Livros e HQs

Após promessa no 7x1, editora tem 7 vezes mais seguidores e lança 11º livro

Luna D'Alama

Do UOL, em São Paulo

16/04/2015 06h00

Em apenas 90 minutos, os três sócios-fundadores da editora independente Lote 42, de São Paulo, viram sua trajetória de 1 ano e meio e todo o futuro nas mãos: ou dariam conta do recado e se tornariam conhecidos no Brasil inteiro, ou poderiam ir à falência. Isso porque, para se destacar na Copa de 2014, aproveitando o clima de manifestações contra o evento, o selo propôs uma promoção diferente – dar 10% de desconto para cada gol que o Brasil levasse no tempo regulamentar. Isso fez com que o 7x1 que a seleção tomou da Alemanha na semifinal, no Mineirão, deixasse 70% mais baratos os seis livros que a editora já havia lançado. A pechincha causou um alvoroço na internet, e em três horas se esgotou todo o estoque virtual da Lote 42, de cerca de 2 mil livros.

“As pessoas achavam que éramos uma livraria, pediam livros do Paulo Coelho, do Marley [cão labrador que inspirou o livro e o filme “Marley & Eu”]. Foi uma coisa meio insana, muitos nem escolheram direito o que comprar, fizeram sem pensar. E também teve vários trolls, gente que fez o processo de compra e não concluiu, só para nos testar”, recorda o jornalista gaúcho João Varella, o gênio criativo por trás da editora. Como o servidor disponível logo caiu, o jeito foi colocar os produtos em uma nova loja online.

“O jogo foi um susto, mas poderia ter sido pior, a Alemanha segurou. Aí a gente teve que lidar com a internet inteira, que já estava p. da vida com o Brasil, pela vergonha, e apareceu uma editora com 70% de desconto. Apontaram para a gente, nem sabiam o que a gente vendia”, lembra a jornalista argentina Cecilia Arbolave, sócia da Lote 42 e companheira de Varella há quase dez anos. “Na época tínhamos só seis livros ["Já Matei por Menos", "O Pintinho" 1 e 2, "Manual de Sobrevivência dos Tímidos", "Seu Azul" e "Indiscotíveis"], e muitas pessoas ficaram frustradas, achando que estávamos escondendo outras publicações e só colocando à venda seis títulos”, revela.

Daia Oliver
O trio de sócios da Lote 42: Thiago Blumenthal, Cecilia Arbolave e João Varella Imagem: Daia Oliver
A promoção repercutiu demais nas redes sociais, e em 24 horas o número de seguidores da editora no Facebook saltou de 6 mil para 37 mil – hoje passa de 42 mil. Além disso, em quatro dias, o perfil registrou um alcance recorde de 3,1 milhões de visitantes. Toda essa comoção levou a Lote 42, que se define como “uma editora com alma de start-up”, a fazer um esclarecimento público, explicando quem era, o que fazia e que o estoque disponível já havia acabado.

Com isso, muitos interessados em conhecer melhor o trabalho deles e adquirir algum livro resolveram esperar a poeira baixar. Outros ainda saíram em defesa do selo, sem nem conhecer seus donos, ao ver a transparência e as boas intenções do trio de sócios (formado também pelo paulistano Thiago Blumenthal, graduado em Letras) para lidar com a situação. “Foi algo que nos colocou à prova, recebemos ajuda de oito amigos durante uma semana [para organizar as remessas], fizemos um trabalho de formiguinha, uma força-tarefa para entregar rápido tudo o que havia sido prometido. Até os Correios nos deram uma força”, conta Cecilia. Em 15 dias, todos os pedidos já haviam chegado a seus destinos.

“O saldo [de toda a iniciativa] foi muito positivo, teve repercussão na imprensa brasileira e mundial, matérias em sites e jornais argentinos, de Portugal, no [francês] Le Figaro. E ainda fomos citados pela consultoria internacional TrendWatching, no relatório de tendências do ano, como um exemplo a ser seguido, pelo preço atrativo e pela forma divertida e inteligente de vender”, destaca Varella. Segundo ele, durante a promoção, alguns livros chegaram a ser comercializados com prejuízo, por um preço abaixo do custo, mas a repercussão do fato foi tão grande que valeu a pena. “Teríamos gastado um valor estratosférico em publicidade”, analisa.

9 meses depois, 11 livros

De lá para cá, ao longo dos últimos nove meses, a Lote 42 publicou mais quatro livros ("Desenhos Invisíveis", "42 Haicais e 7 Ilustrações", "Queria Ter Ficado Mais" e "Portas do Éden") e já planeja para maio (dia 6 no Rio, e 9 em SP) o lançamento de seu 11º título: "A Coragem do Primeiro Pássaro", do escritor e desenhista André Dahmer, autor das tirinhas "Malvados".

A obra revela a faceta de poeta do autor, e o projeto gráfico traz as páginas impressas em preto e as letras em branco, para dar uma dimensão da tristeza causada pelo fim de um relacionamento. O livro custa R$ 29,90 e já tem pré-venda online.

Casa Rex
O livro "42 Haicais e 7 Ilustrações" tem capa "artesanal", feita uma a uma com cores e posições diferentes Imagem: Casa Rex
Cada um dos títulos lançados pela editora tem tiragem de até 2 mil exemplares, hotsite próprio (com detalhes sobre as obras e os escritores) e um formato bastante criativo. O livro "Seu Azul", do escritor Gustavo Piqueira, por exemplo, usa areia de verdade na capa, é todo feito em diálogos e inclui "truques" de diagramação: quando um personagem está bêbado, a letra fica espremida, e, em um trecho de discussão entre o casal principal, foi colocada literalmente uma frase em cima da outra.

Já “Indiscotíveis”, assinado por 14 autores (como Emicida e Kid Vinil), vem em sete livretos mais um de introdução, e cada um deles tem lado A e lado B, como num disco. “É um formato que dialoga bem entre arte e texto, com impressão como se fossem EPs, e todos vêm dentro de uma espécie de caixa de vinis”, explica Varella.

Com participação de Cecilia como escritora, sobre sua experiência em Buenos Aires, cidade onde nasceu e cresceu, “Queria Ter Ficado Mais" reúne histórias reais – com recursos literários – de viagens feitas e narradas por 12 autoras, como a escritora Clara Averbuck. Cada relato vem dentro de um envelope, como se fossem cartas íntimas para o leitor. “Revisitei Buenos Aires após sete anos fora, conto como vejo a cidade e o que ela representa para mim. Algum dia gostaria de voltar, mas neste momento seria impossível fazer a editora lá, com a economia e a política tão instáveis”, afirma Cecilia.

E em “42 Haicais e 7 Ilustrações”, que traz poemas de Varella e ilustrações de FP Rodrigues, a impressão ficou bem fiel à textura do lápis com o qual o autor escreveu. “Há palavras apagadas, riscadas, folhas amassadas, comentários feitos pela revisora. Deixamos tudo isso, como se fosse um livro inacabado, ainda em processo”, diz Varella, que tem a maioria dessas ideias inovadoras em noites de insônia ou no chuveiro. Além disso, as capas de “42 Haicais” saíram da gráfica em branco e foram finalizadas pela consultoria de design Casa Rex, que aplicou tinta acrílica em um molde com os números 42 e 7, em várias cores e posições, para criar exemplares diferentes uns dos outros.

Lote 42

  • A revolução dos livros não está acontecendo nos e-books, mas nas gráficas, com tiragens mais baixas

    João Varella, jornalista e sócio da Lote 42

Banca, quadrinistas latinos e eventos

Desde outubro de 2014, a editora independente usa um ponto físico para vender seus livros e os de outras 30 editoras de pequeno porte: a Banca Tatuí, no centro de São Paulo. Os preços das publicações próprias variam de R$ 29,90 a R$ 49,90, e o público frequentador – além dos jovens jornalistas, arquitetos, designers e amantes das letras que normalmente se interessam pelo selo – acaba incluindo pessoas que passam aleatoriamente pelo local, que funciona de segunda a sábado, das 10h às 18h30. “Parecemos uma nave espacial, é uma coisa muito diferente na rua”, analisa Cecilia.

George Leoni
Banca Tatuí concentra os títulos da Lote 42 e de mais cerca de 30 editoras independentes Imagem: George Leoni
Para Varella, o que a editora sente é que o público está atrás de coisas inovadoras e temas tabus, algo que está presente entre os títulos vendidos na banca. É o caso de “Suruba para Colorir”, da arquiteta Bebel Abreu, que traz imagens de orgias em preto e branco para pintar, e do colaborativo “Desnamorados”, que trata de diferentes formas de amor, como a homossexual. “São temas que estão por aí e muitas vezes não são abordados pelas grandes editoras, que trabalham numa lógica de conglomerado de comunicação, focando em altas tiragens e no que vai vender 10 mil, 100 mil cópias”, ressalta Varella, que acredita que as pessoas agora estão descobrindo o segmento independente.

“A banca é uma espécie de consolidação desses 30 nomes contemporâneos [como Beleléu, Polvilho, Bebel Books, Ale Kalko, Gato Preto, Meli-Melo, Vibrant, Samba, A Zica, Yoyo e Ugra Press], de vanguarda, que têm interesses parecidos, levam os quadrinhos a um patamar artístico, meio nerd, sem dever nada a outra forma de expressão. E a revolução dos livros não está acontecendo nos e-books, mas nas gráficas, com tiragens mais baixas”, diz o sócio da Lote 42, que também tem seus títulos à venda em grandes livrarias, como Cultura, Saraiva, Blooks e da Vila.

A popularidade da editora independente também tem feito com que nomes de fora do país se interessem em publicar livros no Brasil pelo selo. É o caso do quadrinista uruguaio Gervasio Troche, que lançou “Dibujos Invisibles” em 2013, na Argentina, e no fim do ano passado ganhou a edição brasileira “Desenhos Invisíveis”, pela Lote 42. Além dele, o quadrinista argentino Kioskerman (pseudônimo de Pablo Holmberg) lançou no fim de março o décimo livro da editora paulistana: “Portas do Éden”.

Cada novo título da Lote 42 é publicado com festa e música na Banca Tatuí, em galerias ou espaços culturais da capital paulista. E a editora tem marcado presença em eventos do setor, como a Feira Internacional do Livro de Buenos Aires, a Festa Literária Internacional de Paraty (Flip), a Feira Plana, Miolos, Pão de Forma, Parada Gráfica, do Sesc Vila Mariana (SP) e Espanca, em Belo Horizonte. Para dar dicas aos iniciantes, Varella também já ministrou um curso sobre o mercado editorial independente, e a Lote 42 publica seus bastidores e novidades em um canal no YouTube.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Página Cinco
Chico Barney
AFP
Página Cinco
BBC
Da Redação
Da Redação
Da Redação
Da Redação
Da Redação
Da Redação
do UOL
Página Cinco
Da Redação
Página Cinco
Página Cinco
do UOL
Página Cinco
Página Cinco
EFE
Página Cinco
EFE
Da Redação
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
AFP
Página Cinco
Página Cinco
BBC
AFP
Página Cinco
EFE
Da Redação
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
AFP
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
DW
Página Cinco
Da Redação
Da Redação
Página Cinco
Roberto Sadovski
Topo