PUBLICIDADE
Topo

Com Megazord, "Batman Ninja" é a prova de como jogar no lixo uma excelente ideia

Cena de "Batman Ninja" - Reprodução
Cena de "Batman Ninja" Imagem: Reprodução

Rodolfo Vicentini

Do UOL, em São Paulo

01/07/2018 04h00

Quando o trailer de "Batman Ninja" saiu há alguns meses, os fãs do Homem-Morcego ficaram entusiasmados com a ideia de ver o herói batalhando com ninguém menos que Coringa no Japão feudal. A primeira coisa que chamou atenção foi o trabalho impressionante da equipe de animação, chefiada por Takashi Okazaki, criador de "Afro Samurai", que dava um charme ainda mais estilizado para o projeto em 3D, cuja promessa era juntar as culturas ocidental e oriental em uma trama protagonizada pelo Batman. 

Apesar da expectativa, a animação da DC chega a ser tão decepcionante quanto "Liga da Justiça", lançado em novembro de 2017. Diálogos vergonhosos, enredo confuso e sem explicação, clichês praticamente pulando da tela, além de trechos tediosos, colocam "Batman Ninja" como uma oportunidade desperdiçada de fazer um trabalho incrível com um dos heróis mais idolatrados de todos os tempos.

Tudo começa com Gorila Grodd ativando uma espécie de máquina do tempo no Asilo Arkham, o que leva o protagonista e um bando de seus inimigos de volta para um passado longínquo e muito distante de Gotham City. Batman estava acompanhado de Mulher-Gato quando o portal foi ativado, mas ele chega sozinho no Japão feudal e descobre que Grodd, Pinguim, Coringa, Hera Venenosa, Exterminador e Duas Caras estão espalhados pelo país do sol nascente com o objetivo de dominar tudo e todos.

Sem pé nem cabeça

Mas como eles chegaram tão antes que Batman no Japão -- afinal cada um tem um exército preparado para o combate e, pelo que vimos nas aulas de História, preparar um séquito leva um cero tempo? "Eu sei lá como funcionam as máquinas do tempo", define Mulher-Gato, que está lá há dois anos, assim que encontra Batman. E essa é a grande explicação que temos sobre o que está acontecendo. Deixado isso de lado, cada antagonista domina uma região, e uma batalha mortal vai acontecer para ver quem vai imperar sobre o país.

Até este ponto do anime, mesmo que não dê para engolir a história, é animador pensar que o Cavaleiro das Trevas terá que passar por cada povoado para destruir um por um seus inimigos, como se fosse um game com sete chefões. Ainda mais porque o primeiro escolhido é o próprio Coringa. Mas é aí que as coisas desandam de um jeito desanimador. O primeiro diálogo com o vilão e Arlequina é irritante, e logo em seguida a casa do Coringa ganha braços robóticos para tentar destruir o Homem-Morcego -- olha só!

Pôster da animação "Batman Ninja" - Reprodução - Reprodução
Pôster da animação "Batman Ninja"
Imagem: Reprodução

Mas para ser justo há alguns pontos positivos. Robin, Capuz Vermelho e Asa Noturna também estão em "Batman Ninja", com caracterização tipicamente oriental e que funciona muito bem. É divertido ver o trabalho de Okazaki com o designer dos personagens, pegando elementos tradicionais do oriente e incorporando nos personagens que conhecemos há tanto tempo.

Outro ponto maravilhoso é o trabalho cuidadoso da dublagem em português, que está impecável, pena que o roteiro fraquíssimo não ajuda. Mas continuando no enredo, outro erro está por vir, já que os ajudantes do Batman trazem uma novidade: uma antiga profecia japonesa dizia que um samurai com máscara de morcego viria do futuro para salvar a população. Sério.

Daí em adiante, você deve entrar no clima da narrativa para não se irritar com os acontecimentos nonsenses da animação, como um Megazord formado pelos vilões do Batman -- falando assim parece super legal, eu entendo, mas garanto que não é o caso -- e a transformação do Homem-Morcego em samurai nos moldes do que aconteceu com Tom Cruise em "O Último Samurai" (2003).

Em determinado momento, Mulher-Gato pula a cerca e passa a defender os vilões para conseguir voltar para a atualidade. Mas dezenas de situações passam rapidamente, e ela volta ao braços do Batman, quando ela solta esta pérola:

Adoro homem que perdoam meninas que traíram", Mulher-Gato 

Os fãs não estão nada satisfeitos com a DC

No site "Rotten Tomatoes", o maior agregador de críticas online, mas de 700 comentários de usuários apontaram apenas 42% de aprovação para "Batman Ninja". Para se ter uma noção com os últimos trabalhos da DC no cinema, "Liga da Justiça" recebeu um aval de 74% enquanto "Mulher-Maravilha" beira os 90%. A maior crítica dos fãs do Homem-Morcego é a história confusa que atrapalha tudo.

"Isso foi muito difícil de terminar. É apenas horrível. Perto da pior coisa que já vi, apesar de ser distribuído pela DC", opinou Jamo Parker nas redes sociais. Um outro usuário, Mehar  Nadra, concordou com ele: "Foi burrice. Uma vergonha colocar o Cavaleiro das Trevas nessa provação. As animações da DC são sensacionais. Não diminuem com porcarias desse tipo".

Por outro lado, alguns fãs gostaram do projeto arriscado e, apesar de criticarem o enredo nonsense, se divertiram com a animação. "É o filme do Batman mais idiota e divertido que já vi. A história é besta, mas daria um ótimo filme Lego", apontou Dimitri Hayez.

"Ninja Batman" pode ser alugado pelas plataformas NOW, SKY Play, VIVO Play, iTunes, Looke e SmartVOD, e adquirido nas lojas iTunes, Google Play, Microsoft Store, Playstation Store e Looke.

Cena da animação "Batman Ninja" - Reprodução - Reprodução
Asa Noturna, Alfred, Batman, Mulher-Gato e Robin em cena de "Batman Ninja"
Imagem: Reprodução