Livros e HQs

Personalidades lamentam morte de Eco: "Nada nos resta além dos nomes"

Do UOL, em São Paulo

20/02/2016 00h07

A morte do escritor italiano Umberto Eco nesta sexta-feira (19) levou autores, jornalistas e outras personalidades a prestarem homenagens nas redes sociais.

Autor de "Gomorra", livro reportagem sobre a máfia italiana, o jornalista Roberto Saviano citou a frase em latim que encerra o livro "O Nome da Rosa", um dos mais conhecidos de Eco. "Nada nos resta além dos nomes. Adeus professor", escreveu Saviano no Twitter.

Um dos semiólogos e intelectuais europeus mais importantes deste século, Eco também escreveu obras como "O Pêndulo de Foucault" (1988) e "O Cemitério de Praga" (2010), além de ensaios "O Problema Estético" (1956), "O Sinal" (1973), "Tratado Geral de Semiótica" (1975) e "Apocalípticos e Integrados" (1964), referência nos cursos de comunicação em todo o mundo.

Crítico do papel das novas tecnologias no processo de disseminação de informação, Eco disse, em julho do ano passado, que as redes sociais dão o direito à palavra a uma "legião de imbecis" que antes falavam apenas "em um bar e depois de uma taça de vinho, sem prejudicar a coletividade". "Normalmente, eles [os imbecis] eram imediatamente calados, mas agora eles têm o mesmo direito à palavra de um Prêmio Nobel", disse o intelectual durante um evento em que recebeu o título de doutor honoris causa em comunicação e cultura na Universidade de Turim, norte da Itália.

Também no Twitter, o canadense Guy Gavriel Kay exaltou as qualidades de Eco, dizendo que ele era "um múlti talentoso, genuinamente interessante (e interessado) ser humano".

O jornalista Jorge Pontual, correspondente da TV Globo em Nova York, também prestou homenagem ao autor por meio do Twitter, citando frases de Eco.

"Nascemos sempre no signo errado e estar no mundo de modo digno quer dizer corrigir a cada dia o próprio horóscopo", Umberto Eco

O britânico Warren Ellis, famoso escritor de histórias em quadrinhos, também usou seu perfil no Twitter para lamentar a morte do autor.

"Devastado. Umberto Eco, o gigante, que mudou meu mundo mais de uma vez, morreu", escreveu.

Os políticos também prestaram suas homenagens ao autor italiano. Mariano Rajoy, chefe de governo da Espanha, e Rafael Tovar, secretário mexicano de Cultura, usaram as redes sociais para lamentar a morte de Eco.

"Minhas condolências à família e amigos de Umberto Eco. Sua obra permanecerá na nossa memória, descanse em paz.", escreveu Rajoy.

“Sinto profundamente o falecimento de Umberto Eco, narrador, filósofo e educador universal”, lamentou Tovar.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Página Cinco
EFE
AFP
BBC
Página Cinco
UOL Jogos
UOL Jogos
Página Cinco
AFP
Página Cinco
do UOL
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Da Redação
BBC
Página Cinco
AFP
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Da Redação
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
do UOL
Da Redação
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
do UOL
Página Cinco
do UOL
do UOL
Página Cinco
Da Redação
Página Cinco
UOL Jogos
do UOL
AFP
BBC
BBC
Página Cinco
Página Cinco
AFP
Da Redação
AFP
Página Cinco
do UOL
Página Cinco
Topo