Entretenimento

Balé com mais de 30, pode? Aulas para adulto viram tendência em academias

Arquivo Pessoal
Apresentação do grupo de balé do qual Thiana Calmon participa Imagem: Arquivo Pessoal

Luna D'Alama

Colaboração para o UOL

30/07/2016 06h00

A carioca Thiana Calmon, 35, já havia tentado de tudo para se exercitar e melhorar a postura --musculação, aeróbica, pilates--, mas foi no balé clássico, há cinco anos, que ela se encontrou. “Comecei com dança do ventre e aí mudei para o balé, pois queria ter mais flexibilidade e alongamento”, conta a analista de sistemas, que faz aulas no Centro de Movimento Deborah Colker, dirigido pela filha da coreógrafa, Clara, na zona sul do Rio.

Após ser demitida da empresa onde trabalhava, no fim do ano passado, ela resolveu unir o prazer da dança a uma atividade profissional, depois de perceber uma lacuna no mercado: criou uma linha de roupas de balé para adultos, vendida pela internet. “São peças adaptadas para mulheres que já passaram dos 20, porque as marcas ‘normais’ não nos servem tão bem”, avalia. Atualmente, ela comercializa apenas saias, mas planeja ampliar a oferta em breve.

Arquivo Pessoal
A carioca Thiana Calmon, 35, que faz balé há cinco anos Imagem: Arquivo Pessoal

A bailarina e vendedora é também blogueira. Thiana mantém o site "Eu, Bailarina", que traz dicas sobre balé adulto. “Pesquisei muito, sabia responder a todas as dúvidas das minhas amigas, postava nas redes sociais. Aí veio a sugestão de fazer um blog, porque quem queria começar muitas vezes não tinha coragem, não sabia por onde, diferente de quem já dançou na infância”, compara.

Uma das lições que Thiana passa em seus textos é de que é preciso paciência. Para começar a ver resultados, segundo ela, é necessário esperar cerca de um ano. “Se você começa do zero, leva mais ou menos esse período para dar os passos básicos e para o pé ficar bonito. Levei dois anos para subir na ponta dos pés”, conta.

Para compensar a dificuldade, Thiana aumenta seu esforço: faz aulas todos os dias. Com tanta dedicação, ela já perdeu 10kg e diz que “cresceu” dois centímetros. “O balé mudou a minha vida, descobri uma paixão que não sabia que tinha”, revela a carioca.

Melhora o humor e aquece o corpo

Empresária na área de eventos corporativos, a paulistana Luciana Martins, 39, começou no balé há quatro anos, por indicação médica. “Procurei um reumatologista e descobri que tinha fibromialgia. Ele me indicou balé, pilates ou algo que não pegasse peso. Em três meses de dança, já me senti melhor, e acabei nem precisando tomar remédio”, conta.

Arquivo Pessoal
Turma de balé em evento promovido por Luciana Martins Imagem: Arquivo Pessoal

No fim de 2013, Luciana e uma amiga criaram o blog "Ballet Depois dos 30", que depois virou perfil no Instagram. Por meio desse projeto, elas tiram dúvidas, respondem e-mails e promovem um evento mensal para arrecadar fundos para o balé de cegos da Associação Fernanda Bianchini. “Dançar cura a tristeza, melhora o humor, aquece o corpo e apaga qualquer dor”, rima ela, que já está no nível intermediário e tem aulas com a ex-bailarina Neyde Rossi, 77, considerada no passado uma das melhores dançarinas do país.

Além de balé, Luciana está aprendendo jazz e já perdeu 5kg desde a primeira aula. “Ganhei equilíbrio emocional, fortalecimento e tônus muscular. Até francês eu aprendi um pouco, por causa da nomenclatura do balé. Hoje, consigo ficar na ponta dos pés, saltar e girar”, destaca Luciana.

Para todos os bolsos

Para quem acha que balé é uma atividade só para a classe média ou alta, por conta dos valores da mensalidade e dos figurinos pomposos, há opções mais baratas e até gratuitas, como é o caso do Centro Cultural de Vinhedo, no interior de São Paulo, administrado pela prefeitura da cidade. A professora e bailarina Daiana Melle, 27, dá aulas para alunos de 5 a 50 anos e conta que as turmas para os mais velhos são tendência. “Até 2015, eu dava aula para grupos com até 15 anos. Em janeiro, abrimos duas turmas de balé e uma de jazz para pessoas com mais de 30. Todas estão lotadas, já temos até lista de espera”, diz.

Segundo Daiana, a maioria das alunas mais velhas se matricula em busca de uma atividade física e de bem-estar. “Elas sabem que não vão virar bailarinas profissionais, mas querem fazer algo fora da academia e de outras atividades convencionais”.

Arquivo Pessoal
Andrea Bailoni, 47, que começou a fazer aula de balé há menos de um ano Imagem: Arquivo Pessoal

Uma das mais recentes pupilas de Daiana é Andrea Bailoni, 47, que fez balé quando criança, por três anos, e voltou há poucos meses. “Saí da dança, naquela época, por causa da escola, era tudo muito corrido, mas sempre gostei de dançar. Agora estou trabalhando de casa e tive a oportunidade de retomar as aulas”, diz.

Andrea diz que ela e as colegas também trocam figurinhas pelo WhatsApp sobre as aulas, preços de sapatilhas e assuntos afins. “Todo mundo consegue dançar. Claro que, quando você é mais jovem, aprende mais rápido, mas nosso objetivo é outro, é prazer, valorizar o que somos capazes de fazer. O mais difícil nessa idade é o equilíbrio, mas com esforço a gente consegue. E aqui quase ninguém falta, porque não fazemos balé por imposição de pais, mas porque queremos”.

Balé fitness

Além do balé clássico, academias já oferecem a modalidade de balé fitness para os alunos que querem acelerar o ritmo e suar mais. A professora Zoê Canellas, da Bodytech no Rio, diz que a aula é feita em circuitos e dividida entre exercícios de ginástica localizada no chão e na barra, e a trilha sonora deixa a música clássica de lado, em favor de ritmos mais acelerados. “Trabalhamos abdômen, braço e voltamos para a barra. São quatro ou cinco circuitos por aula”, descreve.

Para a professora, esse “boom” do balé adulto se intensificou nos últimos dois anos, mas a opção apareceu pela primeira vez há uns oito anos. Zoê explica que são feitas adaptações na dança específica para os adultos --as posições e os movimentos ficam um pouco mais light do que nas aulas destinadas a crianças e jovens. “Eles ganham em concentração, calma, respiração. E não ficamos aprimorando técnicas à exaustão, trabalhamos corpo, postura e dança. O salto é mais dançado, tem valsa, os alunos [99%, mulheres] querem sentir que bailaram”.

Ana Botafogo, primeira-bailarina e diretora do Balé do Theatro Municipal do Rio, reforça que aulas para adultos têm que ser exclusivas e adaptadas para eles. “Os passos são basicamente os mesmos que para as crianças, mas o foco e a exigência são outros”, afirma ela, que se despediu do Municipal há quatro anos, mas ainda dança em apresentações pontuais.

As mulheres que começam o balé a partir dos 30 possivelmente não chegarão ao nível profissional, destaca Ana, mas podem se exercitar dentro de seus limites para se sentirem bem com a atividade e a música. “Aqui é outra perspectiva, o intuito não é competir. E é um prazer muito maior do que só malhar: tem a parte lúdica, a delicadeza, a mulher se sente uma bailarina. O ganho é físico e mental".

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Entretenimento

Topo