Topo

Entretenimento

Ministra da Cultura Marta Suplicy lamenta morte do poeta Décio Pignatari

 Rubens Thomé Speltz
Décio Pignatari morreu neste domingo em São Paulo aos 85 anos Imagem: Rubens Thomé Speltz

Do UOL, em São Paulo

03/12/2012 16h22

A ministra da Cultura Marta Suplicy divulgou nota nesta segunda-feira (3) para lamentar a morte do poeta Décio Pignatari, que não resistiu após quadro de insuficiência respiratória na manhã de domingo. O escritor estava internado no Hospital Universitário da USP desde sexta-feira, segundo a assessoria de imprensa do local. Pignatari era portador da doença de Alzheimer e faleceu aos 85 anos.

Marta Suplicy comenta que, com a morte, o Brasil perdeu um de seus "mais combativos e inventivos artistas". Além de destacar o papel do poeta na arte brasileira -- Pignatari era um dos principais nomes brasileiros do Concretismo --, a política também o papel de divulgação da cultura exercido pelo escritor enquanto vivo.

"Através de Décio, os brasileiros conheceram a obra de grandes gênios da literatura mundial em traduções que recriavam os textos com a autoridade de quem domina muito amplamente nossa língua, a literatura e a história", argumenta a ministra. "Muitas das inovações de Décio ainda estão à frente de nosso tempo, por isso ele nunca deixará de ser lembrado quando quisermos entender o presente e vislumbrar o futuro."

Além de poeta, Décio era ensaísta, tradutor e um dos grandes nomes da poesia concreta, ao lado de Augusto e Haroldo de Campos. O seu sucesso iniciou nos anos 50 com recursos visuais, fragmentação das palavras para suas obra e publicou seu primeiro livro "Carrossel".

Em 1965, editou a as revistas Noigandres e Invenção e publicou a “Teoria da Poesia Concreta”. Já em 1968, traduziu obras de Marshall McLuhan e publicou o ensaio “Informação, Linguagem e Comunicação”. Como tradutor, também fez obras de Dante Alighieri, Goethe e Shakespeare, entre outros, reunidas em "Retrato do Amor quando Jovem”.

Em 1983 e 1987, o poeta foi colunista da Folha. No ano seguinte, publicou “O Rosto da Memória”. Já em 1992, fez o romance “Panteros” (1992), além de uma obra para o teatro, “Céu de Lona” Em 2009, lançou "Bili com Limão Verde na Mão”.

Repercussão

A notícia da morte do poeta fez com que jornalistas e famosos se manifestassem com palavras de pesares. Leia abaixo a repercussão:

"o lobisomem" – décio pignatari (1927–2.12.2012) in memoriam
Gilberto Gil, cantor

Agora ele é poesia abstrata... #RIP poeta concretista.
Jean Wyllys, deputado federal

Além de poesia, das pesquisaa e das aulas Décio Pignatari deu uma passadinha pelo cinema participando do excelente Sábado do Ugo Giorgetti.
Laurindo Lalo Leal, jornalista

Triste
Fafá de Belém, cantora

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento