PUBLICIDADE
Topo

Entretenimento

Mais de 150 mil pessoas participam de desfile de São Patrício em Nova York

16/03/2019 16h17

Nova York, 16 mar (EFE).- Cerca de 150 mil pessoas participaram do Desfile de São Patrício em Nova York, realizado desde 1762, o mais antigo em homenagem ao padroeiro da Irlanda no mundo.

Representantes de diferentes associações de imigrantes irlandeses de Nova York percorreram neste sábado a famosa Quinta Avenida de Manhattan, tocando músicas tradicionais e utilizando roupas verdes.

Os irlandeses e seus descendentes exibiam com orgulho o trevo de três folhas, símbolo nacional, usada por São Patrício para explicar a Santíssima Trindade.

As organizações que desfilaram hoje, algumas delas com séculos de existência, foram formadas para ajudar o grande número de irlandeses que se mudou para Nova York a se estabelecer na cidade. Atualmente, elas tentam preservar a cultura do país de origem.

A expectativa é que 2 milhões de pessoas assistam ao desfile, considerado o maior do mundo no Dia de São Patrício.

"Neste ano pensamos em todos os imigrantes do mundo. Honramos a vida e o legado de nossos antepassados que chegaram a Nova York, a melhor cidade do mundo", disse à emissora "NBC" Hilary Beirne, uma das organizadoras do desfile.

Sem citar abertamente o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, o presidente do Desfile do Dia de São Patrício de Nova York, Sean Lean, criticou a postura adotada por ele, destacando os efeitos positivos da imigração para a cidade e para o país.

"Sabemos que os imigrantes de hoje podem enriquecer essa cidade e esse país, como os irlandeses fizeram antes deles", disse Lane.

O prefeito de Nova York, Bill de Blasio, agradeceu aos irlandeses e disse em discurso durante o evento que "nenhuma outra comunidade ajudou durante tanto tempo a construir a melhor cidade do mundo".

Como em todos os anos, o desfile foi liderado pelo Regimento 69 da Guarda Nacional do estado de Nova York, fundada em 1850 por imigrantes irlandeses, e que participou de todos os conflitos armados dos EUA. EFE

Entretenimento