Topo

Kanye West se abre sobre apoio a Trump, Kim e bipolaridade em entrevista

Mario Anzuoni/Reuters
30.ago.2015 - Kanye West discursa após receber o prêmio de Michael Jackson Video Vanguard Award Imagem: Mario Anzuoni/Reuters

Caio Coletti

Colaboração para o UOL

10/08/2018 09h30

Visitando o programa "Jimmy Kimmel Live!" nesta quinta-feira (9), Kanye West tocou em diversos assuntos polêmicos, incluindo o seu apoio ao presidente Donald Trump, a visita da esposa Kim Kardashian à Casa Branca, e seu diagnóstico de bipolaridade.

"Como um músico, como uma pessoa afro-americana, todo mundo ao meu redor tentou escolher o meu candidato por mim, todo mundo me disse que eu não podia dizer para o mundo que eu gostava de Trump", comentou West. "Há essa ideia por aí que pessoas negras só podem ser democratas".

"Como eu fui hospitalizado em 2016, não tive a chance nem a confiança de dizer o que eu pensava durante um ano e meio", continuou referindo-se a um período passado no hospital, no ano da eleição de Trump, supostamente por estresse e exaustão. "Depois, percebi que não posso sentir medo de ser quem eu sou. Eu gosto de ver quando as pessoas estão bravas comigo sobre certas coisas que eu disse ou fiz".

Kimmel confrontou West sobre políticas específicas do governo Donald Trump, relembrando um momento icônico em que, durante transmissão de um especial beneficente para vítimas do Furacão Katrina, em 2004, o rapper disse que "George Bush não dava a mínima para pessoas negras". O apresentador perguntou o que fazia West pensar que Trump era diferente, e o rapper ficou calado por alguns segundos antes de Kimmel chamar o comercial.

No retorno da entrevista, West falou sobre as posições políticas de sua esposa, Kim Kardashian, e sobre a visita dela à Casa Branca de Donald Trump para advogar por um perdão presidencial para Alice Marie Johnson, que estava presa injustamente. "Bom, Kim era muito passional por essa causa, e é incrível ver o que ela conseguiu, foi um sonho realizado", disse West, mencionando que o perdão acabou sendo concedido.

O apresentador perguntou a seguir sobre o diagnóstico de bipolaridade de West, e se ele sentia que isso era parte do que o tornava "brilhante". "Sim. Não é um oposto, é sobre como você está se sentindo", comentou o rapper. "É importante que tenhamos conversas abertas sobre saúde mental, especialmente entre pessoas negras, porque é difícil encontrar terapeutas na nossa comunidade".

West lançou o seu último álbum solo, "ye", em 1º de junho. Uma semana depois, reapareceu com "Kids See Ghosts", seu primeiro álbum em parceria com o amigo Kid Cudi.

Veja a participação de Kanye (em inglês):

Você quer mais notícias sobre rap gringo no UOL?

Resultado parcial

Total de 161 votos
76,40%
Reprodução
23,60%
Reprodução
Total de 161 votos

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Rap gringo