PUBLICIDADE
Topo

54 anos de rock: vocalista do The Who admite que está "muito, muito surdo"

Roger Daltrey se apresenta com o The Who no Rock in Rio 2017 - Marco Antônio Teixeira/UOL
Roger Daltrey se apresenta com o The Who no Rock in Rio 2017 Imagem: Marco Antônio Teixeira/UOL

Do UOL, em São Paulo

15/03/2018 17h30

Roger Daltrey é um ícone do rock mundial. À frente do The Who desde 1964, o vocalista afirmou em um show na última quarta-feira (14) que ele está "muito, muito surdo" por ouvir música alta há tantas décadas.

O experiente cantor de 74 anos, que passou com a sua banda pelo Brasil em 2017, ainda mandou um recado para os jovens músicos que o assistiam: "Levem a porcaria dos seus protetores de ouvido aos shows".

Mesmo afirmando que está acostumado a fazer leitura labial pela deficiência auditiva, Daltrey não pensa em se aposentar dos palcos e vai seguir na música por mais alguns anos.

Especialista explica

Em entrevista ao UOL em janeiro deste ano, após Eric Clapton relatar publicamente que sofre de um zumbido incessante no ouvido, a fonoaudióloga Janaína Pimenta confirmou que isso é muito comum no meio musical, e que o uso do retorno é extremamente necessário.

"A questão é que muitos músicos não têm como hábito usar retorno [aparelho usado no ouvido em que eles ouvem apenas os instrumentos e a própria voz]. O problema é que esse recurso não possibilita ouvir o público, por isso muitos não se adaptam, porque gostam do calor dos fãs", disse a especialista.

E o zumbido não é a única complicação para os músicos. "Tem gente que começa a ouvir dois tons, e aí desafina. Trabalhei com uma banda em que o vocalista tinha exatamente isso. E quando o cantor, por exemplo, começa a lesionar o ouvido e decide cantar com maior intensidade, isso ainda gera rouquidão", completou a fonoaudióloga.