PUBLICIDADE
Topo

Handmaid's Tale inspira protesto pela descriminalização do aborto na Argentina

AP Photo/Natacha Pisarenko
Imagem: AP Photo/Natacha Pisarenko

Maurício Dehò

Do UOL, em São Paulo

26/07/2018 09h20

"Handmaid's Tale" criou um enorme barulho nos últimos tempos, com sua distopia com um viés feminista. E o sucesso da série virou inspiração até para protestos. Na Argentina e nos Estados Unidos, movimentos pela descriminalização do aborto se fantasiaram com as vestes usadas na trama.

Nesta quarta-feira (25), em Buenos Aires, dezenas de mulheres foram às ruas para exigir a descriminalização do aborto, um tema que vem sendo muito debatido entre os argentinos. Elas usaram as capas vermelhas e chapéus brancos que servem de figurino para as aias do seriado.

Elas se reuniram na frente do congresso nacional argentino, marchando em silêncio, com a cabeça baixa. De acordo com a Associated Press, uma carta de Margaret Atwood, autora do livro que inspirou a série, que apoia o movimento, foi lida. "Ninguém gosta do aborto, mesmo quando é seguro e legal. Mas ninguém quer mulheres morrendo no chão de banheiros vítima de abortos ilegais", defendeu ela, na mensagem.

Série Handmaid's Tale inspira protesto pela descriminalização do aborto, na Argentina - AP Photo/Natacha Pisarenko - AP Photo/Natacha Pisarenko
Série Handmaid's Tale inspira protesto pela descriminalização do aborto, na Argentina
Imagem: AP Photo/Natacha Pisarenko

A Argentina votará pela descriminalização ou não da interrupção da gravidez em 8 de agosto, no Senado. Apesar de ser contra, o presidente Mauricio Macri diz que, caso se vote pela descriminalização, ele não usará seu poder de veto.

Não é a primeira vez que protestos usam fantasias da série. Na segunda-feira, nos EUA, um grupo foi às ruas na Filadélfia para se manifestar contra o conservador Mike Pence, vice-presidente dos EUA.

protesto  - Heather Khalifa/The Philadelphia Inquirer via AP - Heather Khalifa/The Philadelphia Inquirer via AP
Protesto nos EUA, na segunda-feira
Imagem: Heather Khalifa/The Philadelphia Inquirer via AP