Livros e HQs

"No Brasil, há o humor AM e DM: antes e depois do Millôr", diz ex-casseta

Montagem UOL/Divulgação
Reinaldo e Hubert, humoristas do extinto programa de TV "Casseta & Planeta" Imagem: Montagem UOL/Divulgação

Orlando Pedroso

Do UOL, em São Paulo

30/07/2014 06h00

"Millormaníacos". Assim a curadoria da Flip (Festa Literária Internacional de Paraty) apresenta Reinaldo e Hubert, membros da segunda geração do "Pasquim" e discípulos de Millôr Fernandes, cartunista carioca morto em 2012, que terá sua vida e obra celebradas no evento a partir desta quarta-feira (30), na cidade histórica de Paraty (RJ). Mais conhecida por seu trabalho à frente do humorístico "Casseta & Planeta", a dupla irá bater um papo com Jaguar, outro grande parceiros de Millôr, na mesa de abertura da Flip, que já tem ingressos esgotados.

O cartunista e blogueiro do UOL Orlando Pedroso queimou largada e conversou com Reinaldo e Hubert dias antes do início da festa. Confira a seguir os melhores momentos:

UOL – De que forma o trabalho do Millôr influenciou o trabalho de vocês?
Hubert - O Millôr escreveu na "Veja" durante anos e eu adorava ler seus textos e ver seus desenhos. Também acompanhava ele no "Pasquim". Com 12 ou 13 anos comprei o livro "30 Anos de Mim Mesmo", uma seleção do trabalho dele desde o "Cruzeiro" e, por muito tempo, foi meu livro mais manuseado, tanto que a capa acabou rasgando e eu tive que encadernar. O Millôr  foi a maior admiração por um artista que eu tive na vida. Acho que a maior influência foi a decisão, em determinado momento da vida, de ser humorista também.

Reinaldo - O Millôr foi fundamental. Quando eu era garoto via aquelas páginas dele no "O Cruzeiro" e achava impressionante... Aquela mistura de desenhos e textos, cada semana com estilos e arrumações diferentes (eu não sabia ainda o que era diagramação) era muito estimulante. Dava vontade de sair fazendo aquilo também. E esse tipo de influência continuou pela minha vida inteira... "Pif-Paf", "Pasquim" etc. Ele passava aquela sensação de liberdade total que é a base do humor com H maiúsculo.

Vocês fazem parte de uma segunda geração de humoristas do "Pasquim". Como chegaram lá?
Hubert - O pai de um amigo meu, o jornalista Luiz Lobo, que era amigo da galera do "Pasquim" me levou lá para mostrar meus cartuns. Tinha 14 anos.

Reinaldo - Cheguei a pé. Eu morava perto da redação do "Pasquim", que era na ladeira Saint Roman, em Copacabana. Meus irmãos me estimularam a ir lá mostrar meus desenhos. Nunca tinha publicado nada, mas dei sorte. Jaguar e Ziraldo me receberam e gostaram muito. Publicaram logo uma página inteira e eu passei a mandar cartuns toda semana. Depois comecei  a frequentar a redação, fazer ilustrações etc. Mais tarde, fui um dos editores... Comecei em 1974 e só saí de lá em 1985.

A produção do Millôr é absurda em volume e qualidade. Onde vocês o colocariam na história do humor no Brasil?
Hubert - Acho que no Brasil existe o humor AM (Antes do Millôr) e o humor DM (Depois do Millôr).

Reinaldo - Se fizermos, em desenho animado, um gráfico da história do humor no Brasil, aquela linha vermelha que estava indo reta e lenta lá na parte de baixo,  nos anos 50 e 60, faria um rápido zig-zag bem para o alto e continuaria lá em cima até hoje... Esse zig-zag para o alto é o "efeito Millôr".

E onde o humorista e o intelectual se encontravam?
Hubert - No começo da carreira, o Millôr fazia  um humor mais preocupado em fazer rir. Com o tempo foi mudando para um tipo de humor que faz pensar. Um intelectual que fazia humor ou um humorista intelectual? Sinceramente não sei. Aliás, a melhor definição era o seu slogan "enfim um escritor sem estilo".

Reinaldo - Ele nem gostava muito de ser chamado de intelectual, dizia que quem tem "obra" é pedreiro, essas coisas... Uma atitude típica de humorista, que não gosta de se levar muito a sério. Mas é claro que, mesmo sendo engraçado, ele era mais profundo que muito intelectual acadêmico e metido a importante.

Vocês tinham relações pessoais com ele? Achavam ele um cara difícil?
Hubert - Quando já era um colaborador mais regular do "Pasquim", com uns 19 ou 20 anos, o Millôr, através do Jaguar, me pediu para editar, diagramar e ilustrar artigos já publicados na "Veja" para um jornal de Portugal. Fiz esse trabalho pra ele por dois anos e ele sempre me tratou com respeito e carinho. Mas não posso dizer que realmente conheci o Millôr. Conversei  algumas vezes com ele, quer dizer, fiquei ouvindo ele falar sem parar, sempre muito inteligente e dizendo coisas brilhantes e engraçadas .

Reinaldo - Eu não era tão íntimo do Millôr pra poder achar a convivência difícil. Comigo ele sempre foi gente boa. Sempre me deu força e até escreveu a contracapa do meu primeiro livro.

O Millôr conseguiu criar um certo folclore em torno de si. Frescobol, corridas na praia, intransigência com políticos e com publicações. O quanto disso vocês acham verdade?
Hubert - O personagem que ele criou para si era ele mesmo .

Reinaldo - Acho que é tudo verdade, menos o lance de que ele inventou o frescobol... Deve ter sido uma criação coletiva. Mas é claro que ele foi um dos primeiros a praticar o esporte e um dos que mais ajudou a divulgar.

Qual livro dele vocês destacariam?
Hubert - "30 Anos de Mim Mesmo", o "Livro Vermelho dos Pensamentos do Millôr" e o livro de desenhos dele que foi editado pelo próprio filho, Ivan Fernandes.

Reinaldo - Meu livro preferido e o que mais me marcou foi o "30 Anos de Mim Mesmo", uma antologia que ele lançou nos anos 70, com várias explicações e comentários sobre muitos dos textos.

Millôr sempre teve seu trabalho reconhecido. O que acrescenta ele estar sendo homenageado num evento como a Flip?
Hubert - Acho que a obra do Millôr é universal veio pra ficar. Sua obra é de alto nível em  todas as suas versões: jornal, cartuns, teatro, traduções etc. Não conheço frasista melhor que ele. Perto dele Oscar Wilde e Bernard Shaw ficam no chinelo . Millôr nunca perdeu seu prestígio mas nos últimos anos pouco se falava dele. A homenagem da Flip vem em boa hora.

Reinaldo - Vai ser bom para mostrar que literatura boa não tem que ser necessariamente grave, solene e "séria", no mau sentido. E o fato do Millôr ser um escritor-desenhista mostra que a combinação de texto e desenho é uma forma de linguagem com muitos recursos e pode muito bem estar presente numa festa literária.

Ele era ateu e não acreditava na vida eterna. Se ele estivesse errado e sentado numa nuvenzinha vendo esse movimento todo, o que vocês acham que ele diria?
Hubert - Acharia ridículo, certamente.

Reinaldo - Eu sei o que diria. Aliás, ele não diria, porque ele não estava errado: neste momento ele não está sentado numa nuvenzinha, ele está bem morto. O que eu sei é que ele não dava a menor importância ao que diriam dele depois de morto... Para nós, o importante é que a "obra" do "pedreiro" Millôr está aí...

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Página Cinco
Página Cinco
AFP
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
DW
Página Cinco
Da Redação
Da Redação
Página Cinco
Roberto Sadovski
Página Cinco
EFE
Página Cinco
EFE
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Da Redação
BBC
BBC
Página Cinco
UOL Música
Página Cinco
do UOL
UOL Jogos
EFE
Página Cinco
AFP
Página Cinco
do UOL
UOL Jogos
EFE
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
AFP
Página Cinco
EFE
AFP
BBC
Página Cinco
UOL Jogos
UOL Jogos
Página Cinco
AFP
Página Cinco
do UOL
Topo