Topo

Entretenimento

Sem concessões, biografia de Gianecchini aborda câncer, homossexualidade e bastidores

Reprodução / Twitter
O ator Reynaldo Gianecchini publicou foto em seu perfil no Twitter mostrando a biografia "Giane: Vida, Arte e Luta", escrita pelo jornalista Guilherme Fiúza (26.nov.2012) Imagem: Reprodução / Twitter

Carlos Minuano

Do UOL, em São Paulo

03/12/2012 14h04

Um mês e meio para apurar a história e pouco mais de dois meses para escrever. Foi esse o tempo para o jornalista Guilherme Fiuza concluir a biografia "Giane - Vida, Arte e Luta", que chega às lojas nesta segunda-feira (3). "Foi um prazo insano", disse ao UOL o jornalista, autor do best-seller "Meu Nome Não é Johnny". "No final eu estava dormindo três horas por noite", contou.

O livro destaca a luta de Reynaldo Gianecchini contra um câncer e conta a trajetória do ator, da infância tranquila e casta em Birigui, no interior de São Paulo, ao meteórico sucesso como galã nas novelas da TV Globo. "É o personagem mais forte e com a vida mais incrível sobre o qual já escrevi. Acredito que o público vá conhecê-lo de verdade agora", afirmou Fiuza.

  • Reprodução

    Capa do livro "Giane - Vida, Arte e Luta", do jornalista Guilherme Fiuza

O tema em foco é a doença e a vitória sobre ela, por isso a urgência no lançamento da "empreitada biográfica com prazo jornalístico", explica o autor. "Achamos que o livro deveria sair este ano pela cura de Giane [como o ator é chamado por amigos] e por ser o momento de sua volta a TV" --atualmente, Gianecchini vive o motorista e caipira apaixonado Nando, no remake de "Guerra dos Sexos" na Globo. "É o ponto que fecha o ciclo da história que eu queria contar, porque felizmente a vida continua e daqui para frente é outra fase e outra história".

Fiuza não poupou elogios ao ator, a quem descreve no livro como "uma pessoa rara, passageiro de uma trajetória surpreendente". Segundo ele, Gianecchini tem aspectos que quase ninguém conhecia. "Acho que o leitor vai se surpreender com vários traços pessoais dele, é um cara profundamente engraçado, tem um humor sacana e inteligente sobre si mesmo. É bem divertido quando ele fica zangado com a própria doçura, inconformado de não saber dizer não às pessoas", contou.

Ao mesmo tempo, é interessante como Gianecchini parece predestinado, disse Fiuza. "Em várias ocasiões que ele não soube dizer 'não', o 'sim' era o caminho certo". Um caso exemplar citado no livro é o da novela "Esperança", que o ator não queria fazer, papel que depois se tornou importante artisticamente na carreira dele.

Fiuza contou que ficou impressionado com a capacidade do ator, de reflexão sobre si e sobre a vida, algo que não surgiu com a batalha da doença. "Ele tem isso desde menino, uma consciência muito forte e uma sensibilidade fora do comum", ressaltou o jornalista. "Aos sete anos de idade já sabia que ia rodar o mundo e logo avisou os pais, isso numa cidade e numa família onde ninguém tinha uma trajetória desse tipo".

Guiados pelo bom senso
Por outro lado, não há concessões no livro, garantiu o jornalista. A proposta foi falar de tudo, o norte e o limite seriam o bom senso. Gianecchini topou a premissa no ato, e só por isso teve o direito de ler o texto antes da publicação, e mesmo assim, segundo o autor, ele não pediu para mudar uma vírgula. "Antes de iniciarmos o projeto, eu disse ao Giane que ele é um exemplo, mas que não me interessava contar a história de um exemplo. Queria contar a história de um indivíduo, especialíssimo sem dúvida, mas com os conflitos e os pontos desconfortáveis de todo ser humano".

Coube tudo. Até os rumores sobre a homossexualidade, que ele nega no livro, sem entrar muito em detalhes. A boataria teria começado, segundo o global, durante um romance com uma mulher casada, que para ocultar a suposta "pulada de cerca" disse ao marido que ele era gay. O livro cita ainda outras fofocas, como o caso que teria tido com o filho caçula da jornalista Marília Gabriela, com quem ele teve oficialmente um romance de oito anos.

"Uma versão recuaria até os tempos de modelo de Giane em Paris, sustentando que, para entrar no tal triângulo familiar, ele abandonara um amante francês", escreveu Fiuza. O episódio mais recente é um imbróglio envolvendo o empresário Daniel Mattos. O ex-administrador do escritório de Gianecchini afirma que teve um 'affair' com o ator, e que teria ganhado dele um apartamento. O imbróglio, também abordado na biografia, tornou-se um processo que corre em segredo de justiça. 

Reynaldo Gianecchini
Reynaldo Gianecchini
$escape.getHash()uolbr_tagAlbumEmbed('tagalbum','15094', '')

Gargalhadas e lágrimas
De acordo com a editora de "Giane", no dia em que foi anunciado o lançamento da biografia, o twitter do ídolo bombou com mensagens de milhares de fãs interessados no livro. Qual a fórmula do sucesso? "Era uma pergunta que eu me fazia no primeiro instante desse projeto", respondeu Fiuza. Para ele, os componentes são muitos, e afirma que o livro responde a questão. E dá uma pista: "A originalidade, da qual ele jamais se afastou, mesmo quando o fez sofrer". "Esperem gargalhadas e lágrimas", adianta o autor aos leitores.

O caminho para responder tantas questões não foi nada fácil, afinal, quase todos os personagens importantes do livro são pessoas célebres. "Estamos falando do universo da televisão", justifica o jornalista. "São atores, atrizes, autores, diretores e 12 anos de carreira de Gianecchini que mostram um pedaço expressivo da TV Globo, pela quantidade de produções de que ele participou". Ele destaca Marília Gabriela, Claudia Raia, Mariana Ximenes, Carolina Dieckmann, Manoel Carlos e Silvio de Abreu.

Levando em consideração a tarefa, conversar com pessoas muito ocupadas num período curto, dá pra concluir que não faltou sorte ao jornalista. "Era sempre difícil marcar as entrevistas. Conversei com a Claudia Raia no bastidor do teatro Oi Casagrande (no Rio), e ela praticamente saiu da minha frente para entrar em cena", relembra. A sorte, explica Fiuza, foi receber histórias incríveis das fontes e personagens, dadas durante um tempo que não tinham.

Muitas dessas histórias somente agora são contadas. É o caso dos problemas que Gianecchini teve durante o tratamento, sem relação com o câncer, mas quase fatais. Em agosto de 2011, durante a colocação de um cateter por onde seria feita a quimioterapia, a veia cava (acima do coração) foi perfurada acidentalmente pela própria sonda, provocando uma forte hemorragia na região torácica e queda brusca de todas as funções vitais do ator. "Ele correu risco de vida", ressalta Fiuza.

Poucos meses depois, outro imprevisto sério. Uma infecção pulmonar grave causada por um fungo raro impediu Gianecchini de fazer o transplante de medula previsto para aquele mês. Logo em seguida, em janeiro, após o transplante, mais um baque forte quase derrubou de vez o galã. O vilão desta vez se chamava Síndrome de Pega (problema raro que acomete cerca de 2% dos pacientes), que causa febre alta e perda de oxigênio. O quadro se agravou por ocorrer num momento em que Gianecchini não tinha imunidade, diz Fiuza. "O médico Vanderson Rocha ficou acordado 48 horas seguidas até conseguir descobrir o que se passava para poder salvá-lo".

Fatos curiosos (e bem menos densos) acompanharam também a frenética produção do livro, revela o jornalista. Ele precisava ouvir uma personagem importante na história recente do galã global. Célia Forte, produtora da peça Cruel, na qual Gianecchini fazia um vilão --participação interrompida pela doença. Mas elementos fortuitos pareciam jogar contra a entrevista. "No único tempo que ela tinha entre as estreias de três peças, minha editora não conseguiu nenhum voo, e estávamos em cima da hora", recorda.

O (desesperado) jornalista não tinha outra saída. "Peguei meu carro, dirigi até São Paulo, entrevistei a Célia, entrei de novo no carro e voltei para o Rio". Mas o curioso ainda estava por vir. "Depois disso fiquei dois meses e meio escrevendo, isolado, e quase no fim, quando fui escrever a parte da Célia, levantei às 3 da manhã, liguei o computador, sentei e quando ia escrever a primeira palavra entrou um e-mail: era a Célia Forte, alta madrugada, três meses depois, só para perguntar se estava tudo bem".

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento