Entretenimento

Justiça belga considera que quadrinho "Tintin no Congo" não é racista

Do UOL, em São Paulo

13/02/2012 17h24

Um tribunal da da Bélgica determinou que o quadrinho “Tintin no Congo” não é racialmente discriminatório e pode continuar sendo comercializado normalmente no país, informou o jornal Guardian.

Em 2007, o militante congolês Bienvenu Mbutu Mondondo entrou na justiça com um pedido para banir o livro. Ele afirma que a HQ feita pelo ilustrador belga Hergé trata os africanos de forma preconceituosa tanto nos desenhos quanto no roteiro.

Segundo a corte belga, a obra foi criada em um momento no qual ideias coloniais estavam em voga, mas considerou que sua criação ou venda não tem o objetivo de incitar o racismo ou criar um ambiente hostil para qualquer grupo.

“Tintin no Congo” foi publicado por Hergé na década de 1930, quando a atual República Democrática do Congo era uma colônia Belga. O próprio autor afirmou não estar satisfeito com a obra antes de falecer em 1983. O livro foi lançado no Brasil pela editora Companhia das Letras.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento

Topo