Topo

Filmes e séries

Quentin Tarantino já defendeu Polanski em caso de estupro a uma criança

Charley Gallay/Getty Images for The Weinstein Co
Harvey Weinstein e Quentin Tarantino na pré-estreia de "Os Oito Odiados" em Hollywood, em 2015 Imagem: Charley Gallay/Getty Images for The Weinstein Co

Do UOL, em São Paulo

06/02/2018 12h14

O diretor Quentin Tarantino ganhou as manchetes da imprensa americana nesta semana após uma antiga entrevista que ele concedeu em 2003 ser lembrada pelo site "Jezebel".

Na entrevista, Tarantino defende o diretor francês Roman Polanski, que foi julgado culpado por estuprar em 1973 Samantha Geimer, que na época tinha 13 anos.

No áudio divulgado pela "Jezebel", Tarantino conversa com o locutor Howard Stern sobre o filme "Kill Bill" e em um dado momento, eles começam a falar sobre o caso de Polanski.

Tarantino diz que o caso deve ser tratado como "estupro de menor" quando ocorre o ato sexual consentido pela criança, sem violência. Vale lembrar que a condenação de Polanski diz que ele teria drogado a garota.

Porém, de acordo com o entendimento da legislação americana, a criança não tem discernimento para consentir ou não o ato sexual e presume que nestes casos sempre há uma coerção do adulto.

"Ele não estuprou uma criança de 13 anos", disse Tarantino. "Ele fez sexo com uma menor de idade. Não é estupro. Para mim, quando você usa a palavra estupro, vocês está falando de violência, de jogar a pessoa no chão. É um dos tipos de crimes mais violentos do mundo. Você não pode sair jogando a palavra estupro assim. É como usar a palavra racista por aí. Não se aplica a todas as pessoas que a usam".

A entrevista surgiu depois que a atriz Uma Thurman revelar que sofreu graves lesões em um acidente de carro durante as gravações de "Kill Bill", após o diretor ter dispensado os dublês e a ter colocado em risco.

Vale lembrar que Roman Polanski vai participar do novo filme de Tarantino sobre Charles Manson. 

Manson foi condenado à morte por coordenar um ataque em 1969 à casa de Polanski, onde várias pessoas esfaquearam e mataram a atriz e mulher do diretor, Sharon Tate, que estava grávida. A pena de Charles Manson foi posteriormente comutada em prisão perpétua. Ele morreu no dia 19 de setembro de 2017 na penitenciária de Corcoran, na Califórnia.

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!