Topo

Música

Iza explica como percebeu o racismo: "Era difícil entender porque me rejeitavam"

Colaboração para o UOL

09/05/2018 06h35

O racismo foi duplamente debatido no "Programa do Porchat" de terça-feira (8) pela cantora Iza e a jornalista Joyce Ribeiro. Elas falaram da importância de jogar luz sobre o tema atualmente e contaram como encaram tudo isso.

"Desde criança percebi o racismo em minha vida. Sempre estudei em escolas particulares em que minha mãe dava aula. Era difícil entender porque me rejeitavam. Eu achava que era chata, mas depois de ouvir apelidos, vi que era racismo", recorda Iza, sem medo de levantar a bandeira do assunto.

"Eu como mulher negra estou aproveitando esse momento, nunca se falou tanto disso. Me perguntam muito sobre empoderamento, se não tenho medo de falar disso o tempo inteiro, que vão me achar chata. Tem pessoas que acham que é 'mimimi', que tenho que mudar de assunto, que é chato ou que eu, como cantora pop, não posso ter esse tipo de opinião, porque é sério demais. Tem sempre alguém que vem com esse tipo de comentário", desabafa.

Joyce, que escreveu um livro sobre Chica da Silva, acredita que é hora de tratar do tema, sim. "Acredito que a gente vive um momento especial, há uma vontade, um movimento de dar um passo além. Tenho certeza que é um avanço irreversível, um momento de tomada de consciência não só dos negros de seu espaço, do que conquistar, quanto dos brancos pensarem de forma mais realista e ver que é o respeito que vai nos livrar do que vivemos hoje"

A jornalista detalha o que faz esse comportamento se enraizar na população. "É um racismo estrutural. As pessoas crescem achando que é a normalidade, não eram levadas a pensar nesse problema há dez anos. Elas vão se fechando e, quando você vê, a sociedade não avança. Enquanto o mundo não for mais igual para todos, teremos problemas".

Iza vem fazendo sucesso desde os lançamentos de músicas como "Pesadão" e "Te Pegar".