Livros e HQs

Conheça o Mário: as várias facetas do autor de "Macunaíma"

Rodrigo Casarin

Do UOL, em São Paulo

01/07/2015 06h00

A 13ª edição da Flip (Festa Literária Internacional de Paraty) começa nesta quarta-feira, 1º/7, e vai até domingo, dia 5. O homenageado da vez é Mário de Andrade, nome fundamental do modernismo brasileiro e um dos maiores artistas que atuou no país ao longo do século 20. Sim, artista, de uma forma geral e ampla, porque reduzi-lo apenas à sua faceta mais conhecida, a de escritor, é um grande equívoco. Veja abaixo dez campos nos quais Mário atuou.

IEB-USP
Chácara onde o autor escreveu "Macunaíma", em Araraquara Imagem: IEB-USP
Prosador
O nome de Mário de Andrade quase sempre vem associado aos seus trabalho com a prosa, a livros fundamentais da literatura brasileira, como “Macunaíma” ou “Amar, Verbo Intransitivo”, que muitos conhecem por conta da escola. Contudo, no gênero, o autor não assinou apenas romances, mas também diversos contos e crônicas, como os reunidos no recém-lançado “O Melhor de Mário de Andrade”.

Poeta
Ao todo Mário de Andrade teve mais de 30 livros publicados, e parte dessa obra é composta por poesia. Sua estreia, aliás, deu-se com “Há uma Gota de Sangue em Cada Poema”, de 1917. Também é do gênero um de seus títulos mais famosos, “Pauliceia Desvairada”, de 1922, marco do modernismo nacional.

Crítico literário
Ainda atrelado à literatura, Mário também exerceu o papel de crítico literário e estudioso da arte. O autor mergulhou profundamente na obra de Machado de Assis, de onde tirou inspiração para “Amar, Verbo Intransitivo”, por exemplo, como revelou em uma carta a Carlos Drummond de Andrade.

IEB-USP
Mário de Andrade no estúdio que mantinha em sua casa, na rua Lopes Chaves Imagem: IEB-USP
Agitador cultural
Envolvido profundamente com a arte de seu tempo e em comunicação constante com seus pares, Mário foi uma das principais cabeças à frente da Semana de Arte Moderna de 1922, que concentrou manifestações artísticas com uma estética jamais vista até então, junto com os também escritores Oswald de Andrade e Menotti del Picchia e as pintoras Anita Malfatti e Tarsila do Amaral.

IEB-USP
Mário de Andrade, na adolescência Imagem: IEB-USP
Músico
Tão forte quanto o literário é o lado musical de Mário. Na infância, o artista era considerado um pianista ímpar. Na adolescência, cursou o Conservatório Dramático e Musical de São Paulo. Contudo, no início da fase adulta, após a trágica morte de seu irmão, passou a ter um leve e constante tremor nas mão, o que o afastou do piano.

Crítico musical
Sem poder tocar, Mário aproveitou seu ouvido afiado e seu conhecimento para se aprofundar ainda mais na teoria musical e para pensar a música feita no país, tornando-se professor e ensaísta da arte. É de sua autoria livros como “Ensaios Sobre a Música Brasileira”, “Pequena História da Música Brasileira” e “Música do Brasil”.

Crítico de cinema
Outra arte para a qual Mário dedicou seu pensamento e seu olhar crítico foi o cinema. Ainda que publicados de maneira bem esporádica, seus textos sobre o que via na telona formam uma considerável reflexão sobre a produção nacional da primeira metade do século 20. Quase duas dezenas dessas críticas estão reunidas no livro “No Cinema”.

Folclorista
Mário viajou muito pelo Brasil, principalmente para o Nordeste e para a Amazônia, a fim entender melhor a cultura nacional, em especial o folclore. Desse interesse e dessas explorações foi que surgiu, por exemplo, seu célebre personagem Macunaíma, o herói sem nenhum caráter.

Reprodução
Foto feita por Mário de Andrade em uma de suas viagens Imagem: Reprodução
Fotógrafo
Numa dessas viagens, em 1927, Mário empreendeu uma jornada que foi “pelo Amazonas até o Peru, pelo Madeira até a Bolívia, e pelo Marajó até dizer chega”. Ao longo do percurso, fez fotografias que retratam as paisagens, os homens e a cultura dos lugares por onde passou. Esse material gerou a exposição “Mário de Andrade: Etnógrafo-Fotógrafo-Poeta”.

Burocrata
Todo o envolvimento com a arte acabou fazendo com que Mário tomasse contato com o aspecto político da cultura. Foi ele o responsável por organizar o Departamento de Cultura da Cidade de São Paulo, além de ter dirigido o Instituto de Artes da antiga Universidade Federal e o Departamento de Cultura de São Paulo.
 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Página Cinco
do UOL
do UOL
Página Cinco
Da Redação
Página Cinco
UOL Jogos
do UOL
AFP
BBC
BBC
Página Cinco
Página Cinco
AFP
Da Redação
AFP
Página Cinco
do UOL
Página Cinco
Da Redação
do UOL
Página Cinco
Da Redação
Reuters
Página Cinco
Da Redação
do UOL
Página Cinco
EFE
Página Cinco
Da Redação
AFP
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Da Redação
Página Cinco
BBC
Página Cinco
UOL Jogos
UOL Jogos
Entretenimento
Página Cinco
Da Redação
Página Cinco
Entretenimento
AFP
Da Redação
Página Cinco
EFE
do UOL
Topo