Entretenimento

Herói nacional que persegue corruptos chega ao cinema e à TV antes de 2018

Renata Nogueira

Do UOL, em São Paulo

04/12/2016 07h00

“O Doutrinador”, super-herói nacional criado pelo quadrinista carioca Luciano Cunha, vai ampliar seu universo. Cria do Facebook, ele chegou primeiro às HQs e agora parte para o cinema e a televisão.

O anti-herói mascarado vai virar filme e série de TV em 2018, pouco antes das eleições presidenciais. O projeto é da Guará Produções em uma parceria de Luciano com o produtor Gabriel Wainer. A Imagem Filmes e Paris Filmes estão por trás do longa, e a série será exibida no canal pago Space.

Reprodução
Imagem da HQ nacional "O Doutrinador" Imagem: Reprodução

Personagem recente da cultura pop brasileira, o caçador de corruptos saiu da gaveta de seu criador em março de 2013. Por uma coincidência de datas com a primavera de protestos, acabou estourando rapidamente e dando um nó na cabeça de muita gente.

Com o slogan “a corrupção criou seu maior inimigo”, o personagem desperta a ira e a paixão tanto em “coxinhas” quanto “mortadelas”. “Dependendo do viés político do leitor, ele vai entender de uma maneira ou de outra”, conta Luciano. O criador explica que seu herói é complexo e é necessário ler a obra completa para entender.

Até agora, Luciano já publicou três edições da história do Doutrinador, a última lançada na CCXP (Comic Con Experience), em São Paulo, onde ele conversou com fãs e curiosos em um auditório lotado neste sábado (3).

Questionado se tinha a pretensão de competir com as grandes do ramo --Marvel e DC-- o brasileiro foi enfático. “Tem que ter coragem para dar início a esse universo. Estamos em um período efervescente. Queremos popularizar novamente o quadrinho no Brasil, levar às bancas, como era nos anos 1970, 1980… Alguém tem que começar, alguém tem que fazer.”

Luciano também citou Maurício de Sousa, que esteve na CCXP um dia antes e já tinha alertado que os talentos brasileiros só precisam de mais coragem para começar. “É um longo caminho a percorrer. Esses personagens (da Marvel e DC) temê 70, 80 anos, e estão sempre se reinventando. Nosso mercado tem muitos altos e baixos”, afirmou.

Gabriel Wainer, produtor e seu parceiro na empreitada de levar “O Doutrinador” para outros formatos, citou as séries brasileiras “Supermax” e “3%” como exemplos de uma ousadia necessária para o mercado de entretenimento brasileiro. “Um dia 'O Doutrinador’ vai buscar o Frank Underwood (político da série 'House of Cards’, da Netflix). É o nosso desejo”, brincou Gabriel.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Entretenimento

Topo