Filmes e séries

Ancine: Valor triplica em 7 anos e audiovisual gera R$ 24,5 bi à economia

Munir Chatack/TV Record
Camila Rodrigues e Giuseppe Oristanio em cena da novela "Os Dez Mandamentos", da Record, que foi vendida para o canal de TV norte-americano MundoFox em 2015 Imagem: Munir Chatack/TV Record

Do UOL, em São Paulo

07/10/2016 14h49

A Ancine (Agência Nacional do Cinema) divulgou nesta sexta-feira (7) o resultado de dois estudos que apontam o crescimento do setor audiovisual nos últimos anos.

O primeiro deles traz uma atualização do Estudo sobre Valor Adicionado pelo Setor Brasileiro, que é feito anualmente. Com base em dados recém-divulgados pelo IBGE, constatou-se que as atividades econômicas do setor audiovisual foram diretamente responsáveis por uma geração de renda de R$ 24,5 bilhões na economia em 2014, contra R$ 8,7 bilhões sete anos antes, em 2007.

Para se chegar a este valor, foram consideradas 11 atividades do setor, entre elas produções de cinema, vídeos e programas de TV, pós-produção, distribuição e exibição e aluguel e comércio de fitas de vídeo, DVD e similares.

Ainda neste primeiro balanço, revelou-se uma tendência no aumento da participação no segmento da TV paga em relação à TV aberta, já que a primeira segue ganhando espaço.

Argentina e Alemanha compram mais

O segundo estudo apresenta uma análise inédita sobre comércio exterior de serviços audiovisuais no Brasil. O país ainda importa muito mais conteúdo do que exporta, sendo a principal fonte os Estados Unidos. Um ponto positivo revelado no balanço, porém, é que Argentina, Alemanha, Portugal e Suíça são países que compraram mais conteúdo do que venderam para o Brasil em 2014 e 2015.

Em 2015, o Brasil exportou US$ 154,8 milhões e importou US$ 1,6 bilhão em serviços audiovisuais, revelando um déficit de US$ 1,44 bilhão. Apesar do alto déficit, entre 2014 e 2015 o volume de vendas do Brasil mais que dobrou (crescimento de 110,1%) enquanto as aquisições permaneceram praticamente estáveis (crescimento de 2,9%).

"A informação de que o Brasil importou US$ 1,1 bilhão em licenciamento de direitos de conteúdos audiovisuais (contra a exportação de apenas US$ 81 milhões) confirma a necessidade de seguir investindo em mais filmes e séries brasileiras para ocupar o mercado interno e aumentar as vendas para o exterior”, comenta o diretor-presidente da Ancine, Manoel Rangel.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
UOL Cinema - Imagens
EFE
BBC
do UOL
do UOL
AFP
EFE
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
AFP
do UOL
AFP
EFE
do UOL
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
EFE
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Cinema
Cinema
AFP
EFE
do UOL
Topo