Topo

Música

Valéria Barros, de As Mineirinhas, lança novo disco e agradece ao feminejo

Divulgação
Valéria Barros lança novo álbum "Amigos e Modões (Ao Vivo)" com vários convidados especiais Imagem: Divulgação

Felipe Branco Cruz

Do UOL, em São Paulo

20/06/2018 04h00

Quem não conhece os bastidores da carreira da cantora sertaneja Valéria Barros, que nos anos 80 e 90 vendeu milhares de discos com a sua prima Sandra, na dupla As Mineirinhas, pode achar que ela abandonou a carreira musical, assim como ocorreu com tantas outras cantoras sertanejas que tentaram a sorte naquela época.

Mas a poderosa voz grave de Valéria Barros, a Diva dos Modões, nunca se calou, embora a dupla tenha acabado no início dos anos 2000. Neste mês, aos 48 anos, ela lança “Amigos e Modão (Ao Vivo)”, já disponível em todas as plataformas de streaming. O disco marca seu retorno aos palcos como artista principal, após ficar dez anos como backing vocal da dupla Guilherme & Santiago.

“Comecei a carreira aos 11 anos, em 1980, e fiquei traumatizada em fazer programas de TV”, revela. “Era muito complicado. Tinha um apresentador de TV, que não vou contar quem é, que sempre perguntava se poderia acontecer ‘algo a mais’ entre a gente. Foi difícil superar. Mas nunca aconteceu nada além disso”, afirma. “Cantora sertaneja não tinha ‘boa fama’”, completa.

Mas o assédio que Valéria Barros sofreu não era algo isolado. “Todas as cantoras sertanejas daquela época passaram por isso. Havia muito preconceito. A música sertaneja era muito machista. Não tínhamos espaço nas rádios, na TV, em lugar nenhum. Daquela época, uma das poucas que estão na ativa até hoje é a Roberta Miranda”, conta.

Para a cantora, a pior fase da sua carreira foi entre 2002 e 2005. Em 2002, seu irmão e empresário Emerson, o Tigrão, morreu. “Todas as portas começaram a fechar para mim e eu quase desisti. Em 2005, meu marido, Claudio Marcelo, trabalhava com a dupla Guilherme & Santiago e eu fui trabalhar com eles como backing vocal”, lembra.

“Eu sempre amei cantar e a chance de excursionar com a dupla me permitiu fazer o que eu amo”, diz. Foi neste período que Valéria Barros também conseguiu dinheiro para pagar a universidade do filho, hoje com 30 anos, que é cirurgião plástico. “Ele é médico mas também é um excelente músico e sanfoneiro”, diz orgulhosa.

Feminejo

De lá para cá muita coisa mudou no mercado sertanejo e o retorno de Valéria reflete também uma mudança de comportamento na sociedade. “Nós abrimos caminho para as novas cantoras sertanejas e o sucesso delas me incentivou a voltar. Elas também são guerreiras. Quebraram os tabus. Tenho muito orgulho do sucesso do feminejo”, diz.

O novo álbum, lançado pela Talismã Music, do cantor Leonardo, tem o jeitão pop desses trabalhos lançados pelas novas cantoras sertanejas, porém sem se afastar das suas raízes caipiras. Com 21 faixas, sendo três inéditas (“Copo Esvaziando”, “Alcolizando o Sentimento” e “Eu Bebo no Balcão”), o disco conta com a participação de vários convidados especiais, como Leonardo, Eleuza, Trio Parada Dura, Santigo, Bruno & Marrone, Eduardo Costa, Gusttavo Lima e Bruna Viola.

“Sou uma cantora caipirona e prezo sempre pela boa música”, afirma. Das novas cantoras sertanejas, a que ela mais admira é Marília Mendonça, com quem gostaria de fazer um dueto no futuro. “Ela tem uma voz de lamento que lembra muitas cantoras da minha época”.

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!