Topo

Música

"Meus pais não queriam que eu virasse cantora", afirma Luiza Possi

Antonio Chahestian/Record TV
Luiza Possi participou do "Programa do Porchat" Imagem: Antonio Chahestian/Record TV

Colaboração para o UOL

03/04/2018 07h25

Luiza Possi comentou no "Programa do Porchat" de segunda-feira (2) a resistência da família em aceitar que se tornasse cantora. Filha de Zizi Possi e do empresário e guitarrista Líber Gadelha, ela conta que os dois não a incentivaram a investir na música, quando começou sua carreira.

"Minha mãe e meu pai não queriam que eu virasse cantora. Só que era uma coisa muito minha. Quando eu tinha dois anos, ela pôs um fone no meu ouvido e comecei a cantar 'mim quer tocar, mim gosta ganhar dinheiro...'", disse, citando a música "Mim Quer Tocar", do Ultraje a Rigor.

Porchat quis saber se a carreira atrapalhou sua infância e adolescência. "Não sei adjetivar, era diferente. Eu compunha e cantava desde pequena, tinha que terminar a lição de casa para não repetir o terceiro colegial", afirma Luiza, que lidou com a ausência da mãe na infância.

"Eu fui criada pela minha avó porque minha mãe viaja muito e meu pai era músico dela. Como diz minha mãe, eu era portátil. Até a hora que eu não fui mais e resolvi me virar. Eu sempre quis ser independente", recorda.

Ela garante não sentir o peso de ser filha de uma das principais cantoras dos anos 80. "O antídoto para essa maluquice, que para mim vem do ego, é a honra que eu tenho, o prazer que eu tenho de ver a minha mãe e falar: 'Cara, que delícia ser filha dela. Imagina se eu fosse filha do Maluf?'", diverte-se.