmo, em uma gravação de áudio inédita. "Eu não sabia quem eu era".

Quando Soteros se mudou para o Havaí a fim de estudar para se tornar professora, Walker redobrou os esforços para manter contato com a filha enquanto manejava sua carreira em Hollywood.

O ator Tyrese Gibson, colega de elenco de Walker em "Velozes e Furiosos", relembrou o ator como "um cara pé-no-chão e descolado". "Era possível sentir o amor que ele tinha e irradiava. Seu espírito, sua energia, sua moralidade", comentou. "Ele era o cara com quem todas as mulheres queriam estar, e que todos os homens queriam ser".

O ator morreu em 30 de novembro de 2013, aos 40 anos de idade, após um acidente de carro com o amigo Roger Rodas, que administrava a Always Evolving, empresa automotiva de Walker na cidade de Valencia, nos EUA. Após sair de um evento beneficente, Walker visitou Rodas e avistou um novo veículo, um Carrera GT, na garagem do amigo. Animado, o ator embarcou no carro com Rodas para um "test-drive".

Walker recebeu um funeral viking, com suas cinzas sendo colocadas em um barco e soltas à deriva no mar. Meadow, filha do ator, se lembrou que o pai havia expressado admiração por esse costume quando em vida.