Livros e HQs

50 anos de Mafalda: UOL imagina do que ela reclamaria se fosse brasileira

Do UOL, em São Paulo

02/10/2014 06h00

Criada pelo cartunista argentino Quino, a menina Mafalda é um dos personagens mais celebrados nas tirinhas de jornal na América Latina. Publicada originalmente entre 1964 e 1973, na revista "Primera Plana", ela ganhou fama internacional graças a seu carisma e a uma peculiar visão de mundo.

Filha de pais de classe média, Mafalda nunca se limitou a problemas típicos da infância e levou o olhar crítico e apurado para questões econômicas e sociais de todo o planeta. Demonstrava ojeriza às desigualdades, às injustiças e à violência da mesma forma que repudiava um prato de sopa. 

Inteligente e sarcástica, ela emprestava humor único para comentar os acontecimento de sua época, marcada pela ditadura argentina. Ainda hoje, muitas de suas tiradas, recheadas de críticas social e política, permanecem atuais.

Sabendo disso, o UOL imaginou quais seriam os assuntos do Brasil atual que poderiam servir de pano de fundo para as tirinhas de Mafalda. E como ela reagiria a eles. 

Ciclofaixas

  • Imagem: Reprodução
    Reprodução
    Imagem: Reprodução

    Defensora das bikes

    Publicada em um período marcado pela forte repressão do governo Argentino, Mafalda é uma menina muito mais progressista do que reacionária. Certamente usaria de sua acidez infantojuvenil para criticar quem é contra as ciclofaixas que tomaram algumas das principais vias da cidade de São Paulo, tirando espaço dos carros. Em contrapartida, também não perdoaria os "ciclochatos".

Homofobia

  • Imagem: Divulgação
    Divulgação
    Imagem: Divulgação

    Estudando o aparelho excretor

    Mafalda não concordaria com o discurso homofóbico do candidato à presidência Levy Fidelix, que pediu que seus eleitores reprimissem a minoria homossexual. Na tirinha, ela provavelmente estaria estudando ciências, no capítulo "Aparelho Excretor". Assunto que o político, famoso pela proposta de implantar um aerotrem para resolver os problemas de mobilidade, mostrou desconhecer totalmente.

Crise de abastecimento

  • Imagem: Reprodução
    Reprodução
    Imagem: Reprodução

    Dos males, o menor

    Como boa parte das crianças, Mafalda não é lá muito afeita ao chuveiro. Sempre que pode, evita. Em sua inocência nem tão inocente assim, é bem provável que ela "declarasse" para os pais seu voto no governador e candidato à reeleição Geraldo Alckmin, na esperança de que a falta de água virasse lei em São Paulo.

Filas em exposições

  • Imagem: Reprodução
    Reprodução
    Imagem: Reprodução

    Só não mexam no castelo!

    Agitada e comunicativa, a garota argentina é conhecida também por sua impaciência. Difícil imaginá-la passando incólume às filas quilométricas das exposições em São Paulo. Ela só se irritaria mais com a ideia dos moradores do bairro Jardim Europa de criar um abaixo-assinado contra a exposição "Castelo Rá-Tim-Bum", no Museu da Imagem e do Som. Aí já é vandalismo.

Racismo no futebol

  • Imagem: Reprodução
    Reprodução
    Imagem: Reprodução

    Os vários lados da história

    Mesmo tendo certas ideias pré-concebidas, Malfada é totalmente contra o preconceito. Ficaria muitíssimo brava com os insultos racistas sofridos pelo goleiro do Santos Aranha. Crítica, também não aceitaria aqueles que querem acabar com a vida a torcedora do Grêmio que o xingou. E, de quebra, ainda questionaria a punição ao time gaúcho, que foi excluído da Copa do Brasil quando já perdia o jogo.

Eike classe média

  • Imagem: Quino/Reprodução
    Quino/Reprodução
    Imagem: Quino/Reprodução

    Merece uma colher de sopa

    Mafalda reagiria com ironia à nova vida de "classe média" do empresário Eike Batista, que mesmo em crise não abre mão de hotel cinco estrelas em Nova York e do helicóptero para ir a Angra dos Reis. Com bom coração, ofereceria a ele um pouco da sopa que sua mãe sempre servia no jantar, e que ela odiava profundamente

Mafalda 50 anos

  • Imagem: Reprodução
    Reprodução
    Imagem: Reprodução

    Comemorar pra quê?

    Mafalda fez 50 anos esta semana, mas por que comemorar? Afinal, a personagem não é publicada desde os anos 1970. O mundo melhorou desde então? A paz entre os povos é a tônica? A fome acabou? A América do Sul é um lugar mais feliz, justo e divertido para morar? Esses são alguns dos questionamentos que a cinquentona personagem provavelmente faria

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Página Cinco
Entretenimento
AFP
Da Redação
Página Cinco
EFE
do UOL
Página Cinco
Página Cinco
Da Redação
Página Cinco
Da Redação
Da Redação
Página Cinco
Página Cinco
UOL Jogos
Página Cinco
Página Cinco
Da Redação
Página Cinco
Página Cinco
Da Redação
Página Cinco
Página Cinco
UOL Jogos
Da Redação
do UOL
Página Cinco
UOL Entretenimento - Imagens
Página Cinco
EFE
Página Cinco
Blog do Barcinski
Página Cinco
UOL Jogos
Página Cinco
do UOL
Página Cinco
do UOL
Da Redação
Página Cinco
AFP
do UOL
Página Cinco
Da Redação
EFE
Página Cinco
Da Redação
Blog do Barcinski
Página Cinco
Reuters
Topo