Topo

Entretenimento

São Paulo leva literatura da periferia à Feira do Livro de Buenos Aires

Daniel Guimarães/Folhapress
Reginaldo Ferreira da Silva, o Ferréz, um dos representantes da literatura da periferia de São Paulo que vai a Buenos Aires Imagem: Daniel Guimarães/Folhapress

Guido Carelli Lynch

Do Clarín, em Buenos Aires

24/04/2014 15h34

A língua é o muro impenetrável que separa o Brasil do resto do continente. É uma barreira mais forte que os interesses econômicos protecionistas que de vez em quando afloram deste lado da fronteira ou do outro.

Dificilmente a participação de São Paulo como cidade convidada de honra na 40ª Feira do Livro de Buenos Aires será suficiente para derrubar esse muro, mas a comitiva de escritores, sociólogos, músicos e editores paulistas servirá talvez para erguer uma ponte entre as duas cidades com mais oferta cultural da América do Sul.

A proposta da megalópole brasileira é variada e inclui autores consagrados como o multimídia Arnaldo Antunes –o mais conhecido pelos hermanos–, Marçal Aquino ("Eu Receberia as Piores Notícias dos Seus Lindos Lábios"), Andréa del Fuego ("Os Malaquias") ou Ricardo Lísias.

Mas o foco estará no que os próprios paulistas e agitadores culturais brasileiros chamam de “cultura periférica” e “literatura marginal”. Trata-se de um grupo de autores que, em sua maioria, vive em favelas ou zonas marginais da cidade e que ganharam visibilidade nos saraus, o fenômeno de grupos que recitam poesia (com ou sem música) e que explodiu primeiro nos bairros mais pobres da cidade, entre 2001 e 2002, e se espalhou pelo resto do Brasil e dos outros setores sociais. Reginaldo Ferreira da Silva, mais conhecido como Ferréz, o nome com o qual se transformou em best–seller, é a cara mais conhecida desses grupos.

O autor de "Manual Prático do Ódio" será sem dúvida um dos pontos fortes da feira: tem discurso e uma literatura potente. Dias atrás, em São Paulo, ele disse ao "Clarín" que “os autores brasileiros da classe média estão deprimidos, só pensam no rivotril”. Essa tensão subjacente também virá a Buenos Aires. Ferréz compartilhará mesa com outro escritor consagrado, Marcelino Freire, autor de "Contos Negreiros", e também emergente da literatura marginal, que afirma: “a grande maioria dos autores do mainstream torcem o nariz para os que vêm da periferia”.

Festivos e catárticos, próximos do hip–hop, 15 dos 150 grupos de saraus que convivem em São Paulo virão à Feira. “O que se buscou foi inverter o tradicional: colocar a periferia no centro e o mais consagrado na periferia", explica Luiz Bagolin, diretor da Biblioteca Mário de Andrade, a segunda mais importante do Brasil, e o grande responsável pela coordenação da programação paulistana.

São Paulo terá um stand próprio no pavilhão amarelo da Rural, com uma superfície de 144 metros quadrados. A decoração estará a cargo do coletivo JAMAC, coordenado por Mônica Nador, artista importante na cena de São Paulo, que trocou a pintura pelo aerossol e os museus pelos projetos sociais e artísticos na rua. Seus enormes quadros de seis metros de comprimento por 1,5 metro de largura envolverão o stand. A pesquisadora argentina Lucía Tennina apresentará ali sua nova antologia de saraus.

A programação brasileira, porém, não se limitará ao edifício da feira. O Malba, o cine Gaumont e até a discoteca Niceto terão shows e apresentações.

A única ironia é que, com tamanha aposta pela integração regional, as restrições alfandegárias não permitirão a entrada no país de um grande volume de livros brasileiros, como avisou Juca Ferreira, secretário municipal de Cultura. Por enquanto, será preciso se contentar com os autores.

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento