Topo

Entretenimento

Gabriel García Márquez, o professor

Socorro Acioli*

Especial para o UOL

18/04/2014 11h52

Durante os anos de 1986 e 2006, Gabriel García Márquez dedicou algumas semanas de sua vida, geralmente em dezembro, para sentar-se em uma sala de aula com jovens escritores de vários países da América Latina e ensinar os segredos do ofício, que ele chamava de “a bendita mania de contar". 

As aulas aconteciam na Escuela de Cine y TV de San Antonio de Los Baños, em Cuba, e eu tive a imensa sorte de ser a única brasileira da última turma da oficina "Como contar um conto", conduzida pelo mestre disposto a compartilhar, sem cobrar nada dos alunos, sua valiosa experiência como ficcionista.

Na manhã do dia 4 de dezembro de 2006, por volta das nove e meia, estávamos todos sentados na sala, aguardando a primeira palavra de García Márquez para o começo dos trabalhos. Ele foi breve: “Bom dia. Eu não estou aqui para falar e sim para escutar. Contem as suas histórias”.

García Márquez estava ali para nos escutar e ajudar. Era quase inacreditável. Sua generosidade era movida por um sentimento de missão: ele queria colaborar para que nós, jovens autores latino-americanos, contássemos as histórias do lugar de onde viemos.

Cada aluno deveria apresentar um projeto de texto a ser desenvolvido, e o meu foi o esboço de roteiro de cinema intitulado “A Cabeça do Santo”, que em 2014 foi publicado em forma de romance (mudei de ideia) pela editora Companhia das Letras.

$escape.getH()uolbr_geraModulos('embed-citacoes','/2014/gabriel-garcia-marquez-1397843153611.vm') O texto conta a jornada de um personagem miserável, no sertão do Ceará, onde nasci, que entra por acaso em uma cabeça oca, gigantesca e inacabada de uma estátua de Santo Antônio, cujo corpo estava no alto de um morro por perto,  e começa a ouvir as orações das mulheres para o santo, pedindo casamento. Não tivemos tempo de terminar o texto durante a oficina, mas ele me fez prometer que terminaria. Levei oito anos trabalhando nisso, mas cumpri a promessa.

Uma das coisas mais importantes que aprendi nessa oficina com García Márquez foi a certeza de que o artista, o escritor, deve entender exatamente o lugar de onde fala, em qual idioma escreve, sob quais condições, diante de quais injustiças, sobre os escombros de quais misérias. Um escritor precisa saber quem é e construir sua própria voz.

Foi com esse sentimento de afirmação de sua identidade que García Márquez compareceu à entrega do Prêmio Nobel em dezembro de 1982 vestindo o liquiliqui, um tradicional traje de linho branco usado pelos camponeses do norte da Colômbia e da Venezuela. O protocolo da Academia de Letras e Artes da Suécia determina que os laureados usem fraque ou, em casos especiais, uma vestimenta que represente algum aspecto cultural de seu país.

Sobre a roupa branca, um quase buquê de rosas amarelas afastava la pava -- como é chamada a falta de sorte, no Caribe. E assim, vestido como um caribenho, ele recebeu o maior prêmio de literatura do mundo.

O que ele queria de nós, seus alunos, é que fôssemos honestos com nossa própria identidade e com a história do nosso continente sofrido.
Desde o final da oficina, em 2006, não há um dia sequer em que eu escreva qualquer coisa sem lembrar dessa e tantas lições que aprendi com o mestre.

No dia de sua morte, faço questão de relembrar o homem imensamente generoso que Gabriel García Márquez foi ao dedicar-se ao ensino da narrativa para jovens iniciantes ao longo de vinte anos. E guardo como um amuleto de força e coragem, a sorte de ter feito parte disso. 

´* Socorro Acioli é jornalista, Doutora em Estudos de Literatura pela Universidade Federal Fluminense. O livro iniciado na oficina de Gabriel García Márquez, “A cabeça do Santo”, foi publicado em Fevereiro de 2014, oito anos depois, pela editora Companhia das Letras. 

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento