Entretenimento

Na TV e no cinema: Relembre as icônicas mulheres das obras de Jorge Amado

Divulgação
Juliana Paes viveu Gabriela em minissérie da Globo Imagem: Divulgação

Do UOL, em São Paulo

10/08/2017 04h00

Um dos maiores escritores do Brasil, Jorge Amado completaria 105 anos nesta quinta-feira (09). Para relembrar a clássica bilbiografia do autor, o UOL selecionou as personagens mais marcantes que saíram da mente criativa do baiano e foram sucesso nas telonas e na televisão.

Gabriela - "Gabriela, Cravo e Canela"

Divulgação/Reprodução/Montagem
Sonia Braga e Juliana Paes viveram Gabriela em adaptações para o cinema e televisão Imagem: Divulgação/Reprodução/Montagem

Fugindo da seca que castigava o sertão nordestino, Gabriela era um primor de beleza e sensualidade. Ao chegar na cidade de Ilhéus, na Bahia, a protagonista começou a trabalhar no bar de Nacib. Logo, a dupla se apaixona, principalmente pela dualidade meio bicho, meio mulher da musa que choca os puritanos da cidade e apaixona os homens de plantão.

"Vestia trapos, mas limpos, certamente os da trouxa. Um rasgão na saia mostrava um pedaço de coxa cor de canela, os seios subiam e desciam levemente ao ritmo do sono, o rosto sorridente".

Sônia Braga é a intérprete mais associada à personagem de Jorge Amado. A atriz foi a protagonista da telenovela "Gabriela" (1975) e depois do filme homônimo, que chegou aos cinemas em 1983. Uma nova adaptação para a televisão foi feita em 2012 com Juliana Paes no papel da sensual retirante.

Florípedes Paiva - "Dona Flor e Seus Dois Maridos" 

Divulgação/Montagem
As diferentes versões de "Dona Flor e Seus Dois Maridos" Imagem: Divulgação/Montagem

Dona Flor é tão moderna no romance lançado em 1966 que virou referência no popular do brasileiro. Aproveita o erotismo e o fogo do boêmio Valdomiro enquanto se sente segura com o farmacêutico Teodoro. 

"Pequena e rechonchuda, de uma gordura sem banhas, a cor bronzeada de cabo-verde, os lisos cabelos tão negros a ponto de parecerem azulados, olhos de requebro e os lábios grossos um tanto abertos sobre os dentes alvos".

O filme dirigido por Bruno Barreto chegou aos cinemas em 1976 novamente com Sônia Braga como a mulher principal do enredo. José Wilker era o assanhado Valdomiro enquanto Mauro Mendonça, o marido calmo. 

Em 1998, Giulia Gam viveu a icônica mulher em uma minissérie da Globo baseada na obra do escritor baiano, tendo Edson Celulari e Marco Nanini como seus maridos. Uma nova adaptação, desta vez para o cinema, está prevista para chegar ainda este ano com Juliana Paes, Marcelo Faria e Leandro Hassum.

Tereza Batista - "Tereza Batista Cansada de Guerra"

Reprodução
Patrícia França como Tereza Cristina Imagem: Reprodução

A trágica personagem do livro lançado em 1972 foi vendida pela própria tia, aos 13 anos, e virou escrava sexual de um malvado fazendeiro. Tereza se apaixona por Daniel e consegue escapar do cárcere e viver uma vida cheia de obstáculos e amores, se transformando em uma heroína de Jorge Amado.

"Por que então a chamaram de Tereza boa de briga? Pois, meu compadre exatamente por ser boa de briga, igual a ela não houve em valentia e altivez, nem coração tão de mel. Tinha aversão a badernas, nunca promoveu arruaças mas, decerto pelo sucedido em menina, não tolerava ver homem bater em mulher".

A minissérie "Tereza Batista" estreou na Globo em 1992 como Patrícia França como protagonista e Herson Capri na pelo do temido capitão.

Tieta - "Tieta do Agreste" 

Divulgação/Montagem
Betty Faria e Sônia Braga interpretaram Tieta Imagem: Divulgação/Montagem

Tieta se mostrava namoradeira desde nova e seu pai não gostou nada disso, expulsando-a de casa. Após 25 anos, a protagonista volta à cidade de Sant'Ana do Agreste, agora rica e poderosa, um retrato dos migrantes que conquistam seu espaço fora da terra natal e que retornam com histórias para contar.

"Desde menina eu nunca gostei de bode novo, pra mim, bode bom de cabra é aquele que tem idade e experiência".

Betty Faria viveu a marcante personagem na Novela "Tieta", em 1989. Já em 1996, novamente ela, Sônia Braga, entrou no universo de Jorge Amado para estrelar o filme homônimo dirigido por Cacá Diegues.

Dora - "Capitães da Areia"

Reprodução
A atriz Ana Graciela como Dora em "Capitães da Areia" Imagem: Reprodução

Ela foi a única que conseguiu domar Pedro Bala. Órfã após os pais morrerem de varíola, Dora é uma das personagens mais marcantes do livro de 1937 sobre um grupo de crianças e adolescentes que tentavam sobreviver nas ruas de Salvador. 

“Apesar de não ser noite de lua, havia um romântico romance no casarão colonial. Ela sorria e baixava os olhos, por vezes piscava com um olho porque pensava que isto era namorar. E seu coração batia rápido quando o olhava. Não sabia que isso era amor".

"Capitães da Areia" virou um filme americano obscuro no início da década de 1970, minissérie na Rede Bandeirantes em 1989 e um filme lançado em 2011, em que a jovem Ana Graciela interpreta a menina.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento

Topo