Topo

Entretenimento

Retrospectiva de Basquiat chega a São Paulo no aniversário da cidade

Reprodução/Tranter-Sinni Gallery
O pintor Jean-Michel Basquiat Imagem: Reprodução/Tranter-Sinni Gallery

Daniel Mello

Da Agência Brasil

23/01/2018 10h08

Com 80 peças, chega a São Paulo no dia do aniversário da cidade (25 de janeiro) uma retrospectiva do artista Jean-Michel Basquiat. Apesar da curta carreira, entre os 17 e 27 anos, o nova-iorquino teve uma produção intensa, sendo considerado um dos nomes mais importantes da década de 80. Os trabalhos expostos no Centro Cultural Banco do Brasil, no centro da capital paulista, apresentam o pintor, desenhista e gravurista desde o início da carreira com os graffiti até o auge do processo, quando alcançou patamar elevado de valor no mercado da arte.

"A obra dele manteve a atualidade, um fascínio, tanto da parte visual, estética, quanto do conteúdo", ressalta o curador Pieter Tjabbes, ao comentar como os trabalhos ainda mostram forte apelo, especialmente entre os jovens. "Ele tem um trabalho intuitivo. Insere tudo o que está fazendo, pensando, o que está acontecendo ao redor dele entra nas obras, seja em imagens, seja em palavras. Ele é uma esponja", acrescenta, ao explicar um pouco sobre o método de Basquiat, que costumava deixar o rádio e a televisão ligados ao mesmo tempo enquanto trabalhava no ateliê. "Ele era bombardeado por todas essas informações o tempo inteiro".

Processo intenso

Essa estimulação com elementos de diversas fontes parece ser, na opinião do curador, um dos traços que aproxima o artista das gerações atuais. "Ele está em constante contato com o mundo ao redor. Isso talvez seja parte do apelo que tem hoje, essa nova geração é totalmente antenada, 24 horas por dia conectada em informação".

A imersão era tão intensa que até o apartamento onde vivia se tornava parte de sua obra. "Ele pinta tudo que está no apartamento: a geladeira, a porta do banheiro", comenta o curador. Essa porta, assim como outros objetos semelhantes usados como suporte pelo artista - esquadrias de janela e peças de madeira - pode ser vista na mostra. A exposição é, segundo Tjabbes, a maior do artista feita no Brasil.

O talento ímpar e o esforço trouxeram resultados rápidos para o jovem artista. Em 1982, com 21 anos, chegou a participar da Documenta de Kassel, na Alemanha, uma das principais mostras de arte contemporânea do mundo. O renome fez com que o valor de suas obras também subisse rápido, uma das razões, segundo Tjabbes, pelas quais é difícil encontrar os trabalhos de Basquiat em museus e instituições públicas. "Quando os museus começaram a se interessar, os preços já estavam proibitivos. O resultado é que relativamente poucos museus têm obras dele nas coleções", diz. As obras da exposição do CCBB são de uma coleção particular.

Música e negritude

Apesar da rápida ascensão, Basquiat ainda se sentia afetado pelo racismo, e a temática negra era uma presença constante em suas obras. "Ele era um artista negro, afro-americano, dentro de um meio de artes que era quase totalmente branco. Então, a obra sempre permeia esse viés de crítica sobre o sistema. Basquiat ressalta muito negros importantes na música e nos esportes", lembra o curador.

A música, em especial o hip hop, era outra influência importante em seu trabalho. "A ligação que a obra dele tem com a música falada", destaca Tjabbes. Mesclar palavras com imagens é também uma característica marcante de várias obras. Assim como a inserção de desenhos por meio de colagens. "O desenho aparece tanto como desenho mesmo, como nos quadros. Ele insere nos quadros, cola, pinta por cima".

A exposição fica em São Paulo até abril, de onde segue para as unidades do CCBB em Brasília, Belo Horizonte e Rio de Janeiro, encerrando as exibições no Brasil em janeiro de 2019.

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento