Entretenimento

Exposição sobre impressionismo abre no Rio e quer bater recorde de público

AgNews
A atriz Fernanda Montenegro visita o CCBB para estreia da exposição "Impressionismo: Paris e a Modernidade", com obras Museu D'Orsay, no Rio de Janeiro (22/10/12) Imagem: AgNews

Fabíola Ortiz

Do UOL, no Rio de Janeiro

22/10/2012 22h34

Pela primeira vez, o Museu d’Orsay, um dos mais visitados do mundo e detentor da maior coleção impressionista, traz ao Rio de Janeiro obras seletas de artistas impressionistas em exposição que quer bater seu record de público e ultrapassar a meta de 300 mil visitantes em quase três meses de exposição.

Vinda de São Paulo, a exposição “Impressionismo: Paris e a modernidade” que abre para visitação nesta terça-feira (23), no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) no Rio, apresenta um panorama rico e detalhado da pintura impressionista e pós-impressionista do século 19.

“Paris sempre foi uma Meca dos artistas, a exposição é um passeio por Paris sem precisar ir até a França” destacou o diretor-geral do CCBB no Rio, Marcelo Mendonça, em breve entrevista ao UOL durante o vernissage na noite desta segunda (22).

A expectativa para a exposição no Rio após desembarcar da capital paulista é “muito alta”, admitiu Mendonça.

“Quando começamos a conversar com o Museu d’Orsay sobre este projeto há dois anos, nós pedimos que o museu fosse o curador desta exposição impressionista no Brasil. É uma exposição de primeira linha que inicia sua itinerância internacional aqui no Brasil e, em seguida, vai para Madri”, afirmou Mendonça.

Em menos de dois meses em São Paulo, o público foi de 320 mil visitantes. Já no Rio, a exposição, que se inicia nesta terça (23) até 13 de janeiro de 2013, pretende alcançar a meta paulista e até superá-la. O diretor do CCBB no Rio garantiu que as enormes filas de espera de quase cinco horas em São Paulo não vão se repetir no Rio.

“Devido a experiência de São Paulo, a gente se preparou muito bem. A capacidade do CCBB no Rio é três vezes maior”.

Segundo Mendonça, o tempo de espera pode ser de cerca de uma hora, pois cada uma das sete salas de exibição tem capacidade para 150 visitantes.

85 obras de renomados artistas

A exposição traz 85 obras de renomados artistas franceses impressionistas que pintaram a Paris moderna e retrataram cenas do seu cotidiano, além de imagens do campo ocupa integralmente o primeiro andar do centro cultural. O segundo andar dará espaço à cronologia do movimento, consulta bibliográfica e às atividades do CCBB Educativo. Uma mostra de cinema impressionista também fará parte da programação.

O público poderá conferir obras como “As Tuleries” (1875), “A Estação de Saint-Lazare” (1977), “Regatas em Argenteuil” (1874) e “O lago das ninféias” (1899) de Claude Monet, que não se preocupou com o desenho detalhista preferindo eliminar os contornos para conseguir captar o efeito do instantâneo.

Lá estão obras de arte como as “Moças ao Piano” (1892) de Auguste Renoir que priorizava o retrato do feminino, mulheres de seu tempo, investindo no efeito do movimento que dava suas pinceladas. Renoir foi tido como o cronista da burguesia parisiense.

Já em “O Tocador de Pífano” (1866) e “A garçonete com cervejas” (18878/79) de Édouard Manet, o público poderá se deliciar com as pinceladas do artista que, em 1863,  chocou a sociedade parisiense ao mostrar assuntos e personagens de seu tempo contrariando as tendências naturalistas ou personagens da mitologia ou, até mesmo, recusando-se a pintar retratos de nobres.

Estão ainda pinturas como “Dançarinas subindo uma escada” (1886/90) de Edgard Degas; e “Estrada de Ennery” (1874), “Jovem camponesa fazendo fogo” (1888) de Camille Pissarro.

Segundo o presidente do Museu d’Orsay, Guy Cogeval, da seleção de 85 obras do museu, pelo menos dez são “absolutamente maestrais”, como “O Tocador de Pífano”  e “A Estação de Saint-Lazare”.

“Esta é a primeira vez que o Museu d’Orsay vem ao Brasil, país com uma  riqueza cultural enorme, especialmente, o Rio, uma cidade onde já foi capital do Brasil, onde o imperador viveu e teve influência francesa da Belle Époque”, afirmou ao UOL.

“Sabemos que em São Paulo foi uma recepção extraordinária e aqui no Rio não podemos esperar uma cifra muito longe. A cidade que o artista impressionista fala é de Paris e é a cultura da sociedade parisiense que trazemos aqui, um conceito da vanguarda formado por um grupo de artistas que mudou a história das artes”, explicou Guy Cogeval.

Segundo o presidente do Museu d’Orsay, as obras estão avaliadas em meio bilhão de euros (R$ 1,3 bilhões).

“Me tocou muito ver Cézanne no Rio”, diz Fernanda Montenegro

O evento só para convidados na noite de abertura da exposição reuniu cerca de 1.000 visitantes.

Enquanto apreciava a obra “A espera” (1880/85), de Jean Béraud, a atriz Fernanda Montenegro, uma das convidadas do vernissage, definiu a exposição como “comovente”.

Segundo disse ao UOL, o volume de obras extraordinárias que estão reunidas a comove. “Esta é uma exposição de importância na sua excepcional qualidade e quantidade de obras que se deslocaram para o Rio”, disse a atriz que já visitou, pelo menos, três vezes o museu em Paris. Mas para ela, é uma emoção voltar a ver pinturas de artistas impressionistas em sua cidade.

Dos artistas consagrados, o que a marca é Paul Cézanne, especialmente na obra “Retrato do artista com fundo rosa” (1875) um autorretrato que Cézanne (1839-1906)  representou de si mesmo aos 36 anos. “Me tocou muito ver Cézanne no Rio”, disse Montenegro.

Beth Goulart e Guilherme Leme disseram que viram a exposição em uma hora e meia. “A exposição tem uma curadoria incrível que coloca lado a lado artistas que se influenciaram mutuamente. Eu gosto muito de Monet e Cézanne. A parte educativa é maravilhosa para as crianças onde elas vão ter a experiência de pintar um quadro impressionista e mexer com as cores”, disse Goulart ao UOL.

O impressionismo aconteceu numa época de crise da representação tradicional da arte em que a fotografia havia ocupado um lugar de registro mais dinâmico e verdadeiro. Num contexto de industrialização e de uma sociedade burguesa, a pintura teve que encontrar uma nova função e um novo valor de representação.

O diretor do CCBB admitiu que o carioca vai se sentir como se estivesse no próprio Museu d’Orsay, construído na década de 1980, à margem esquerda do rio Sena e em frente aos jardins das Tuleries, num antigo entreposto industrial datado de 1900.

O museu dedica-se à arte do século XIX e, sobretudo, ao movimento impressionista, que deu origem à arte moderna. Em 25 anos de existência, o museu já recebeu mais de 70 milhões de visitantes de todo o mundo.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento

Topo