Topo

Filmes e séries

Ancine: Valor triplica em 7 anos e audiovisual gera R$ 24,5 bi à economia

Munir Chatack/TV Record
Camila Rodrigues e Giuseppe Oristanio em cena da novela "Os Dez Mandamentos", da Record, que foi vendida para o canal de TV norte-americano MundoFox em 2015 Imagem: Munir Chatack/TV Record

Do UOL, em São Paulo

07/10/2016 14h49

A Ancine (Agência Nacional do Cinema) divulgou nesta sexta-feira (7) o resultado de dois estudos que apontam o crescimento do setor audiovisual nos últimos anos.

O primeiro deles traz uma atualização do Estudo sobre Valor Adicionado pelo Setor Brasileiro, que é feito anualmente. Com base em dados recém-divulgados pelo IBGE, constatou-se que as atividades econômicas do setor audiovisual foram diretamente responsáveis por uma geração de renda de R$ 24,5 bilhões na economia em 2014, contra R$ 8,7 bilhões sete anos antes, em 2007.

Para se chegar a este valor, foram consideradas 11 atividades do setor, entre elas produções de cinema, vídeos e programas de TV, pós-produção, distribuição e exibição e aluguel e comércio de fitas de vídeo, DVD e similares.

Ainda neste primeiro balanço, revelou-se uma tendência no aumento da participação no segmento da TV paga em relação à TV aberta, já que a primeira segue ganhando espaço.

Argentina e Alemanha compram mais

O segundo estudo apresenta uma análise inédita sobre comércio exterior de serviços audiovisuais no Brasil. O país ainda importa muito mais conteúdo do que exporta, sendo a principal fonte os Estados Unidos. Um ponto positivo revelado no balanço, porém, é que Argentina, Alemanha, Portugal e Suíça são países que compraram mais conteúdo do que venderam para o Brasil em 2014 e 2015.

Em 2015, o Brasil exportou US$ 154,8 milhões e importou US$ 1,6 bilhão em serviços audiovisuais, revelando um déficit de US$ 1,44 bilhão. Apesar do alto déficit, entre 2014 e 2015 o volume de vendas do Brasil mais que dobrou (crescimento de 110,1%) enquanto as aquisições permaneceram praticamente estáveis (crescimento de 2,9%).

"A informação de que o Brasil importou US$ 1,1 bilhão em licenciamento de direitos de conteúdos audiovisuais (contra a exportação de apenas US$ 81 milhões) confirma a necessidade de seguir investindo em mais filmes e séries brasileiras para ocupar o mercado interno e aumentar as vendas para o exterior”, comenta o diretor-presidente da Ancine, Manoel Rangel.

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!