PUBLICIDADE
Topo

Vídeo de trio carioca com hits do Chaves tem 5 milhões de acessos em 7 dias

O trio vocal TriGO, do Rio - Divulgação - Divulgação
Da esq. para a dir., Leandro Leví, Lucas Moura e Victor Leví, do trio vocal TriGO
Imagem: Divulgação

Luna D'Alama

Do UOL, em São Paulo

28/05/2015 06h45

Um é professor de geografia, o outro trabalha como produtor audiovisual e o terceiro toca em banda, mas quer estudar publicidade. Em comum, os três amigos cariocas (dois deles, irmãos) Leandro Leví, Victor Leví e Lucas Moura têm a voz afinada, a paixão pela música e a criatividade de pôr tudo isso em vídeos que estão bombando na internet há um mês.

Em uma semana, de 18 a 24 de maio, uma única gravação a capella (sem acompanhamento instrumental) feita pelo projeto TriGO com hits clássicos da turma do Chaves alcançou a marca de 5 milhões de visualizações no Facebook e no YouTube. Uma rádio de Fortaleza também ajudou a divulgar o trabalho deles nas redes sociais, e o alcance foi enorme e inesperado.

“A gente gosta muito de cantar músicas de desenhos, séries infantis, já tinha gravado um vídeo do Frozen. Aí lembramos do Chaves, que assistimos a vida inteira. Já conhecíamos tudo de cor, nem precisamos pesquisar”, conta o produtor audiovisual Victor, 24 anos.

No vídeo de dois minutos e meio, o trio faz uma homenagem à série de TV que marcou a geração dos anos 1980. O medley tem canções como "Lá vem o Chaves, Chaves, Chaves, todos atentos olhando pra TV..." e "Se você é jovem ainda, jovem ainda, jovem ainda, amanhã velho será, velho será, velho será...", entre outros sucessos do personagem-título, de Quico, Chiquinha, Dona Florinda, Seu Madruga, Bruxa do 71, Nhonho e toda a turma da vila.

Lucas Moura

  • Divulgação

    A gente sempre brincou de cantar, e um belo dia, em março, resolveu colocar três vídeos na internet, pelo celular mesmo. A galera curtiu para caramba e (...) decidimos fazer algo mais sério

    Lucas Moura, integrante do trio vocal TriGO

Desde o dia 28 de abril, os três cantores já publicaram sete gravações na rede, todas com cerca de dois minutos cada. A primeira delas reuniu clássicos de Michael Jackson. “A gente sempre brincou de cantar, e um belo dia, em março, resolveu colocar três vídeos na internet, pelo celular mesmo. A galera curtiu para caramba e, como o Victor é muito fã do Michael, decidimos fazer algo mais sério, criar uma fanpage e um nome para o grupo [que contém a ideia de trio e de ‘ir adiante’, em inglês]”, explica Lucas, 24 anos, que tem uma banda desde 2009 e toca violão e guitarra em bares há dois anos, com um repertório que vai da MPB ao pop rock.

De lá para cá, os jovens soltaram na web versões para hits da animação Frozen, sucesso de bilheteria da Disney, de Luiz Gonzaga e Gonzaguinha, Bruno Mars, Charlie Brown Jr. (com participação do rapper Tonza) e Bob Marley.

Com isso, o que era apenas um hobby começa a ganhar repercussão: em quatro semanas, o trio conquistou mais de 11 mil inscritos na página do canal no YouTube, um fã clube virtual e convites para entrevistas e apresentações em festas de casamentos, de 15 anos e até em um festival de calçados na região metropolitana de Porto Alegre, em julho. “A gente está animado, agora vai começar a ensaiar”, conta Victor, que também edita os vídeos do TriGO.

Quando questionado sobre o timbre de cada um, o produtor diz que eles nunca estudaram música formalmente e que isso não importa nesse caso, pois não existe uma primeira voz no trio. "A gente vê quem canta melhor cada música, aí esse fica como principal, enquanto os outros fazem o backing vocal”, afirma Victor. Na maioria das canções, os três produzem todos os sons, tanto das vozes quanto dos intrumentos. No vídeo de Bob Marley, porém, o ritmo é acompanhado por estalos dos dedos e uma base de violão ao fundo.

Do “Rei Leão” ao sertanejo

Entre os próximos projetos do trio de Jacarepaguá, na zona oeste do Rio, estão vídeos com músicas das versões brasileiras dos desenhos “O Rei Leão”, da Disney, e “Toy Story”, da Pixar. “’Frozen’ não é da nossa época, mas esses outros, sim”, diz Victor.

Os três jovens também querem gravar hits de Cazuza, no aniversário de 25 anos da morte do cantor, em julho. “As pessoas vão poder conhecê-lo, relembrá-lo. Acho que a maior função do cover é mostrar coisas antigas para pessoas novas”, avalia o produtor audiovisual.

Mais para frente, eles ainda planejam um tributo à música sertaneja – mostrando sua evolução desde as modas de viola até o gênero universitário, com representantes como Luan Santana, Gusttavo Lima e Lucas Lucco. Além disso, por estarem no Rio, pretendem gravar vídeos de pagode e funk, com hits de Anitta, Naldo e Ludmilla.

Sobre as críticas e os elogios que o trio tem recebido do público, Victor cita comentários sobre o sotaque carioca como ponto negativo e, entre os relatos positivos, a semelhança dos cariocas com o grupo vocal norte-americano Pentatonix, que foi formado em 2012 por cinco integrantes (quatro homens e uma mulher) e tem feito sucesso nos rankings Billboard 200.

Fora os trabalhos em conjunto, os amigos também têm projetos solo e autorais. Victor, por exemplo, já lançou um CD com 11 músicas e teve a colaboração de Leandro em uma delas.