Topo

Música

Radiohead se apresenta em SP com Thom Yorke em transe e público concentrado

Simon Plestenjak/UOL
Thom Yorke se apresenta com sua banda, Radiohead, no Soundhearts Festival, no Allianz Parque, em São Paulo Imagem: Simon Plestenjak/UOL

Leonardo Rodrigues

Do UOL, em São Paulo

22/04/2018 22h42

Nove anos separavam a histórica estreia do Radiohead em São Paulo do show que moveu as estruturas do Allianz Parque neste domingo (22). De lá para cá, muita coisa mudou: a banda, o local e, em um quadro maior, o próprio mundo em que vivemos, cada vez mais digital, extremo e culturalmente diverso. A sonoridade da banda vem a reboque.

Assim como fez em 2009, o Radiohead impressionou o público paulistano. Belo e sinestésico, o show do álbum "A Moon Shaped Moon" propõe um mergulho na psique do homem pós-moderno, em suas entranhadas neuroses e nuances. É um espetáculo abstrato de muitas cores e raios de luz, sob camadas e camadas de timbres.

Ao vivo, cada música do Radiohead se transforma em função da banda e da configuração do palco, que funciona como uma instalação projetando vídeos e efeitos em tempo real —em certos momentos, por sinal, os telões chegaram a falhar. A cênica sofisticada é a principal marca dos shows de um grupo que um dia vislumbrou o futuro que hoje sentimos na pele (e ouvidos).

Outra característica marcante: a postura do vocalista Thom Yorke, que se reflete na dos demais integrantes. Em transe e 100% absorto na música, ele pouco é afeito a falas, discursos ou tentativas de se comunicar em português que extrapolem o "obrigado".

Desta vez sem o marketing do "primeiro show no Brasil", o Radiohead não foi capaz de lotar o Allianz Parque, com sua capacidade para cerca de 45 mil pessoas em shows. Havia "buracos" nas pistas e mais de um terço das arquibancadas estavam vazias. Melhor para quem pagou ingresso.

Sem muita histeria, a plateia assistiu à maior parte da apresentação com a deferência de um estranho recital pop. Até os telefones celulares em punho, obrigatórios em qualquer grande shows no país, apareciam em menor número na arena. Grito de "u-hu!"? Raridade. Seria o público do Radiohead, digamos, bem diferente? Mais centrado com certeza ele é.

Em termos de repertório, sempre uma incógnita, os integrantes decidiram privilegiar músicas lançadas a partir da década de 2000, deixando em segundo plano discos de sucesso como "The Bends" e "OK Computer". Mas quando faixas desses álbuns vinham à tona, o coro da plateia se fazia inevitável, assim como nas vezes do álbum "In Rainbows" (2007), clássico contemporâneo.

Entre tantos climas diversos, da singeleza acústica à porradaria eletrônica, duas perguntas que todo ouvinte mais aleatório do Radiohead costuma fazer: "Tocaram 'Creep', aquela do clipe da MTV?". "E 'Fake Plastic Trees', da propaganda do Carlinhos, rolou?" Respostas: não e sim (diferentemente do que aconteceu no Rio na sexta). Como de costume, a claustrofóbica "No Surprises" também veio faceira, para abrilhantar ainda mais o set-list.

Casaizinhos enfim puderam se abraçar e se esgoelar enquanto dançavam meio no tempo da música, meio fora dele. No fim, a diversão falou bem mais alto que a melancolia. Um show rico. Para se guardar.

Set-list

Daydreaming
Ful Stop
15 Step
Myxomatosis
You and Whose Army?
All I Need
Pyramid Song
Everything in Its Right Place
Let Down
Bloom
The Numbers
My Iron Lung
The Gloaming
No Surprises
Weird Fishes/Arpeggi
2 + 2 = 5
Idioteque

Bis:
Exit Music (for a Film)
Nude
Identikit
There There
Lotus Flower
Bodysnatchers
Bis 2:
Present Tense
Paranoid Android
Fake Plastic Trees

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!