PUBLICIDADE
Topo

Weinstein diz ter e-mails que provam sua inocência em caso de assédio

Harvey Weinstein é acompanhado por policiais no momento de sua prisão - Getty Images
Harvey Weinstein é acompanhado por policiais no momento de sua prisão Imagem: Getty Images

Caio Coletti

Colaboração para o UOL

02/08/2018 13h58

Harvey Weinstein e seus advogados conseguiram permissão para publicar cerca de 40 e-mails que supostamente "provarão a inocência" do produtor em um dos casos de assédio sexual que tramitam contra ele na Justiça americana.

Coube à Juiza Mary Walrath, especializada em casos de falência, decidir se os e-mails poderiam ser divulgados. Isso porque o produtor pediu acesso aos e-mails enviados enquanto trabalhava na The Weinstein Company desde sua expulsão da mesa de diretores, no ano passado, mas só conseguiu o que queria em maio, durante a tramitação do processo de falência da empresa.

De acordo com Benjamin Brafman, advogado de Weinstein, as correspondências mostrarão que seu cliente tinha um relacionamento "carinhoso, íntimo, prazeroso e amigável" com uma das acusadoras que encabeçam o caso contra ele.

Os advogados poderão liberar o conteúdo publicamente, omitindo os trechos que revelariam a identidade da destinatária, referida apenas pelas iniciais J.M. Weinstein aguarda em liberdade seu julgamento.

Ele responde judicialmente por apenas três das mais de 80 denúncias de assédio sexual e estupro levantadas contra ele desde que as primeiras matérias do "New York Times" e do "New Yorker" foram publicadas, em outubro de 2017.