Topo

Entretenimento

Artista alemão narra últimos dias do "quinto Beatle" em quadrinhos

Divulgação/8Inverso Graphics
Capa da graphic novel "Baby´s in Black - O Quinto Beatle", que conta a história de Stuart Sutcliffe Imagem: Divulgação/8Inverso Graphics

James Cimino

Do UOL, em São Paulo

02/02/2013 07h15

Antes de alcançarem o estrelato, os Beatles, como toda banda em início de carreira, fizeram de tudo para mostrar seu trabalho. Em outubro de 1960, a fotógrafa alemã Astrid Kirchherr os conheceu em Hamburgo, tocando no palco de em um inferninho de marinheiros chamado Kaiserkeller, e morando nos camarins de um cinema abandonado. Ela acabou tendo um romance com Stuart Sutcliffe, um artista plástico escocês que, naquela época, abandonara os estudos para tocar com aqueles que se tornariam o famoso quarteto de Liverpool.

Esse romance serviu de base para uma graphic novel do alemão Arne Bellstorf, chamada “Baby´s in Black, o quinto Beatle: a história de Astrid Kirchherr e Stuart Sutcliffe”, que acaba de chegar ao Brasil e que reconta em quadrinhos esse período não muito conhecido da trajetória da banda e os últimos dias de Stu, morto em 1962 devido a uma hemorragia cerebral.

Com delicadeza, economia de palavras e um discreto degradê feito com nanquim e giz de cera preto, Bellstorf consegue dar ao leitor menos fanático pela banda o mesmo interesse que o levou a desenhar a história e recriar a atmosfera underground do bairro hamburguês de St. Pauli no período entre o fim da Segunda Guerra Mundial e o acirramento da Guerra Fria, que levaria à construção do muro de Berlim.

Em entrevista à revista “Rolling Stone”, o artista conta que a história pôde ser reproduzida em imagens graças a entrevistas concedidas por Astrid, que ainda vive em Hamburgo. "Eu li muita coisa sobre ela e Stuart e só então fui descobrir que os Beatles tinham começado a carreira em Hamburgo. Até 2007 eu não tinha a menor ideia disso.”

Além de Paul McCartney, George Harrison, John Lennon e o baterista Pete Best (Ringo ainda não tinha entrado para a banda), mostra outro personagem importante daquele período: Klaus Voormannn, responsável peloo encontro de Astrid com Stu (era assim que John Lennon e os outros se referiam a Stuart). Voormann também era artista plástico, mas acabaria se tornando músico. Além de ter tocado com os integrantes dos Beatles após sua separação, além de outros músicos famosos como Carly Simon e Lou Reed. No entanto, nunca abandonou seu trabalho como artista plástico. Uma de suas criações mais famosas foi a capa do álbum “Revolver” (1966).

“Baby´s in Black, o quinto Beatle: a história de Astrid Kirchherr e Stuart Sutcliffe” foi publicado originalmente na Alemanha em 2010 e, desde então, ganhou edições na Espanha, Itália, Holanda, Inglaterra, Reino Unido, França, Dinamarca e Estados Unidos. O livro ocupou o sétimo lugar na lista de campeões de venda, categoria graphic novel, do jornal “The New York Times”. A edição brasileira vem com três opções de capa e tem um posfácio escrito pelo jornalista, músico e radialista de Santa Maria (RS), Márcio Grings.

____________________________________________________________________________________________________

Título: “Baby´s in Black, o quinto Beatle: a história de Astrid Kirchherr e Stuart Sutcliffe”
Autor: Arne Bellstorf
Tradução: Augusto Machado Paim e Cássio Pantaleoni
Preço: R$ 51,00
Páginas: 208
 

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento