PUBLICIDADE
Topo

Troca-troca de sertanejas e volta do Cordel foram destaques na semana

Maiara e Maraísa se juntam a Marília Mendonça na semana do Dia Internacional das Mulheres - Divulgação
Maiara e Maraísa se juntam a Marília Mendonça na semana do Dia Internacional das Mulheres Imagem: Divulgação

Do UOL, em São Paulo

09/03/2018 16h08

A semana chega ao fim com um novo hino da sororidade, cantada por três grandes representantes do feminejo, Marília Mendonça e Maiara & Maraísa. Mas a semana das mulheres não foi feito só de sertanejo.

O afro rap de Rincon Sapiência e a sensualidade do latin lover Maluma também garantiram bons sons em uma semana marcada pelo aguardado retorno de Cordel do Fogo Encantado, Lily Allen e dos metaleiros do Judas Priest.

Marília Mendonça feat. Maiara e Maraisa, “A Culpa é Dele”

No começo da semana, uma ação deixou os fãs do feminejo perdidinhos. No Instagram, Marília passou a ser associada à Maraisa, enquanto Maiara incorporava o sobrenome Mendonça. Mas não foi culpa da bebida. Tudo não passou de uma ação para divulgar “A Culpa é Dele”, primeiro single do projeto “Agora É Que São Elas 2”, que reúne três das vozes mais importantes do sertanejo hoje. Na semana do Dia Internacional da Mulher, a canção, composta por Marília, traz na letra uma conversa informal entre duas amigas que se envolveram com a mesma pessoa: "Eu não vou deixar de ser sua amiga por causa de um qualquer Que não respeita uma mulher".


Cordel do Fogo Encantado, "Liberdade, a Filha do Vento"

Após oito anos longe do palco, o Cordel finalmente está de volta. A faixa é o primeiro single do álbum “Viagem ao Coração do Sol” e serve como fio condutor da história criada pela banda pernambucana no quarto disco, que será lançado em 6 de abril. Para dá o tom comemorativo do regresso, os três discos do grupo ("Cordel do Fogo Encantado", de 2001, "O Palhaço do Circo Sem Futuro", de 2002, e "Transfiguração", de 2006), que ganharam ares de cult nos últimos anos, entraram nas plataformas digitais.

Lily Allen, “Three” e “Higher”

A volta de Lily Allen não é exatamente uma novidade, mas a britânica agora dá passos maiores para finalmente colocar no mundo seu quarto álbum, “No Shame”. Nesta sexta, duas novas músicas foram lançadas, “Three” e “Higher”, com um vocal aparentemente mais contido, sob batidas mais minimalistas e bastante melódicas. Os singles prometem uma cantora mais madura e desencana com as paradas de sucesso.

Tropikillaz, “Milk & Honey”

O duo brasileiro formado pelos DJs Zegon e Laudz já remixou Major Lazer e Justin Bieber e segue a toda com uma parceria com o indicado ao Grammy Aloe Blacc. A experiência com o funk, em projetos anteriores com MC Carol e Anitta (“Vai Malandra” tem o dedo deles), parece ter dado mais balanço à mistura que os produtores já fazem tão bem entre o trap e o EDM.

Maluma, “El Préstamo”

Após se unir a Nego do Borel em “Corazón”, Maluma segue cantando suas dores de cotovelo no ritmo irresistível do reggaeton. O clipe é uma super produção, gravado em Los Angeles e traz uma trama no estilo “Bonnie e Clyde” - lembra alguma coisa? Anitta e J Balvin em “Downtown” talvez? No papel de um vigarista, Maluma aparece até mesmo de cabelo grisalho, mas com aquelas caras e bocas já conhecidas.

Felipe Araújo, “Se Pegar Cê Chora”

Aos poucos, Felipe tem se afastado da sombra do irmão Cristiano Araújo, que saiu de cena precocemente em 2015. O novinho do sertanejo tem galgado cada vez mais espaço nas rádios e plataformas de streaming. Musicalmente, fica um pouco aquém do que o sertanejo tem provado por aí, mas o rapaz compensa com carisma e uma letra maliciosa e bisonha: “Você sabe o que tem em comum entre o celular do seu amor e uma cebola? Preste atenção vou te dizer agora. Se pegar, cê chora”.

Rincon Sapiência, "Área de Conforto"

Não bastasse ter lançado um dos discos mais poderosos do ano passado, “Galanga Livre”, o rapper paulista continua no vapor. Sem muito aviso, ele soltou mais um single, “Área do Conforto”, mais uma pedrada dançante, cheio de referências afro e os versos ligeiros e malandros de Rincon.

Teresa Cristina, "X do Problema"

Uma das grandes intérpretes de samba do Brasil, desde quando se propôs a revisitar a obra de Paulinho da Viola em 2002. Desde então, o canto seguro dessa carioca tem destrinchado de forma nova nossos principais bambas. Noel Rosa, o eterno poeta da Vila Isabel, é a bola da vez em “Teresa canta Noel – Batuque é um Privilégio”.

Kell Smith, “Bem Mais Que Refrão”

Com o hit “Era uma vez” estourado, Kell encerrou 2017 com “um joelho ralado dói bem menos que um coração partido” na boca do povo. A nova música, porém, vai em outra direção. Tem pegada rap e letra direta: “O estupro é mais antigo do que a própria minissaia”.

Zeca Baleiro, "Envolvidão"

A releitura do musicão do rapper Rael já estava presente em alguns shows da turnê do disco "Era Domingo", de 2016. Zeca chegou a gravá-la para um projeto de covers, que acabou ficando parado por conta de outras produções. Só agora, o cantor resolveu recuperar a gravação e lança-la no novo álbum da série digital "Arquivo". Zeca foi um dos primeiros artistas da MPB a olhar com carinho para composições de outros gêneros -- lá atrás com "Proibida Pra Mim", do Charlie Brown Jr. -- e acerta de novo.

Judas Priest

Depois de deixar os fãs curiosos, a veterana banda de heavy metal -- uma das fundamentais na criação do estilo --, soltou “Firepower”, seu primeiro álbum desde 2014 . Os singles já indicavam um direcionamento mais pesado e direto da banda, o que se confirma no restante das faixas. Dá uma olhada no soturno clipe que Rob  Halford soltou: