Entretenimento

Feira literária leva oficinas gratuitas e grandes autores ao centro do Rio

Ana Pereira/Divulgação
O editor Julio Silveira, curador do festival literário LER, no Rio Imagem: Ana Pereira/Divulgação

Do UOL, no Rio

24/11/2016 12h54

Debates com nomes de peso da literatura brasileira, oficinas de escrita, exposições interativas e saraus, com acesso gratuito gratuito, num dos mais novos points do rio. Essa é a proposta da feira literária LER, que acontece a partir desta quinta-feira (24), no Boulevard Olímpico, e se estende até o próximo domingo, sempre das 10h às 21h

A expectativa do evento é de reunir um público de 80 mil pessoas. A programação conta com autores como Luis Fernando Verissimo, Vanessa da Mata, Marcelo Rubens Paiva, Alberto Mussa, Paulo Lins, Mary Del Priore, Gregório Duvivier e Heloísa Seixas, entre outros.

Fotos Folhapress e divulgação
Luis Fernando Verissimo e Gregorio Duvivier participam da feira literária LER, no Rio Imagem: Fotos Folhapress e divulgação

"O conceito é de que o livro é a festa. Todo mundo é convidado. E a gente tentou respeitar a diversidade, a variedade. Vamos ter literatura para vários públicos, jovens, geek, crianças, poesia. Queremos a mistura de espaços, que a pessoa que vá para o evento de Convenção Jedi se sensibilize com a declamação de uma poesia ou a leitura de romance. A gente tem a utopia de que entre um visitante e saia um autor, porque também vamos dar oficinas e mostrar como é possível publicar um ebook independente", afirma o curador Julio Silveira. 

Segundo Silveira, a diversidade vai dar o tom dos debates. Duas mesas, por exemplo, vão tratar de gênero e sexualidade: Thammy Miranda, com o livro "Nadando contra a corrente", e Amara Moira, com "E se eu fosse puta".

"Temos um autor trans, uma autora travesti, outro indígena, e sem nenhuma condescendência. Eles não estão lá por isso, mas por terem histórias para contar. Queríamos contemplar a variedade de etnias, de classes sociais, de sexualidade. Nessa época em que todo mundo está polarizado, ou é direita ou esquerda, ou é isso ou aquilo, criam-se fossos entre um e outro. A vida é mais complexa, existem muitos pontos de vista. Se a gente não ouvir o outro vai continuar na nossa bolha, e a gente quer potencializar a força do livro de gerar novas ideias", analisa.

Temos um autor trans, uma autora travesti, outro indígena, e sem nenhuma condescendência. Eles não estão lá por isso, mas por terem histórias para contar.

Júlio Silveira, curador da LER

 
O curador destaca ainda a participação de Mario Lucio Souza, músico e escritor de Cabo Verde, de Miro, poeta de rua de Recife, e dos ícones Verissimo e Zuenir Ventura, além da premiação de livros de ficção-científica na parte geek do evento e da presença de outras artes.
 
"A gente está no Porto, que é um lugar que a gente respeita muito, é onde foi criada a cultura carioca, o samba. Chamamos moradores da região para mostrar um pouco da culinária, da música. Estaremos em dois armazéns, mas queremos que o evento se esparrame pelo Boulevard, vai ser na rua. Literatura não pode ser só o que a academia quer. A gente acredita no poder do livro de fazer transitar ideias e romper restrições", diz.
 
A programação completa do evento está no site http://www.lersalaocarioca.com.br/programacao/. Para evitar perder tempo em filas, é possível se cadastrar gratuitamente com antecedência.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Entretenimento

Topo