PUBLICIDADE
Topo

Estudo afirma que rei bíblico Balak pode ter sido uma figura histórica

01/05/2019 21h59

Jerusalém, 2 mai (EFE).- O rei bíblico Balak pode ter sido uma figura histórica, afirma um estudo da Universidade de Tel Aviv.

Um grupo de especialistas liderados pelo professor Israel Finkelsten analisou imagens de alta resolução da Estela Mesha, pedra com uma inscrição do século IX a.C, e propuseram uma leitura alternativa à aceita até então. A descoberta pode ter consequências para o estudo da Bíblia e da história antiga de Israel.

A pedra, que leva o nome de Mesha em homenagem ao rei de Moab, uma região que hoje pertence à atual Jordânia, é uma peça histórica significativa por possuir uma inscrição pela qual os pesquisadores conseguiram descobrir importantes informações sobre o período.

"Esse estudo é importante porque nos permite entender o território da Judeia e de Moab, seus processos de expansão e a história de Jerusalém no século IX a.C", explicou Finkelstein.

Estudos anteriores tinham estabelecido que um dos nomes gravados na pedra era o da Casa de David, dinastia que governou o Grande Reino de Israel. No entanto, a nova análise da Universidade de Tel Aviv refuta essa conclusão e propõe que o nome em questão, situado em um fragmento pouco legível na linha 31 da inscrição, é o do rei Balak.

Desta forma, Balak, que também foi rei de Moab, mas que até então se acreditava ter vivido no século XIII a.C, passaria a fazer parte da história antiga da região e especificamente do período da Mesha.

"Ao descartar a leitura da Casa de David, descartamos que o reino da Judeia tenha conquistado o de Moab, algo que pode ser significativo para a história antiga de Israel", explicou o professor que liderou o estudo da Universidade de Tel Aviv.

A história antiga de Israel, segundo a Bíblia, diz que os judeus estavam viviam em um território um pouco maior que a atual extensão de Israel, no chamado Reino Unido de Israel.

Uma divisão ocorre no século X a.C, com o reino de Israel ao norte e com o da Judeia ao sul. Os dois territórios são posteriormente conquistados pelos assírios (século VIII a.C) e pelos babilônicos (VI a.C), respectivamente.

Os judeus voltariam mais tarde à região graças um decreto de Ciro, o Grande, governante do Império Persa que havia conquistado os dois reinos. EFE

Entretenimento