PUBLICIDADE
Topo

Escritor, performer e poeta chileno Pedro Lemebel morre aos 62 anos

Ativista, performer e poeta, Lemebel escreveu ?Tengo Miedo Torero" (2001), "Zanjón de la Aguada" (2003) e "Háblame de amores" (2012)  - Divulgação
Ativista, performer e poeta, Lemebel escreveu ?Tengo Miedo Torero" (2001), "Zanjón de la Aguada" (2003) e "Háblame de amores" (2012) Imagem: Divulgação

Do UOL, em São Paulo

23/01/2015 11h28

O escritor, performer e poeta chileno Pedro Lemebel morreu nesta sexta-feira (22) aos 62 anos. Chamado pelo conterrâneo Roberto Bolaño (1953-2003) como o “maior poeta de sua geração”, Lemebel estava internado na Fundação Arturo López Pérez e lutava contra um câncer na laringe. A informação foi confirmada por amigos aos jornais locais.

Lemebel estava em estado de saúde deliciado, o que não o impediu de participar de uma homenagem ao seu trabalho durante um festival de teatro de Santiago, no ano passado.

Entre sua extensa bibliografia, estão “Tengo Miedo Torero" (2001), "Zanjón de la Aguada" (2003) e "Háblame de amores" (2012). Embora tenha visitado o Brasil em 2013, para participar do Festival Mix Brasil, nenhuma de suas obras foi publicada no Brasil.

Na década de 80, durante a ditadura de Augusto Pinochet, formou o duo artístico “Las Yeguas del Apocalipsis” (‘Os Mares do Apocalipse”, em tradução livre) e se tornou um dos nomes mais fortes nomes da contracultura chilena na época.

Homossexual, questiona as estruturas patriarcais e machistas da sociedade em suas obras. O manifesto “Hablo por mi Diferencia” (falo por minha diferença”), declamado em um ato político em Santiago, em 1986, é um marco no ativismo LGBT.

Escritor premiado – um dos últimos, o prêmio literário chileno José Donoso, dado a Lemebel por ser “cronista dos marginais” --, foi traduzido para o inglês, alemão, italiano e francês.