Topo

Livros e HQs

Para Ruth Rocha, "Marcelo, Marmelo..." é mais literário que "Harry Potter"

Rodrigo Capote/Folhapress
A escritora Ruth Rocha, que completa 50 anos de carreira Imagem: Rodrigo Capote/Folhapress

Rodrigo Casarin

Do UOL, em São Paulo

29/04/2015 20h27

A escritora Ruth Rocha, 84 anos, autora de clássicos da literatura infantil brasileira como "Marcelo, Marmelo, Martelo", "O Reizinho Mandão" e "O Menino que Quase Virou Cachorro", causou polêmica ao dizer, em uma entrevista publicada nesta semana pelo site IG, que "'Harry Potter' não é literatura" e que as sagas infato-juvenis com bruxas e vampiros que fazem sucesso hoje são apenas uma moda passageira. Com isso, a autora despertou a ira dos fãs do bruxo criado pela autora britânica J.K. Rowling e interpretado por Daniel Radcliffe no cinema.

  • 45298
  • true
  • http://entretenimento.uol.com.br/enquetes/2015/04/30/na-sua-opiniao-qual-desses-dois-personagens-e-melhor.js

Atacada por internautas, Ruth, que está completando 50 anos de carreira, falou com o UOL sobre a polêmica criada em torno de sua declaração e disse que, para ela, "Marcelo, Marmelo..." possui mais valor literário que os livros do bruxinho de Hogwarts. 

"Harry Potter não é literatura, digo isso mesmo. É entretenimento, é best-seller. Mas nunca falei para tirar da livraria", disse a autora, que afirma ter lido o primeiro livro da saga de Rowling. Segundo ela, como exercício de leitura para crianças, "Harry Potter" tem seu valor. "Acho maravilhoso [uma criança] ler o 'Harry Potter', não tenho nada contra."

Questionada sobre qual obra tem mais valor, o seu "Marcelo, Marmelo, Martelo" ou a saga do bruxo, a escritora diz preferir deixar para a crítica avaliar isso, porém dá sua opinião. "A importância é igual, mas eu acho 'Marcelo Marmelo Martelo' mais literário". E explica: "Literatura é arte. Inclui linguagem, sentimento, emoção. Um modo de ver a vida. Uma série de coisas que, quando preenchida, se torna arte".

Quanto aos ataques que tem sofrido dos fãs de "Harry Potter", Ruth diz que todos têm o direito de falar o que quiserem sobre a sua obra. "Tenho horror a censura. Escrevi o 'Reizinho Mandão' na época da ditadura, justamente por causa disso. Eu digo a minha opinião, eles [fãs de 'Harry Potter'] dizem a deles. Não tem problema. Eles podem falar mal de mim. Hoje todos podem dar opinão, palpites, mesmo sem embasamento nenhum."

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!