Topo

Música

Phil Collins, de bengala, e Pretenders desfilam flashbacks do rádio em SP

Alexandre Matias

Colaboração para o UOL

25/02/2018 08h21

Artistas de estaturas diferentes, Phil Collins e Pretenders pertencem a uma época em que o rock era a música pop de seu tempo e, desfilando hits que comprovavam a importância de suas carreiras, não tiveram dificuldades em transformar o Allianz Parque, onde se apresentaram neste sábado (24), em São Paulo, em um enorme programa de rádio de flashbacks.

A faixa-etária do público --majoritariamente entre 40 e 70 anos-- era a mesma de ouvintes de emissoras nostálgicas que se escondem atrás de rótulos como "adulto contemporâneo" para repetir as mesmas músicas de sempre. A impressão era que a voz grave de um locutor da madrugada invadiria a qualquer minuto a programação da noite, anunciando o horário e o nome de alguma FM retrô. Tudo bem, afinal era exatamente isso que as mais de 40 mil pessoas reunidas no estádio aguardavam: sucessos do passado que pudessem transportá-las de volta aos anos 80, década-chave do repertório desta turnê.

Ale Frata/Codigo19/Folhapress
Imagem: Ale Frata/Codigo19/Folhapress

A noite começou pontualmente às 19h30, quando Chrissie Hynde trouxe a nova encarnação de seus Pretenders, que contava com o baterista fundador Martin Chambers na formação, mais uma vez para São Paulo. Completamente à vontade e de cabelos loiros, a musa norte-americana não precisou apelar para ganhar o jogo e começou a noite com "Don't Cut Your Hair" e "Talk Of The Town", dominando facilmente o público com sua desenvoltura e a voz intacta.

Quando desembainhou o primeiro hit, "Back on the Chain Gang", ela já tinha ganho a noite e daí em diante só precisou de um mínimo de contato com o público, conversando sobre como já havia morado em São Paulo e dedicando músicas para Moreno Veloso, Phil Collins e Bob Dylan (de quem tocou “Forever Young”). A essa hora o público já estava completamente rendido e ergueu os braços nas baladas “Hymn to Her” e “I’ll Stand by You”, até ceder completamente na parte final da apresentação, que enfileirou, sem misericórdia, “Don't Get Me Wrong”, “Middle Of The Road” e “Brass In Pocket” (enfiando espertamente “Night in My Veins” no meio destas). Com mais de 1h no palco, os Pretenders fizeram mais do que um simples show de abertura e aquela apresentação já teria valido a noite.

Frágil

Phil Collins entrou no palco caminhando com dificuldades com uma bengala, sentando-se em uma poltrona de escritório de onde regeu todo show. A imagem cortava o coração, principalmente ao lembrarmos que o ex-baterista do Genesis tem a mesma idade de Chrissie Hynde (67 e 66 anos, respectivamente). A aparência frágil do velho hitmaker parecia deixar o reinício da noite um pouco mais difícil, mas o público o recebeu esfuziante - e Phil respondeu à altura, abrindo o show com duas de suas maiores baladas, “Against All Odds” e “Another Day in Paradise”.

Lucas Lima/UOL
Imagem: Lucas Lima/UOL

As duas faixas logo desfizeram a frágil impressão inicial que Phil Collins passou para o público, mesmo fazendo todo o show sentado. Invertendo a lógica e abrindo a noite com dois hits gigantescos, ele deixou claro que não estava para brincadeira e desfilou um rosário de sucessos ainda maior que o dos Pretenders. Brincando com os músicos e conversando com a plateia em inglês, ele parecia aqueles tiozões que tentam agradar a todos nas festas de família, como um Robin Williams musical, o que causaria aflição em outros públicos. 

Com uma banda de 15 músicos - entre eles o filho Nicholas, baterista, de 16 anos - e deixando a parte mais agitada do repertório para o final, Phil Collins fez o show que se esperava, embora músicas menores, como “Throwing it All Away”, “Wake Up Call”, “I Missed Agan” e “Hang in Long Enough”, pudessem ser substituídas por assinaturas musicais como “One More Night”, “Don't Lose My Number” e “I Cannot Believe It's True”, inexplicavelmente ausentes do setlist. “Follow You Follow Me”, a primeira música que Phil Collins emplacou no Genesis depois que assumiu o posto de vocalista após a saída de Peter Gabriel, trouxe seu antigo grupo para os telões no palco.

O centro da noite, claro, era a dramática “In the Air Tonight”, que daria início ao fim da apresentação. A partir dali o clima mudou e Phil Collins abriu espaço para sua veia soul, começando com a versão para “You Can't Hurry Love” das Supremes para encerrar com uma sequência que incluiu “Invisible Touch”, a irresistível “Easy Lover” e “Sussudio”. O único porém da apresentação foi o bis, composto apenas por “Take Me Home”, uma música que nem de longe faz jus a um encerramento de uma sessão tão radiofônica de sucessos - do tempo em que o termo “radiofônico” parecia fazer sentido.

Os Pretenders e Phil Collins ainda se apresentam neste domingo em São Paulo e na próxima terça-feira em Porto Alegre.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!