! Filósofo russo Bakunin é suspeito para polícia; conheça o pai do anarquismo - 29/07/2014 - UOL Entretenimento

Livros e HQs

Filósofo russo Bakunin é suspeito para polícia; conheça o pai do anarquismo

Reprodução
O filósofo russo e teórico do anarquismo Mikhail Bakunin Imagem: Reprodução

Rodrigo Casarin

Do UOL, em São Paulo

29/07/2014 14h38

Ele aparece sempre com um blazer surrado, que casa bem com a grande barba grisalha e desgrenhada. A testa se estende praticamente até a metade da cabeça, de onde surgem os longos e bagunçados cabelos que lhe restam. O olho direito costuma estar mais fechado do que o esquerdo. Aparenta uma idade avançada; pode ser visto apenas em fotos em preto e branco.

Segundo a professora universitária Camila Jourdan, que esteve presa recentemente acusada de organizar e participar de ações violentas em protestos no Rio de Janeiro, esse homem também está sendo investigado pela polícia. Desconfiam que Mikhail Bakunin possa ser uma ameaça à sociedade, ainda que tenha nascido em 1814 e esteja morto há mais de século.

De acordo com reportagem da Folha de S.Paulo, Jourdan é uma das protagonistas do inquérito com mais de 2.000 páginas produzido pela Polícia Civil do Rio, que, sob classificação de "quadrilha armada", responsabiliza 23 pessoas pela organização de ações violentas em protestos. Segundo ela, em mensagens interceptadas pela polícia, Bakunin foi citado por um manifestante e, a partir daí, passou a figurar nos autos como potencial suspeito. Mas, afinal, quem é ele?

Bakunin nasceu na Rússia, no dia 30 de maio de 1814, mas foi com base na obra do filósofo alemão Friedrich Hegel que começou a formular suas ideias. Em suas andanças pela Europa, organizou movimentos de trabalhadores na Suíça e Itália e se tornou, ao lado de Karl Marx, um dos personagens mais influentes do pensamento e das ações esquerdistas na segunda metade do século 19. Foi em 1867 que, pela primeira vez, declarou-se abertamente anarquista, assumindo uma posição contrária à de Marx, e defendendo, diferente dos comunistas, uma sociedade sem governo.

A partir daí, Bakunin ajudou a formatar uma ideologia que não é sinônimo de baderna, desorganização e destruição, mas sim uma doutrina de esquerda, socialista, essencial na história das lutas sociais dos últimos 150 anos. "O anarquismo precisa ser melhor estudado e conhecido, porque a falta de seu conhecimento dificulta muitas explicações para esses fenômenos contemporâneos", diz Felipe Corrêa, pesquisador do Itha (Instituto de Teoria e História Anarquista) e que, ainda neste ano, lança o livro "Teoria Bakuniniana do Estado".

A explosão dos protestos de rua no país em junho do ano passado trouxe de volta ao vocabulário do brasileiro a expressão anarquia. Hoje facilmente associado a pichações punk, máscaras do anti-herói dos quadrinhos de "V de Vingança" e imagens de encapuzados quebrando vidraças de "símbolos do capitalismo" na Avenida Paulista afora, o uso do termo nem sempre remete ao que pensou Bakunin. Ainda assim, Corrêa diz que movimentos como Passe Livre e Black Bloc possuem significativa influência anarquista, bem como grupos sindicais, de sem terra, sem teto, comunitários e estudantis, dentre outros.

Os chamados Black Bloc --que, na verdade, não se colocam como um movimento, mas como uma tática de atuação em manifestações de rua-- são avessos às entrevistas e preferem não revelar suas identidades. Contudo, em conversa informal, assumem que o grupo é composto por pessoas de linhas ideológicas diversas, mas que o anarquismo é uma das mais populares entre eles, sendo que Bakunin é um dos pensadores que fazem mais sucesso entre os militantes.

Uma utopia presente

Não foi Bakunin quem criou o anarquismo, mas, ao lado de outros pensadores, como Piotr Kropotkin, seu conterrâneo, deu forma aos ideais que nortearam movimentos e lutas sociais de sua época. A transformação dessas ideias em textos, posteriormente reunidos em livros como "Textos Anarquistas", "Deus e o Estado" e "O Princípio do Estado e Outros Ensaios", foi essencial para que a ideologia pudesse ser difundida, crescesse, espalhasse pelo mundo e se mantivesse viva com o passar do tempo.

Segundo Corrêa, os anarquistas defendem uma sociedade que viva em condições de igualdade e liberdade, na qual as pessoas tenham ampla participação nas decisões a serem tomadas e que a propriedade privada e o poder político sejam socializados. Mas ele se queixa daqueles que usam a ideologia baseando-se no senso comum e nas afirmações de adversários políticos, sem respaldo em pesquisas históricas. "Mesmo entre os simpatizantes, há muitos problemas metodológicos nos estudos do anarquismo. Isso explica a dificuldade de compreensão de diversos episódios históricos e contemporâneos".

Essa ideologia, no entanto, é vista como utopia por parte de seus críticos, que dizem ser impossível uma sociedade existir sem que haja alguma forma de governo, sem que a completa ausência do estado não descambe, uma hora ou outra, em barbárie. O próprio Marx considerou a visão ingênua como a maior fraqueza do anarquismo.

João Pereira Coutinho, escritor conhecido pela sua posição direitista, autor de "As Ideias Conservadoras" e coautor de "Por que Virei à Direita", dentre outros, e colunista da Folha de S.Paulo, diz simpatizar intelectualmente com a ideologia por ela se opor à coerção e à autoridade, mas aponta o quanto essas ideias parecem possíveis apenas no plano ideal. "O problema é a dimensão utópica que o anarquismo transporta, ao acreditar que o estado, mais do que uma prevenção de males possíveis, é ele próprio o mal absoluto. Não tenho essa visão (pessimista) sobre o estado nem a visão (otimista) sobre os homens sem ele".

$!$render-component.split('/')[$math.sub($render-component.split('/').size(), 1)]

Coutinho diz que, ao ver alguém se dizer anarquista, duas imagens se formam em sua cabeça: um terrorista que procura destruir organizações políticas, figura popularizada na literatura do escritor Joseph Conrad, e uma outra mais moderada, de pessoas que optam pela resistência pacífica, como Henry Thoureau (ativista estadunidense autor de "Desobediência Civil") e Mahatma Gandhi.

Sobre a ideologia nos dias de hoje, o escritor a aponta como intermitente, que "se manifesta sobretudo em atitudes de desafio ao poder estabelecido". É nessa atitude que encontramos a clara influência do anarquismo em movimentos como o Passe Livre e o Black Bloc, organizações com poder descentralizado, que, em alguns momentos, utilizam a desobediência civil como meio para atingir seus objetivos.

Dentre as ações possíveis, estão atrapalhar o trânsito e os ataques contra símbolos do estado e do poder, como os bancos, o que não é interpretado como violência por parte dos praticantes --o próprio Bakunin entendia que a violência só existe quando feita a um ser humano--, mas sim um ato performático e de forte interesse midiático, o que atrai a atenção para as causas defendidas.

Entretanto, o anarquismo não é a única ideologia presente nesses grupos. "Nem todos os participantes de black blocs são anarquistas autodeclarados. No Egito, por exemplo, podem ser ativistas políticos, torcedores de futebol ou fãs de bandas de heavy metal", escreve o cientista político canadense Francis Dupuis-Déri no livro "Black Bloc". Correntes de pensamento como o comunismo e o autonomismo também costumam nortear integrantes desses movimentos.

O anarquismo na história

Em seus trabalhos, Bakunin encaminhou as ideias em cima de três elementos, explica Corrêa. O primeiro, um método para se analisar a sociedade de acordo com as necessidades humanas e suas mudanças. O segundo é a crítica ao capitalismo, ao Estado e à religião. Por fim, propôs uma estratégia revolucionária: a articulação e união de trabalhadores e anarquistas. A partir disso, a ideia principal é que o próprio povo substitua o Estado, criando uma sociedade federalista que seja a responsável pela sua própria gestão.

E esse a luta pela implantação do anarquismo já rendeu momentos importantes ao longo da história. O mais famoso é a Revolução Espanhola, na qual grupos que seguiam a ideologia se juntaram a outros agrupamentos revolucionários para combater o fascismo, em uma resistência que desencadeou a Guerra Civil Espanhola, que durou de 1936 a 1939. Houve também participação decisiva de organizações anarquistas nas revoluções mexicana, a partir 1910, ucraniana, desde 1917, e da Manchúria, com início em 1929.

Corrêa ainda indica outros momentos em que os ideais anarquistas foram importantes. "[O anarquismo] teve respaldo de movimentos amplos, contando com milhares, algumas vezes milhões de pessoas, em situações como as Revoltas Cantonalistas na Espanha, em 1873, a Central Labour Union e todo o movimento dos Mártires de Chicago, que culminou no estabelecimento do Primeiro de Maio, em 1886, o sindicalismo de intenção revolucionária em Cuba e na Argentina, a Revolta da Macedônia, em 1903, dentre outros".

Coutinho também aponta para um relevante momento histórico com influências do anarquismo. "Quando Rosa Parks, no sul profundo dos Estados Unidos, se recusou a ceder o seu lugar a um branco, precipitando a luta pelos direitos civis (e a emergência de Martin Luther King, um apurado leitor de Thoreau), a história mudou".

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Página Cinco
Página Cinco
AFP
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
DW
Página Cinco
Da Redação
Da Redação
Página Cinco
Roberto Sadovski
Página Cinco
EFE
Página Cinco
EFE
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Da Redação
BBC
BBC
Página Cinco
UOL Música
Página Cinco
do UOL
UOL Jogos
EFE
Página Cinco
AFP
Página Cinco
do UOL
UOL Jogos
EFE
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
AFP
Página Cinco
EFE
AFP
BBC
Página Cinco
UOL Jogos
UOL Jogos
Página Cinco
AFP
Página Cinco
do UOL
Topo